Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Bem-vindo
   Missão
   Agenda
   Notícias
   Loja
   Directório
   Pesquisa
   Marco Histórico §
   Guia de Sânscrito
   NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Dificuldades na leitura? Experimente a versão não acentuada.
pág. 1 de 2
Auto-Consciência

de Maria

em 27 Nov 2014

   Só a auto-consciência confere responsabilidade. Todo aquele que se esforça por alcançar a mestria sobre si mesmo, gradualmente, vai adquirindo mais consciência no sentido de realizar a sua própria expansão de Consciência. Para tal é necessário transmutar e sublimar os desejos (instintos primários) para que estes se convertam em aspiração espiritual. Sem pensamentos objectivos e claros não se pode obter ou mesmo vislumbrar, inteligentemente, a meta da iluminação.
(Os desejos primários que se baseiam em sentidos de posse, ambição desmedida, ódio e violência sobre os outros são cadeias que prendem a humanidade. Eles são verdadeiros obstáculos à observação e ao conhecimento impedindo a clareza mental).


Segundo Alice Baily no Tratado do Fogo Cósmico, estamos inseridos numa estrutura e principio animador manásico – inteligente que pertence a um esquema cósmico, com uma escala de Logos, desde um Logos Cósmico que comanda o nosso Sistema Solar pela Vontade e Propósito ordenado, passando pelo Logos Solar, Logos Planetário até ao homem. Todo o Universo incluindo o homem faz parte do pensamento uno corporizado, tendo este, a capacidade de criar formas a fim de revestir suas ideias.

A compreensão será, que a inteligência flui daquele Entidade Cósmica através do Pensamento abstracto ou Mente abstracta e pela qual esta Entidade formula Seus planos e propósitos. Desta base, descendo pelos diversos níveis e planos através dos Logos Solar e Planetário abrange o Homem, que num plano inferior da matéria concretiza o propósito superior. Quando o homem desenvolve mais inteligência, também desenvolve a mente abstracta podendo então, tocar os diversos planos mentais superiores (causais e búdicos) logóicos e, assim colaborar consciente e inteligentemente, no objectivo superior da Vida, que corresponde à Vontade Superior Divina representada, sucessivamente, em escalas logóicas. Ou seja, os destinos da evolução humana estão, irremediavelmente, inseparáveis dos processos cósmicos.

O que caracteriza então a inteligência? Ter capacidades para discriminar o que é o Eu e o não-eu, a diferença entre o Espírito e a matéria, o bem e o mal: a compreensão de si como Eu Sou. Naturalmente que a inteligência faz parte da vida animada, quer dos homens, quer dos seres cósmicos. Sem a inteligência o que seria a vida? Certamente não haveria capacidade para fazer esta pergunta.

Quanto aos animais, eles carecem de memória consciente (impera o instinto) e não possuem a faculdade de correlacionar devido a estar ausente a chispa da mente. Não estão sujeitos à responsabilidade cármica; isto avaliando as existências individuais animais, mas num plano superior a avaliação é feita ao Logos, o Ser que é a alma-grupo do reino animal no planeta.
Na realidade o que diferencia o homem é a sua individualidade e autoconsciência que lhe permite:
Actividade ordenada – a acção objectiva e correcta.
Adaptabilidade – ajuste às circunstâncias e atributo da vontade e resiliência.
Com o desenvolvimento da inteligência aumenta, necessariamente, a vontade. A mente, veículo da inteligência quando evoluída tem um propósito ordenado e actua pela vontade objectiva. O Espírito (de cada um) na realidade é Inteligência- Consciência que sendo transmitida à mente esta se manifesta no plano da matéria através do seu veículo físico, o cérebro.

Assim, a recepção da inteligência no cérebro que emana dos planos superiores para um viver em harmonia requer:
Vitalização consciente para o alinhamento mental e espiritual,
Quietude mental e vibração radiante e estabilidade emocional,
Equilíbrio etérico ou astral que produza condições no centro coronário (alto da cabeça) que permita a aplicação directa da força do Espírito para o centro do cérebro físico.

Desta forma, este alinhamento vai resultar num triplo aspecto impulsionador a determinados centros importantes do corpo físico: o coronário, o cardíaco e o laríngeo, despertando o “fogo” latente aninhado na base da coluna, que na tradição Hindu se dá o nome de kundalinī. Quando ele (“fogo”) desperta a energia da kundalinī ascende pelo triplo canal vertebral canalizando energia para estes centros maiores. Os três centros a trabalhar em simultâneo tornam-se perfeitos quando se realiza o caminho espiritual através da meditação, pois é esta que acciona os mecanismos das forças latentes no homem para o despertar da kundalinī de forma consciente. É importante o conhecimento para então, saber o que acontece quando há tal despertar.

O alinhamento directo com o Ego (Eu) mediante os três centros é a meta da vida pela meditação e pela disciplina. Só assim o Eu interno pode actuar no plano físico e vivê-lo conscientemente.
   (... continua)  
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®