Fundação Maitreya
 
Conversa com Maria

de Maria de Fátima Ribeiro

em 30 Mar 2011

  Maria Ferreira da Silva, autora de vários livros como – O Avatara, Maitreya vem..., As Iniciações, As Iniciações e a Expansão Portuguesa, Tratado de Meditação, A Eterna Sabedoria, Guia de Meditação, O Silêncio, Folhas de Luz e a Meditação e a Saúde. Maria tem-se dedicado à investigação nas áreas das Religiões e Filosofias Ocidentais e Orientais e, ainda ao estudo científico sobre o efeito benéfico da Meditação no cérebro humano.


Entrevista cedida gentilmente à “agenda alternativa do Porto”, Espaço Aberto.

Agenda
Qual a importância da Meditação na nossa vida?
Maria
A Meditação é tão essencial para o equilíbrio físico e psíquico como o respirar ou comer. Existem muitas escalas para chegar a um certo nível, que por sua vez, conduza a outros níveis ou estados e, portanto, existe um começo que envolve um sistema para a prática da Meditação. Há pessoas que manifestam alguma recusa, porque acham que meditar é sentar-se, fechar os olhos e automaticamente entrarem num vazio, o que é uma ideia errada e por isso desistem com facilidade. Nestas várias escalas é necessário primeiro dispersar as energias mentalmente, dispersar os pensamentos, isto é, usar a mente: não é ficar no vazio mental. Meditar é deixar que a mente finalmente repouse.

Agenda
Pode-se meditar enquanto estamos a passar a ferro?
Maria
Sim, em coisas tão simples, como passar a ferro pode-se usar certo tipo de concentração, mas não é meditar enquanto está a passar a ferro, mas concentrar-se enquanto passa a ferro. Estar a passar a ferro com plena atenção, é concentração e ninguém pode meditar se não estiver concentrada.
Há uma primeira fase que é a prática de concentração, em que se pode usar um “objecto”, como por ex., num mandala, ou de olhos fechados colocar a mente num Mestre da sua devoção ou em Deus, mas sempre nesse objectivo de concentração; se vier um pensamento, retirar esse pensamento e tentar novamente a concentração. A plena atenção de que se fala no Budismo e que já vem da tradição do Hinduísmo consiste na concentração, que é o elo fundamental para o passo seguinte que é a Meditação.

Assim, quando está a passar a ferro e se estiver com plena atenção no que está a fazer, já está a ajudar a sua mente a educar-se, ou quando está a descascar uma batata, que seja com plena atenção no que está a fazer.
A prática da Meditação requer espaço, tempo e disponibilidade, se não houver disponibilidade interior, não vale a pena meditar, porque não obtém o resultado pretendido, nem a atitude correcta quanto ao “Objectivo”, o Divino.
A Meditação é de facto, aquele elo que nos pode levar a uma atitude tão positiva, tão saudável, que tudo aquilo que antes pode ter servido (para alguns) como apoio, o Reiki, a Acunpuntura, as massagens, enfim, terapias muito usadas actualmente, não vão ser mais necessárias, porque ao longo desse percurso de prática da Meditação vai-se obtendo maior equilíbrio melhorando a saúde no seu todo, sem necessidade de nada exterior. Porém, se não houver o propósito de ligação ao Poder Superior ou Divino, não está a fazer nada, acredite.

Agenda
As pessoas meditam mais agora?
Maria
Hoje em dia existem muitos seres materialistas ou ateus, mas também existem cada vez mais pessoas a acreditar em Deus. A Meditação é uma prática que foi banida da vida das pessoas como um suporte religioso, tal a oração. Não restam dúvidas de que, se as pessoas meditarem só por meditarem para se sentirem relaxadas, ou apenas como uma cura alternativa à medicina tradicional, não resulta, pois falta a ligação com o Divino, perdendo-se então, a direcção.
Esta ligação tem que ser realizada, e ao fazê-la de forma natural pelo processo de Meditação vai-se melhorando gradualmente, não só a saúde, como mudamos a nossa atitude, resultando numa vida completamente renovada, até porque a Meditação é criativa: todos os dias há algo de novo. Não são as curas ou as terapias que dão a espiritualidade, elas são um passo, e se não alimentarmos a Alma entramos num estado depressivo e, psiquicamente não ficamos bem.

Agenda
É a dor que sentimos no corpo físico que nós dá um sinal de que algo não esta bem? Porque vem a dor?
Maria
Se existe uma dor (emocional) ela é ultrapassada com uma boa prática de Meditação; a dor deixa de existir, não existe mais infelicidade, contudo, se existir mesmo dor física ela também pode ser enfrentada e ultrapassada pela Meditação, pois desenvolve maior capacidade à dor. Por outro lado, pode desbloquear energias, diminuindo as tensões físicas e psíquicas. A dor que sobressai mais no ser humano é a dor psíquica, é a dor da Alma, e quando se tem dúvidas sobre a existência ou na direcção a tomar na vida, fica-se mais frágil e portanto vulnerável à dor. Uma boa prática espiritual como a Meditação acaba por eliminar pouco a pouco as dúvidas e, os bloqueios internos deixam de existir. Quando se faz um percurso espiritual, a pessoa resolve-se interiormente,

Agenda
Qual a ocasião mais adequada para meditar?
Maria
A ocasião mais adequada é ao levantar, ao fim da tarde, ou antes de dormir. Eu medito com regularidade, tenho disciplina e também cuidado com a alimentação. Estou sempre pronta; ao Serviço dos Mestres, ao Serviço de Deus.
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 23/6/2024 às 19:14

© 2004-2024, Todos os direitos reservados