Fundação Maitreya
 
Clima

de Maria

em 23 Jul 2019

  O planeta Terra sofre mudanças por necessidade evolutiva para que a sua superfície seja nutrida, a par dos desenvolvimentos civilizacionais dos povos da humanidade que extraem da terra o seu proveito, seja em materiais, seja em vegetais ou atmosféricos. A natureza conduz a sua própria transformação, geralmente através de vulcões, fogos ou tempestades de ventos e inundações.
Portanto, nem tudo é obra negativa do homem, aliás a humanidade tem o dever de aproveitar os recursos que estão à sua disposição, na qual, por exemplo, a electricidade tem mesmo de ser usada. A electricidade pertence ao aspecto Agni – fogo e é através das diversas transformações que a natureza se renova de tempos-a-tempos, purificada pela água e pelo fogo.


Os metais e os minerais estão sempre relacionados com o fogo pelo qual nascem ou se transformam, e a flora depende do ambiente de humidade e de calor gerado não só pela luz do sol como do subsolo do planeta, que no seu núcleo contem fogo e que através dos vulcões interfere na crosta terrestre e na atmosfera, condicionando as florestas, os rios e os mares. De alguma forma, as condições de habitabilidade da Terra para o homem dependem destas transformações geológicas. É com o fogo central nas entranhas da Terra que se nutrem as formas físicas de todos os reinos da natureza.

Como tudo é vivo no Cosmos, quer dizer que tudo se move e transforma; desde as estrelas, os gases, os astros, a natureza da Terra e os seus habitantes, quer homens, animais ou vegetais. A vegetação sofre constantemente mutações, em que certas espécies acabam e outras nascem. Quanto aos animais, também se vão extinguindo e embora alguns pensem ser um efeito irresponsável do homem, estão equivocados e, por esta razão é contra producente fazer clonagem ou usar outro tipo de genética para preservar certas espécies. O planeta rege-se por um plano delineado em tempo e espaço para que a evolução se processe gradualmente, mas também para que se extingam espécies, porque há necessidade de serem substituídas com funções mais específicas ou inovadoras.

As oscilações quase imperceptíveis que o eixo da Terra possa sofrer (o que já aconteceu em tempos actuais), nem que seja uma leve inclinação têm grandes consequências no angulo de inclinação do Sol no Planeta. Estas necessidades naturais da Terra, que são provocadas por vulcões, tempestades ou secas trazem mudanças desconhecidas e imprevisíveis para a humanidade. Por outro lado, a população vai aumentando e, quando o homem começou a expandir o seu raio de acção pela necessidade de sobreviver, ocupando espaços para construir seus abrigos (casas), foi afastando certos animais que aí habitavam. Provocou assim, grandes transformações a todos os níveis, quer na vegetação, quer no ambiente magnético e atmosférico e, portanto, os animais não tendo como sobreviver no seu habita natural acabam por extinguir-se. Contudo, isto é mesmo assim.

Há animais que hoje não podem existir mais, pelas suas vibrações mais densas tornando-se já incompatíveis com a evolução humana, exactamente pelas transformações necessárias que tem havido em prol da humanidade. Infelizmente os alarmistas fazem disto um drama e tentam preservar espécies que já não têm mais possibilidade de sobreviver, clonando-os sem levar em conta as novas condições de habitabilidade a que estão sujeitos.

Antigamente cada povo tinha um espaço geográfico de acordo com a sua necessidade de evolução e características, mas também os animais e a vegetação faziam parte deste ambiente. Hoje a humanidade cruza-se cada vez mais e galga fronteiras diferentes, onde têm de se adaptar a novas situações; implica tradições sociais e culturais, vegetais, animais e condições atmosféricas que são o resultado das emanações dos seres vivos desses territórios.

O ser humano não gosta de mudanças, que nem dá conta de que a humanidade está ela mesma em constante mutação e uma das causas são por exemplo, os cruzamentos de raças. Hoje, mais do que nunca está em evidência esta permuta genética que ocasiona gerações imprevisíveis ao nível do desenvolvimento cultural, social, ambiental e espiritual; portanto, sempre com inovações e transmutações.

Nota - Em relação aos minerais é um grande erro usá-los para fins medicinais. Estas substâncias não estão destinadas ao homem para ingerir; a combinação de minerais provoca certas vibrações que não se sintonizam entre si, assim como a alimentação animal. A vida vegetal sim; é o verdadeiro alimento para o homem.
Nota – Naturalmente que o ser humano pode e deve evitar a contaminação ambiental para manter a Terra saudável e limpa. Tomando em conta os plásticos, por exemplo, e outros elementos tóxicos será necessário haver uma postura mais responsável e, a sociedade através dos órgãos governamentais e a adequada informação pedagógica, usufruir de uma educação mais ecológica para que a vivência no planeta seja mais equilibrada.
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 25/8/2019 às 16:35

© 2004-2019, Todos os direitos reservados