Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sagrados
Sugestões de Leitura
Especiais
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
A finalidade de “Sugestões de Leitura” é colocar em destaque obras, cujo valor espiritual merecem um olhar atento, mais profundo, em consonância com a temática da secção em que se insere.

pág. 1 de 2
A Via da Vigilância Interior

de Edward Salim Michael

em 08 Jul 2008

  Este extraordinário livro – ao mesmo tempo simples e poderoso – é um monumento à longa luta de um homem, um anglo-indiano chamado Edward Salim Michael. Homem genuinamente humilde e despretensioso, sem qualquer educação formal, passou quatro anos de labuta incansável, a escrever esta obra. Só concordou em fazê-lo para poder deixar algo, após a sua morte, ao grupo dos seus alunos (em França, Bélgica, Inglaterra e Alemanha) e a uma “agonizante humanidade” – uma humanidade que vê como “tendo perdido por completo o contacto com o Sagrado, se contenta em viver uma existência vegetativa, preocupada apenas com o mundo material exterior”.
Trata-se de um ensinamento que lida com a difícil tarefa do despertar interior do ser humano.


Preocupa-se com certas técnicas de meditação que poderão abrir a porta ao praticante sincero, de acesso ao conhecimento directo do Sublime – um contacto directo com a Origem Divina que, sem o saber é, Ele mesmo. O caminho para essa Fonte é a via da vigilância interior.
Este livro é tanto um desafio, quanto é edificante, tão prático, quanto poético, e é um privilégio poder oferecê-lo com a finalidade de contribuir para a libertação espiritual da humanidade. Tais oportunidades são raras na vida, e esta é, inquestionavelmente, uma delas.

PREFÁCIO

Por Ajahn Sumedho

Estou encantado pelo facto de «A Via da Vigilância Interior» de Edward Salim Michael ter sido reeditado. Lembro-me de ter encontrado este livro na Escola de Verão da Sociedade Budista há 25 anos. Tinha uma foto do Buddha (§) na capa e gostei do título – por isso comecei a folheá-lo.
Os capítulos de Nada Yoga (§) intrigaram-me particularmente, porque há já alguns anos tinha descoberto este “som interior” mas nunca tinha ouvido falar nem havia lido sobre tal no Cânon Pāli. Desenvolvi, então, uma prática meditativa recorrendo a esta vibração de fundo e experimentei grandes benefícios no desenvolvimento da plena atenção enquanto abandonava todo e qualquer pensamento. Esta perspectiva possibilitou uma consciência transcendente, podendo reflectir nos estados mentais que aparecem e desaparecem na percepção interna.
Apreciei as instruções de Edward Salim Michael sobre como integrar o conhecimento na vida diária.
Edward Salim Michael não era um budista professo, mas recomendei este livro a muitos budistas que acham as referências e instruções do Nada Yoga muito úteis na prática da plena atenção.

Ajahn Sumedho
Mosteiro Budista de Amarāvatī
17 de Dezembro 2007

INTRODUÇÃO

Antes que o aspirante possa obter algum verdadeiro benefício do seu trabalho espiritual, antes mesmo que possa tocar e compreender a orla do misticismo e ter disso uma correcta visão, é necessário compreender, no seu íntimo, que os seus esforços espirituais podem não lhe trazer grande vantagem – e podem até ser estéreis – se não andarem lado-a-lado com o desenvolvimento da integridade moral. De facto, desde o início da jornada espiritual, é essencial, para o buscador, ver a importância do seu desenvolvimento moral interno e trabalhar nisto com toda a sinceridade.
Tudo no universo está sujeito a uma lei cósmica invisível de atracção e de gravitação em plena correspondência com o nível ser, de acordo com o seu peso e a sua densidade. Má conduta, não interessa quão ínfima, se repetida, ganhará raízes e, com desconhecimento do aspirante, torná-lo-á mais denso, impedindo-o nos seus esforços espirituais os quais então não darão o devido fruto.
Também, os seus esforços poderão brotar, sem saber, dos níveis inferiores do seu ser, provenientes de motivos pessoais ocultos ou de objectivos errados. As aspirações espirituais podem ser constantemente influenciadas ou misturadas com a sua natureza inferior, com todas as suas fantasias, ideias preconcebidas, desejo inconsciente de prestígio ou poder, sentimentos exacerbados e tendências nocivas, tudo o que trás consigo, podendo não ter consciência ao princípio.
Tornado num hábito de longo tempo, aceita a sua maneira de ser e de pensar sem questionar; e mesmo se acidentalmente tocar um nível mais elevado durante a meditação, acaba por o deformar posteriormente. Porque este estado descerá ao seu nível geral de ser e de compreender nesse momento, falando do que não corresponde à Realidade. Sendo assim, é extremamente difícil não trair ou não distorcer de alguma forma o que é recebido de planos mais elevados, independentemente de quão sincero e escrupuloso possa ser. Em qualquer dos casos, dado não haver linguagem que possa expressar adequadamente estes estados mais elevados, deve-se ser o mais cauteloso possível no que se diz sobre tão importante assunto.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®