Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sistemas Religiosos e Filosóficos
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Sistemas, tem a finalidade de contribuir para a divulgação das linhas de pensamento dentro das várias Religiões e Filosofias de todo o mundo, na compreensão de que todas partilham afinal uma linguagem comum.

pág. 1 de 2
A Sabedoria de Deus

de Swāmi Prabhavānanda

em 06 Fev 2017

  O homem ignorante, ligado a seu corpo, é controlado pelas impressões e tendências criadas por suas acções passadas, e é limitado pela lei do Karma. Mas o homem sábio, seus desejos sendo extintos, não é afectado por acções. Ele está além da lei do Karma. Uma vez que sua mente repousa no Ātman, ele não é afectado pelas condições que o cercam, embora possa continuar a viver no corpo e embora seus sentidos possam se mover entre os objectos dos sentidos. Pois ele compreendeu a vaidade de todos os objectos e na multiplicidade vê um Senhor infinito. Ele é como um homem que despertou do sono e aprendeu que seu sonho era um sonho. Só em ignorância, antes de se chegar à iluminação, as diversas acções, que são os trabalhos dos guṇas, parecem-se unir à Essência. Com o amanhecer do conhecimento, desaparecem. O Ātman, no entanto, permanece não afectado, pois nem na ignorância se torna impuro com os actos, nem no conhecimento se torna livre de impureza.

em ‘Srimad Bhagavatam – The Wisdom of God’ traduzido para o inglês por Swāmi Prabhavānanda; tradução portuguesa de Rafael Roque.

Capítulo XX - A Realização de Deus

Uddhava:

Ó Senhor, para quem existe este universo de relatividade? Não pode existir para o Ātman, pois a Essência (Ātman) é auto-luminosa, imutável, transcendente, pura; Nem pode existir para o corpo, que é um objecto material, desprovido de inteligência. No entanto, não há como negar que esta existência relativa existe. Para quem, então, existe?

Śrī Kriṣṇa:

Para o homem que não sabe discriminar, ignorante da sua verdadeira Essência (Ātman), para aquele que identifica seu Ātman com o corpo, os sentidos e prāṇas, esta existência relativa, embora não tenha realidade, parece real. Assim como quem num sonho se parece deparar com experiências reais, da mesma forma o homem ignorante, imerso em ilusão, confunde sombra por substância.

Tal como um sonho que parece trazer a experiência de muitos problemas a um homem dormindo, mas que deixa de o iludir mal ele acorda, da mesma forma, a tristeza, a alegria, o medo, a raiva, a ganância, a paixão e todas as outras emoções, bem como as experiências do nascimento e da morte, são sentidas como reais pelo homem que se apega ao ego, mas deixam de o iludir assim que conhece o Ātman, a verdadeira Essência.

O homem individual é o Ātman associado e identificado com o corpo, os órgãos do sentido, os prāṇas e a mente. O homem é caracterizado por suas acções e seus guṇas (qualidades). Com o passar do tempo, ele percorre o ciclo do nascimento e da morte.

A mente, a fala, os prāṇas, o corpo e as acções, embora não tenham uma realidade absoluta, manifestam diversas formas e personagens. O sábio corta definitivamente todo o apego a estes com a espada do conhecimento, que é aguçada pela adoração ao seu Guru, e, assim liberto, ele vagueia à vontade sobre a face da terra.

Aquilo que exclusivamente no início era existência, e que no fim exclusivamente será existência, e que é a causa manifestadora exclusiva deste universo – só isso é existência absoluta. Como é que se pode saber esta verdade? Sabe-se pelo estudo das Escrituras, pelo raciocínio, pela prática de austeridades, e pela experiência directa e compreensão pura espirituais.

Tal como o ouro existe antes de ser transformado em ornamentos, e existirá depois dos ornamentos se derreterem, e permanece também como ouro enquanto é conhecido pelos vários nomes de ornamentos, assim também eu estou em relação ao universo - Eu era, eu sou e eu serei.

Só a existência transcendental é real. Por causa dessa existência o universo existe, e essa existência existe mesmo quando o universo cessa.

Aquilo que não está nem no princípio, nem no fim, mas apenas no meio, só existe em aparência. É um mero nome e forma. Na verdade, a experiência que é causada e trazida à luz pela existência transcendental, que inclui tudo, não pode ser outra senão aquela mesma existência.

Brahman existe por si e é auto-refulgente. O universo que é caracterizado pela mudança era inexistente no começo, mas por causa do poder em Brahman conhecido como rajas, parece existente no agora.

Aparência não é realidade: aprenda isto de um mestre sábio. Recorra ao caminho que leva ao conhecimento de Brahman, e removendo todas as dúvidas sobre a Essência, e desapegando-se dos sentidos, o assento dos desejos terrenos, deleite-se na Essência suprema.

Discrimina entre aparência e realidade. O Ātman, a Essência, é a realidade, diferente da aparência, diferente do corpo, dos sentidos, da mente, do intelecto, do ego, dos elementos subtis e grosseiros.

Para o homem que realiza, que conhece plenamente meu ser, é indiferente se os sentidos constituídos por guṇas estão interiorizados ou exteriorizados. Que importa ao sol se as nuvens se juntam ou se dispersam?
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®