Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sistemas Religiosos e Filosóficos
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
pág. 5 de 5
Paramārthasāra

de Baljita Nath Pandit

em 02 Nov 2017

  (...anterior) A existência objectiva não aparece de todo no seu aspecto objectivo nestes dois tattvas, onde a consciência brilha como o infinito e perfeito “Eu”, unicamente, sem qualquer manifestação de existência. Esse é o estado da união absoluta entendida nos seus dois aspectos, imaginado por filósofos para o bem do perfeito e completo entendimento. O Senhor governa supostamente estes dois tattvas como Śiva e Śaktī respectivamente.

A realidade do Absoluto é entendida como Deus e como a sua Divindade com a ajuda destes dois termos, Śiva e Śaktī. Śiva é a fonte original de toda a emanação e Śaktī é o impulso do Absoluto em direcção ao fenómeno. Śiva é o nome dado ao aspecto interior do divino e o impulso espiritual abençoado da consciência pura e, o impulso exterior é representado por Śaktī. A existência objectiva não aparece de todo no seu aspecto objectivo nestes dois tattvas onde a consciência brilha como o infinito e perfeito “Eu” e isso sozinho, mesmo sem a mais leve manifestação de “isso”. Esse é o estado da unidade absoluta projectada sobre os seus dois aspectos, pensada por filósofos pelo prazer do conhecimento perfeito e completo. O Senhor, supostamente, governa estes dois tattvas como Śiva e Śaktī respectivamente. Seres que obtêm esse estado de unidade são definidos como seres Akala. Eles saboreiam continuamente a abençoada existência do seu puro e infinito Eu-consciência dotado com potência divina infinita.

Sadāśiva e Īśvara-tattvas pertencem ao plano da unidade em diversidade e são governados pelo Senhor Sadāśiva e Senhor Īśvara respectivamente. O Deus Absoluto, descendo a um tal plano de unidade-diversidade, é conhecido por estes dois nomes. Seres que residem nos planos desses dois tattvas são respectivamente chamados Mantra-mahā-śvaras e Mantreśvaras. Eles gozam da consciência da sua abençoada unidade com a existência objectiva não diversificada, aparecendo como simples “este” e sentindo respectivamente como “Eu sou isto” e “Isto sou eu mesmo”. A consciência do elemento do Eu predomina no princípio destes seres e também mais tarde, o elemento do “isso”. O ponto de vista da unidade-diversidade, pertencendo a estes género de seres, serve-lhe como o seu tattva instrumental e é definido como Śuddhavidyā ou Sadvidyā, o conhecimento puro e correcto. Sadvidyā no seu nível mais baixo é definido como Mahāmāyā. Seres que habitam este plano são conhecidos como os seus Mantras ou como Vidyeśvaras. Eles vêem-se a si mesmos como potência divina, consciência pura e infinita a disfrutar da sua bem-aventurança, mas ao mesmo tempo que levam a existência objectiva como diferentes deles. O Senhor Īśvara, descendo a esse nível é conhecido como Senhor Anantanātha que governa os seres Mantras e conduz a criação futura através de meios de poderes divinos delegados pelo Senhor. A Criação até ao nível de Mahāmāyā é conduzida directamente pelo Absoluto Todo-Poderoso, Deus Ele mesmo, sem confiar a nenhum dos seus Avatāras que conduzem a criação nos níveis mais baixos. Tal criação é conhecida como a criação pura. É denominada Śuddha-adhvan, o passo puro da meditação objectiva, como ensinada no sistema Trika do Shivaísmo prático.

Excerto do Livro Essência Exacta da Realidade no Paramārthasāra de Abhinavagupta (§) - Publicações Maitreya
   
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®