Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Nutrição
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
pág. 3 de 4
O Sol, vitamina D, a saúde e a doença

de Miguel Ledro Henriques

em 12 Jul 2020

  (...anterior) Outros estudos em doentes com cancro da pele mostraram que aqueles com exposição solar de intensidade média e prolongada a sobreviviam mais e mais tempo do que aqueles sem exposição solar.
Há alguma heterogeneidade nos resultados dos estudos efectuados sobre este tema, já que tudo depende da latitude, de outros hábitos e indicadores de saúde, etc. No entanto, parece ser que a exposição intermitente e intensa intervalada com períodos longos sem sol é mais nociva, enquanto que quando maior for a exposição média e prolongada continua maiores os efeitos positivos e protectores.

Estudos demonstraram que, durante os dias de Verão, a permanência na sombra de árvores ou chapéus-de-sol permite ao corpo produzir entre 50 e 55% da quantidade de vitamina D que produziria com exposição total ao sol, produzindo ainda todos os restantes benefícios já discutidos em quantidades variáveis e de forma muito mais suave para o organismo. Esta parece ser, portanto, a melhor alternativa sobretudo para aqueles que ainda não têm a pele morena o suficiente para lhes conferir uma alta protecção, ou para aqueles que terão uma exposição mais prolongada.
A maior parte dos protectores solares têm na sua constituição químicos sintéticos, muitos deles considerados cancerígenos ou disruptores hormonais por vários estudos (oxibenzona, retinil palmitato, parabenos, ftalatos, etc). Alguns estudos concluíram inclusive que os protectores solares aumentam o risco de melanoma por causa dos químicos que contêm! Muitos protectores protegem apenas contra os raios UVB (os que estimulam a produção de vitamina D3 e o eritema), deixando passar os UVA e permitindo uma exposição de risco quase sem sintomas para nos avisar do excesso e sem muitos dos efeitos benéficos.

Através do vidro não há exposição a raios UVB, e portanto não há produção de vitamina D3.
Curiosamente, é entre as 12h00 e as 15h00 que os raios solares apresentam o rácio UVA/UVB melhor para a saúde. No entanto, tal intensidade em corpos pouco morenos durante mais do que 10 a 15 minutos pode ter mais efeitos nocivos do que benéficos.
Quando o comprimento da nossa sombra é maior do que a altura do corpo, parece já não haver exposição suficiente para haver produção suficiente de vitamina D3.

O que fazer…

O nível de vitamina D3 no sangue (as análises medem normalmente os níveis de 25-hidroxivitamina D3, que está durante mais tempo em circulação, pelo que é mais fiável) deve estar entre 60 e 100 ng/mL, dependo das necessidades e condição de saúde do indivíduo.
Expor ⅓ da superfície corporal ao sol durante ⅓ do tempo que demora a aparecer o eritema solar produz cerca de 1000 UI (unidades internacionais) de vitamina D3 (na nossa latitude) com o dobro da duração do que a vitamina em suplemento. O melhor até é mesmo a permanência à sombra de uma árvore ou de um chapéu-de-sol, o que permite uma exposição mais suave e durante muito mais tempo;
Muitas substâncias dos vegetais, frutos, fruta e ervas aromáticas, nomeadamente os do grupo dos carotenóides (conferem cores vivas ao alimentos onde existem, como é o caso dos pimentos) e os polifenóis, têm efeitos fotoprotectores e antioxidantes na pele. Uma dieta rica nestes alimentos e pobre em açúcares e gorduras animais e/ou saturadas permite aos mecanismos normais de protecção da pele executar as suas funções na perfeição.
Se não é possível fazer uma exposição continuada de média ou curta duração ao sol, pode-se adquirir uma luz de espectro solar para utilização em casa ou no trabalho, luz esta que tem muitos dos efeitos benéficos da luz solar. Caso tal também não seja possível, suplementar 1000 UI de vitamina D3 por dia pode subir o nível sanguíneo até 10 ng/mL. Neste caso, os níveis devem ser avaliados várias vezes para chegar à dose de suplemento correcta.
A exposição de alta intensidade prolongada e/ou intermitente deve ser evitada. Se tal não for possível, existem protectores solares naturais e sem substâncias prejudiciais que podem ser utilizados;

Não esquecer: Usar a cabeça e o coração!!!
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2020, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®