Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Bem-vindo
   Missão
   Agenda
   Notícias
   Loja
   Directório
   Pesquisa
   Marco Histórico §
   Guia de Sânscrito
   NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Dificuldades na leitura? Experimente a versão não acentuada.
pág. 1 de 2
A arte de morrer

de Maria

em 06 Fev 2021

   Ninguém quer morrer! Se há um temor humano colectivo, esse é sem dúvida o da morte. Nunca alguém se sente preparado para morrer, para deixar o seu corpo físico. Não obstante haver aqueles que têm a veleidade de cometer suicídio, não são, porém, exemplo a seguir, porque são na realidade tão fracos psiquicamente, que até da vida têm medo. Também, relativo à eutanásia ela é praticada pelos vencidos.



Neste contexto actual de pandemia fica denunciada e desmascarada a hipocrisia de tantos que aprovam a despenalização da prática da eutanásia, quando nos hospitais se luta pela vida dos doentes, onde os profissionais da saúde têm o dever ético de salvar vidas. A eutanásia é de extrema violência, acto criminoso para quem a comete ou ajuda a cometer. Consagrada a Vida, pela própria vida, ela é inviolável!

O processo evolutivo humano no caminho do aperfeiçoamento implica o desenvolvimento de virtudes, mas essencialmente transmutar os defeitos. Estes manifestam-se conforme o grau de violência interna, muitas vezes disfarçada que nem o próprio é capaz de definir certos sentimentos e emoções que levam a actos menos dignos. Hoje, a educação familiar, escolar e social condena cada vez mais a violência e, portanto, ao abrigo da opinião dos outros essa violência fica escondida, reprimida e, disfarçadamente, acaba por manifestar de alguma forma e conforme o poder de agir de cada um, que pode ser traduzido por: manipulações mentais, regras e leis.

É o caso de muitas pessoas com cargos poderosos que têm possibilidade de decidir pelos outros, usando abusivamente de uma autonomia, disfarçando a sua violência interna, na aprovação de leis. Um dos acérrimos defensor da eutanásia é, então um Procurador, cujos argumentos, naturalmente por submissão ao cargo que ocupa, leva alguns a segui-lo cegamente. Outros, que também comandam estas directrizes com a capa da justiça e do bem, tais guardiões da esquerda política deste País, como educadores dos bons costumes, do politicamente correcto, moralistas disfarçados fazendo coro com outras ideologias progressistas - como donos da democracia - para preencherem o vazio do ateísmo que professam. Aqueles que minimamente são crentes, não subscrevem a prática da eutanásia. Infelizmente há muitos seres “cheios” de vazio interior.

O poder de um lugar ou posição política é muito perigoso, exactamente, pela falta de evolução espiritual, onde os quereres de uma mentalidade medíocre podem comandar a vida de milhares ou mesmo milhões, neste caso, de portugueses ao mando de pessoas notoriamente violentas nos seus interiores, prejudicando tudo e todos. Infelizmente esta é a apatia também da maioria da humanidade que segue conceitos e ideais colectivos, sem pensamento próprio e elevado para combater ou contrariar tamanha desfaçatez de quem tem poder de decidir pelos demais. Por todo este poder, a liberdade individual está em jogo. Porém, se o poder fosse usado com equanimidade nunca a liberdade individual ficaria em perigo. Por si só, o estado de emergência é de grande violência para a liberdade.

Sim, e ainda temos o mais alto cargo da Nação, o Presidente da República que tem demonstrado até aqui conveniência e convivência, sem coragem para contrariar, principalmente os casos da eutanásia e do Acordo Ortográfico, ficando este, até agora, na gaveta.

Mesmo esta pandemia, em que infelizmente todos pagamos o confinamento, se deve à falta de estruturas dos meios sanitários, mesmo na restante Europa, em que as verbas para sustentar a saúde pública são sempre escassas, conforme o demostrou o nosso último Orçamente de Estado, espremido até ao cêntimo para mostrar que a economia tinha crescido. A seguir, o descalabro da pandemia desmoronou todo o esquema matemático, primorosamente abrilhantado pelo ministro das Finanças.

A falta de meios para combater uma gripe mais forte, que é isso mesmo, o Covid-19, naturalmente atinge as pessoas mais vulneráveis, caso dos mais idosos tornando-se mais mortal. Vivemos, de momento num mundo caótico, desconectado, onde o principal não é salvar vidas, mas salvar os lucros que estão por detrás daquilo que dá vantagem económica, que são as manufaturas referentes a todos o material sanitário; máscaras, vestuários médico e de enfermagem, equipamentos hospitalares, e as salvadoras vacinas.
   (... continua)  
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2021, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®