Fundação Maitreya
 
O Mel, o Açúcar e os Edulcorantes Químicos

de Ana Sofia de Carvalho

em 04 Jun 2018

   A apetência do ser humano pelo doce sempre esteve presente, poderá dizer-se, mas antes de se ter inventado o açúcar (cerca de duzentos anos), este desejo e prazer de saborear algo doce era satisfeito de forma mais saudável: mel, frutas frescas ou secas. Nos nossos dias para satisfazer este desejo poucos são os que buscam estas fontes mais naturais, preferem os bolos, chocolates e outros alimentos Edulcorantes.Os Edulcorantes são bastante diferentes uns dos outros na sua origem e composição química, e só têm de comum o efeito de produzir o sabor doce. Se há os que têm poder curativo em doses baixas, como o mel (mas sempre consumido com moderação), também encontramos os potencialmente nocivos como os açúcares e os Edulcorantes químicos. Alguns Edulcorantes podem até causar a vida amarga a quem procura neles um doce prazer. Convém conhecê-los e usá-los com muita prudência.

São vários os tipos de Edulcorantes. Vamos iniciar este estudo pelos corantes sintéticos:
Edulcorantes Químicos

Sacarina (E 954) – Foi o primeiro edulcorante não calórico que se descobriu. Deixa depois um gosto um tanto amargo. Em 1972 foi eliminada da lista de aditivos seguros nos E.U.A. embora na União Europeia continue a ser autorizada. Aconselha-se como dose diária 2,5 mg por kg (quilo) de peso (170 mg para uma pessoa de 70 kg –quantidade que se encontra em 2L de refresco carbónico ).

Ciclamatos ( E952 ) – Viu-se que potenciava o efeito da sacarina, ao misturar-se com ela reduz-se assim a sua acção amarga. Proibiu-se o seu uso nos E.U.A. pelo seu efeito cancerígeno observado em experiências. Em muitos países da União Europeia são permitidos. Dose diária de 11mg por kg de peso.

Acesulfame K (E950) – De descoberta recente. Não é metabolizado no organismo, elimina-se tal qual com a urina. Ainda existem dúvidas quanto à sua inocuidade pelo facto de não ter sido suficientemente experimentado. Dose diária de 9mg por kg de peso.

Aspartame (E951) – Tem o sabor muito parecido com o açúcar. Pode provocar aumento de apetite e ganho de peso. O aminoácido que contém Fenilanina é muito tóxico para o sistema nervoso, se não se elimina rapidamente do sangue, por isso pode ser nocivo para:
-pessoas com dificuldade de metabolizar a Fenilanina;
-pessoas sensíveis, a quem pode provocar dor de cabeça e alteração no sistema nervoso.
Dose diária de 40mg por kg de peso.

Taumatina (E957) – É obtido de uma planta Africana e é 2000 vezes mais doce que o açúcar. É usado em confeitaria. Não foi ainda determinada dose diária.

Neo-Hesperidina (E959) – Obtém-se da casca dos citrinos. Usa-se em pastilhas elásticas e pastas dentífricas. A dose diária também ainda não foi determinada.
Temos agora o Mel, que possui várias propriedades curativas e que nos fornece rápida energia visto os seus açúcares não precisarem ser digeridos e passarem directamente para serem absorvidos pelo sangue. Contém vitaminas do grupo B, minerais (cálcio e fósforo) que favorecem a combustão dos açúcares nas células. Deve no entanto ser consumido regradamente para não causar transtornos digestivos e especialmente com moderação em casos de diabetes e alergias. Não é aconselhável ministrá-lo a crianças menores de um ano. Para quem pratica a meditação é também aconselhável observar se o seu consumo não produz excitação mental.
Os Xaropes Naturais como o Xarope de Milho, de Trigo, a Geleia de Espelta, de Mandioca, de Cevada (Malte de Cevada), o Melaço de Cana (que é rico em cálcio, ferro, potássio, magnésio e vitamina B6 entre outros oligoelementos), são mais saudáveis que as restantes açúcares pois contém menor quantidade de açúcar e logo menos calorias e mais vitamina e minerais, sendo uma boa alternativa.

O Açúcar, sendo o mais aconselhável o mascavado escuro e a rapadura, são bastante desequilibrados a nível nutritivo pois não contém proteínas nem gorduras, vitaminas, minerais e fibras. São formados por hidratos de carbono praticamente puros. Provocam desequilíbrio metabólico visto que para que este seja metabolizado e se converta em energia, necessita de vitaminas do complexo B (especialmente B1 - que é absolutamente necessária para o equilíbrio geral, desde o sistema nervoso, pele, vitalidade, visão, entre outros. A carência desta vitamina provoca: transtornos nervosos, apatia, fadiga, irritabilidade, depressão, transtornos digestivos - falta de apetite, digestão lenta, prisão de ventre, transtornos circulatórios – insuficiência cardíaca, em casos graves poli neurite (insuficiência dos nervos periféricos) e beribéri) e minerais (sobretudo cálcio). Se não ingerimos com ele alimentos que os possuam o organismo utilizará das suas próprias reservas. O seu consumo excessivo sem a correspondente quantidade em vitaminas, minerais e fibras, altera o metabolismo dos hidratos de carbono, gorduras e proteínas com consequente repercussão negativa para a saúde.

Facilmente o Açúcar saceia, daí ter-se em conta as carências alimentares que podem advir por não se consumir outro tipo de alimentos importantes para o equilíbrio saudável do organismo. Promovem o aumento dos triglicerídos no sangue, são uma das causas de obesidade.
Por alguns estudos realizados observou-se que o consumo excessivo de açúcar e baixo em fibras e outros nutrientes (mais de 50g por dia) está relacionado com diversas doenças crónicas como: cálculos biliares, cancro do estômago, cancro do cólon, colite (doença de crohn), úlcera gastroduodenal, diabetes, fragilidade óssea e atraso de crescimento fetal.
Os Frutos secos e as Frutas frescas com todas as suas propriedades benéficas.

O Açúcar Engorda?
Cada grama de qualquer tipo de açúcar proporciona 4 kcal quando é metabolizado ou queimado nas nossas células, mas quando é ingerido em excesso, acima das necessidades energéticas, uma parte transforma-se em gordura no Fígado. Quando o açúcar se ingere com gorduras como acontece com os bolos, chocolates, e não se queima o excesso de calorias, produz-se um maior aumento dos depósitos de gordura = a má nutrição pois tira a fome e ocupa o espaço de alimentos saudáveis que o nosso organismo necessita.
Quanto Açúcar é que se pode consumir?

Mínimo: Nenhuma pessoa saudável necessita consumir açúcar para se manter em bom estado de saúde. De facto quanto menos açúcar comermos melhor. Numa alimentação equilibrada ele nos é fornecido pelas frutas e hortaliças de maneira natural e é mais do que o suficiente para satisfazer as possíveis exigências devidas a exercício físico intenso.

Máximo: Para por exemplo uma dieta de 2000 kcal diárias, isto significa 200 kcal provenientes dos açúcares, ou seja 50g por dia (sendo que cada grama proporciona 4 kcal) = daí se percebe como devemos moderar o nosso consumo de açúcar.
É também importante recordar que o açúcar, qualquer tipo de doce, à excepção das frutas frescas, em excesso pode levar a mente à dispersão o que não ajuda especialmente na prática da Meditação.

Aditivos Alimentares
Todos os Aditivos que vamos expor são autorizados na Alimentação e vêem descritos nas embalagens. Este material está sendo difundido pelo “Hospital Villejuif” de Paris.

   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 19/6/2018 às 21:22

© 2004-2018, Todos os direitos reservados