Fundação Maitreya
 
Ser saudável

de Miguel Ledro Henriques

em 14 Out 2019

  A capacidade para a auto-regulação emocional é o factor central para atingir e manter aquele estado a que chamamos felicidade: o indivíduo, para ser absolutamente livre dos condicionamentos e influências externas não desejadas que arrastam a maioria das pessoas como papéis numa tempestade, deve descobrir e interiorizar que nós somos os únicos responsáveis pela nossa experiência. Isto é, as condições externas são o que são, e podem variar entre o paradisíaco e o infernal, mas a maneira como nós reagimos a isso é que tem impacto naquilo que pensamos, sentimos e somos, e aquilo que pensamos/sentimos/somos é o que determina as nossas circunstâncias internas e externas futuras. Portanto, o nosso nível de consciência e a nossa capacidade de auto-regulação emocional são, na verdade, os únicos determinantes da nossa experiência, do nosso presente e futuro, da nossa vida.

Ser saudável

O que vai ser dito...

✔ O nosso organismo está naturalmente dotado de mecanismos para se equilibrar com ele próprio e com o ambiente;

✔ Um estado de completa saúde passa pelo bem-estar físico, mental e emocional através da sensatez que o proporciona, o que só pode ser alcançado através do auto-conhecimento, do respeitar os ritmos biológicos, de uma alimentação correcta baseada em produtos naturais, do exercício físico, exposição ao sol, evicção de tóxicos ambientais e de um bom funcionamento dos mecanismos de eliminação do organismo – ou seja, do respeitar a harmonia para a qual o nosso organismo foi criado;

✔ A vida ética – a ética não tem nada a ver com moralismos, mas sim com fazer aquilo que é sensato em vez daquilo que é tolo -- e a auto-regulação emocional – que elimina sustentavelmente os estados de consciência negativos, como a ansiedade, o medo, a raiva, a tristeza, etc – são os factores mais fundamentais para uma vida saudável, feliz e em constante crescimento pessoal;

✔ Não podemos esperar ser saudáveis, de forma alguma, se o nosso estilo de vida não o é;

✔ Os vegetais, cogumelos, ovos, fruta, ervas aromáticas e especiarias, sementes, frutos secos e probióticos são o centro de uma alimentação completamente saudável e uma das melhores estratégias de prevenção de algumas das doenças mais prevalentes nos dias de hoje, enquanto que os produtos de origem animal, os processados e produtos com açúcares adicionados estão associados a doença e diminuição da esperança média de vida (factos médicos mais comprovados por estudos científicos até à data);

✔ A higiene do sono é fundamental, o que implica respeitar os ritmos do nosso corpo, sobretudo numa época de tanta e tão rápida actividade diária;

✔ A exposição solar é fundamental para a produção de Vitamina D3, entre outras substâncias vitais para o normal funcionamento de todos os tecidos do organismo e portanto para a manutenção da saúde e prevenção de doença;

✔ A eliminação dos químicos e tóxicos tão vulgares nos nossos hábitos hoje em dia é muito importante para um estado de completa saúde e prevenção de doenças;

A saúde

O nosso organismo é o resultado de milhões de anos de afinações por parte da Natureza, e esses milhões de anos rodearam-nos igualmente de todas as ferramentas de que precisamos para nos curar, salvo casos particularmente raros. É possível tratar e prevenir quase todas as doenças existentes através da nossa própria forma de vida, o que passa antes de tudo pelo auto-conhecimento e contínua evolução, por aumentar o nosso grau de consciência na vida e estar atentos ao nosso corpo, pensamentos e emoções, hábitos alimentares, de higiene, de sono, etc. A capacidade do organismo de se manter saudável e de se curar é verdadeiramente incrível, e a ideia de que o envelhecimento traz natural e inevitavelmente todas aquelas doenças de que a população hoje padece está profundamente errada, como a própria fisiologia e a experiência de muitos casos vivos o podem demonstrar.

1. Atenção, atenção, atenção – elevação do grau de consciência! A atenção para com tudo na vida, sobretudo nós próprios e o que estamos a fazer, é o segredo do desenvolvimento. Permite-nos descobrir, compreender e aprender coisas que nem imaginávamos. Descobrimos que pensamentos nos fazem avançar e quais estagnar, que emoções nos trazem felicidade e quais nos prendem à dor, como devemos respirar para nos sentirmos mais calmos, como mastigar para minimizar ou evitar problemas gastrointestinais, como nos posicionarmos e nos movermos para que o corpo seja fluído e se desloque sem esforço para a sua estrutura, que alimentos nos fazem sentir melhor ou pior, quantas horas de sono são ideais, o que são desejos condicionados e o que vem da nossa verdadeira, profunda e reflectida vontade.
O “modo piloto” em que passamos a maior parte dos nossos dias é o nosso maior inimigo, tendo em conta que nem reparamos nele, nem nada fazemos para o combater. Esta falta de atenção, de poder de vontade, é a causa fundamental de todos os nossos males, e uma enorme porta de entrada para que qualquer espécie de psicologia barata nos lave a mente, nos vicie e nos condicione.
Eventual e inevitavelmente, a elevação do grau de consciência trará perante nós as perguntas mais essenciais da vida, e dará um verdadeiro e imparável significado ao nosso caminho através dela.


2. Auto-regulação emocional, vida sensata e ordenada: para a saúde mental e emocional, e portanto também para a física, é necessário observar, descobrir e ir para além de comportamentos, pensamentos e emoções que sejam nocivos para os outros – “tudo o que vai, volta” – e para nós próprios.
A capacidade para a auto-regulação emocional é o factor central para atingir e manter aquele estado a que chamamos felicidade: o indivíduo, para ser absolutamente livre dos condicionamentos e influências externas não desejadas que arrastam a maioria das pessoas como papéis numa tempestade, deve descobrir e interiorizar que nós somos os únicos responsáveis pela nossa experiência. Isto é, as condições externas são o que são, e podem variar entre o paradisíaco e o infernal, mas a maneira como nós reagimos a isso é que tem impacto naquilo que pensamos, sentimos e somos, e aquilo que pensamos/sentimos/somos é o que determina as nossas circunstâncias internas e externas futuras. Portanto, o nosso nível de consciência e a nossa capacidade de auto-regulação emocional são, na verdade, os únicos determinantes da nossa experiência, do nosso presente e futuro, da nossa vida.
Isto consegue-se através da elevação do grau de consciência anteriormente descrito, do treino da auto-regulação emocional e do domínio da ética, que mais não é do que a escolha de atitudes sensatas – todas as que são verdadeiramente benéficas para nós e para o mundo que nos rodeia – em lugar de tolas – todas aquelas que são prejudiciais para nós e o mundo que nos rodeia: através do treino e da intenção é possível e desejável que sejamos amáveis, altruístas, e capazes de aceitar as coisas como são sem nos deixarmos levar pelas emoções, não negando-as - isso não seria nem humano nem sensato - mas sentindo-as, aceitando-as, compreendendo que são passageiras (e não há vantagem nenhuma em deixar que nos causem problemas na vida) e deixando-as ir. Só depois de aceitar uma coisa podemos estar em condições para a mudar.

Nota: a ética de que se fala não é o conjunto de regras impostas ou sugeridas pela sociedade, mas sim as leis de funcionamento do Universo manifestado, e que surgem naturalmente ao procurarmos os nossos ideais interiores e a nossa sabedoria, sempre fundamentados naquilo que experienciámos por nós próprios. A ética é sabedoria e sensatez.

A doença não é uma deficiência, não é um erro. A Natureza não comete erros, é um sistema contínuo e interdependente, como está mais do que demonstrado por todos os diferentes campos de acção da ciência humana. A maior parte das doenças (excepto as poucas que são de facto produto do envelhecimento e desgaste orgânico naturais, e neste caso deveriam ter uma classificação diferente se quiséssemos ser exactos) é a nossa própria existência a querer dizer-nos alguma coisa, a mostrar-nos o que temos que fazer ou mudar para não sofrermos mais adiante. A lei do karma, acção-reacção ou causa-efeito – chamem-lhe o que quiserem -- é tão real e tão material como os nossos corpos, é uma lei da física tão provada teórica como experiencialmente por qualquer um que tenha a mínima atenção à sua própria vida. Toda a acção tem uma consequência, toda a força provoca uma resistência, e quando nos associamos a emoções, pensamentos e estados de ser negativos, é matemático que receberemos da mesma moeda. (ex: se somos malcriados com as pessoas à nossa volta, deixarão de suportar a nossa presença; se formos muito agressivos eventualmente iremos ser agredidos; se não ajudarmos os outros, ninguém quererá ajudar-nos a nós; se comermos mal, o nosso sistema imunitário vai funcionar mal; se cultivarmos pensamentos negativos sobre nós próprios, teremos baixa auto-estima e por ai em diante). Aliás, todos os nossos pensamentos e emoções dão lugar a alterações fisiológicas, bioquímicas, hormonais e genéticas mensuráveis. E tudo isto influencia o nosso corpo, humor, o nosso comportamento, o nosso carácter, as nossas acções e portanto o nosso futuro.

3. Alimentação: é vital começar a olhar para os rótulos de tudo o que comemos. O principal objectivo da indústria alimentar, como de todas as outras, é vender, e para isso não hesitam em encher os seus produtos de substâncias que sabem ser extraordinariamente viciantes.
O consumo de produtos de origem animal está associado a um aumento da probabilidade e gravidade de quase todas as doenças conhecidas -- este é um dos factos mais bem estudados e comprovados pela ciência médica. O açúcar, as gorduras trans e algumas saturadas, o glutamato monossódico, os aditivos presentes nos processados e muitas outras substâncias comprovadamente nocivas têm sido adicionadas à nossa comida tão descontroladamente que muita gente hoje acredita que não pode passar sem elas. Aliás, estas substâncias actuam no nosso cérebro da mesma maneira e nos mesmos locais que as drogas de vício, activando determinados neurónios (chamados circuitos de recompensa), que vão “dizer” ao nosso corpo que querem mais, cada vez mais, convencendo-nos a partir de dentro – qual cavalo de Tróia – de que podemos e devemos fazer o que queremos, que a “vida é curta” e não tem mal se a encurtarmos um pouco mais desde que isso nos traga aqueles passageiros segundos de aparente felicidade. Segundo os mais recentes estudos sobre a neuroplasticidade (o cérebro está em constante e contínua mudança ao longo de toda a vida, consoante o que pensamos, sentimos e fazemos), isto somos nós a sucumbir a estímulos externos sem usar a nossa cabeça para o que ela serve, entrando novamente no modo piloto.
Ninguém diz que seja obrigatória a abstenção absoluta para ser completamente saudável, apenas que os comportamentos alimentares, como qualquer outro comportamento, tendem a tornar-se hábito e são progressivamente mais difíceis de modificar. O mais importante é estar permanentemente atento e ser equilibrado.
Por outro lado, o consumo diário de alimentos de origem vegetal é indicado da mesma forma por inúmeros estudos como estando associado a taxas mais baixas de todas as doenças e maior longevidade.
Os alimentos que comemos devem ter, na maior parte dos casos, pelo menos a concentração de água do nosso corpo, ou seja, mais de 70%. Os vegetais, fruta e outros produtos de origem vegetal são os melhores neste e em muitos outros aspectos – os nutrientes têm uma elevada frequência energética, estão vivos, biologicamente activos; são ricos em fibra que regula os mecanismos da saciedade e do consumo calórico; são riquíssimos em substâncias denominadas polifenóis, que são antioxidantes, anti-inflamatórios, anti-cancerígenos e regulam todos os mecanismos celulares conhecidos; e contêm os nutrientes em formas muito mais biodisponíveis para utilização pelo nosso organismo, ou seja, são muito mais facilmente transformáveis em corpo humano do que os já transformados pelos animais.
O funcionamento das nossas enzimas digestivas começa a aumentar ao acordar e atinge o seu pico por volta do meio-dia. Isto significa que tanto o pequeno-almoço como o jantar devem ser mais leves, e a refeição principal e mais rica em proteína deve ser consumida à hora de almoço.
Se estas recomendações não forem seguidas, é provável que haja uma acumulação progressiva de alimentos mal digeridos no sistema gastrointestinal, o que pode causar mau hálito, problemas dentários, indigestão, refluxo, obstipação, gases, hemorróidas e outros problemas gastrointestinais.

4. Químicos: tão espalhados em todo o nosso ambiente, na água, no ar, comida, produtos de higiene e de limpeza, que lesam directa e cumulativamente os nossos órgãos a nível celular. Os estudos actuais mostram que uma pessoa comum tem milhares de químicos sintéticos no organismo, sendo que os recém-nascidos já vêm ao mundo preenchidos por estes!
Quanto a este tema, é simples: o nosso organismo, nos escassos séculos e nalguns casos décadas em que os químicos sintéticos foram produzidos e lançados ao ambiente, não teve capacidade de se adaptar, pelo que não tem mecanismos para se proteger, processar e livrar deles convenientemente. Acumulam-se progressivamente no nosso organismo causando doenças mais graves quanto maior a impregnação – primeiro impedem a normal comunicação celular, depois o próprio funcionamento interno das células e eventualmente levam a doença de órgão ou sistema.
Felizmente, hoje em dia temos maneiras de os evitar e eliminar.

5. Stress e ansiedade: produto da nossa reacção ao deturpado estilo de vida que somos cada vez mais obrigados a levar, e que é talvez o factor mais grave de todos os mencionados, atacando todo o nosso corpo através de alterações emocionais e neuronais que têm tendência a tornar-se hábito e a ficar instaladas no corpo, levando à inflamação, doença crónica e a maior fragilidade perante a doença aguda.

6. Mecanismos de eliminação do corpo: o normal funcionamento dos mecanismos de eliminação do corpo, nomeadamente evacuar, urinar, o suor e a drenagem do sistema linfático são fundamentais para a expulsão das toxinas e subprodutos do metabolismo que geramos continuamente.
Um dos mais passivamente ignorados é o trânsito intestinal: os movimentos intestinais devem ser tão frequentes como o número de vezes que nos alimentamos. Devemos evacuar pelo menos 2 vezes por dia, e as fezes deve ser moles e semiflutuar na água. A obstipação/ prisão de ventre faz com que inúmeras toxinas e bactérias prejudiciais estejam em contacto com as células do intestino, danifiquem estas e as nossas bactérias comensais (as que vivem em harmonia com, e são vitais ao, nosso corpo) e inclusive que sejam absorvidas, o que está associado a inúmeras doenças!

Recomendações Gerais

Aconselha-se que se consigam cumprir o máximo das recomendações, mas progressivamente e ao ritmo de cada um, sobretudo para evitar o “efeito elástico” de quando se tentam reprimir comportamentos viciantes e antigos. No entanto, se estamos confiantes de que a nossa força de vontade é grande e conseguimos mudar rapidamente, melhor!

Em termos mais técnicos, devemos:

✔ Criar técnicas e estados sustentados de auto-regulação emocional, emoções positivas e consciência plena;

✔ Optimizar toda a fisiologia do organismo;

✔ Alcalinizar o organismo – não directamente o sangue, mas os tecidos, a matriz celular (estrutura onde assentam as células e por onde elas comunicam) e o interior das células. O estilo de vida ocidental acidifica muito o corpo, o que compromete o normal funcionamento celular e permite o desenvolvimento de microorganismos patogénicos;

✔ Aumentar o consumo e produção de antioxidantes, e diminuir o de oxidantes – pode dizer-se que existe uma luta constante entre estas duas classes de substâncias, e que muitas doenças aparecem quando aquela se desequilibra para o lado dos oxidantes;

✔ Estimular os mecanismos de eliminação do organismo – o suor, o sistema linfático, a evacuação e a urina são mecanismos de eliminação de toxinas e dos detritos do organismo, pelo que devem funcionar diariamente e na perfeição (quando o indivíduo muda o seu estilo de vida para um mais saudável, a princípio estes mecanismos de eliminação vão funcionar muito intensamente, o que é bom, apesar de por vezes poder ser confundido com uma ligeira sensação de doença);

✔ Optimizar todos os mecanismos moleculares de funcionamento das células e tecidos – através do fornecimento de todas as vitaminas, sais minerais, oligoelementos e enzimas de que necessitam;

Objectivos para a melhoria da saúde

1. Instituir os princípios e técnicas de auto-regulação emocional, assim eliminando o stress, ansiedade e o peso da negatividade. Isto dota o indivíduo de progressiva e completa liberdade, autonomia e invulnerabilidade perante os acontecimentos circunstanciais da vida;

2. Viver uma vida ética – uma que não provoque dor desnecessária nem aos outros nem a nós mesmos, que esteja em sintonia com a harmonia do Universo do qual fazemos parte;

3. Estar atento constantemente e a tudo o que sentimos, pensamos e fazemos. Só assim podemos descobrir as características da forma de vida que é mais adequada a cada um de nós, que será sempre diferente e individualizada. E só assim podemos defender-nos dos condicionamentos automáticos que nos transformam literalmente em robots (a palavra vem do eslavo “trabalhos forçados”), e começar a ser verdadeiramente livres, fundamentando toda a nossa vida em princípios por nós pensados e desenhados, e não em ordens subliminares do exterior;

4. Ler os rótulos de todos os alimentos que pensamos consumir! Eliminar a ingestão de produtos de origem animal, os processados, e diminuir a ingestão de calorias sob a forma de açúcar (sacarose) e outros hidratos de carbono simples. Excesso de “açúcar” no sangue:
a) É imunosupressora – ou seja, impede o normal funcionamento do sistema imunitário. As células imunitárias utilizam cerca de 7 vezes mais vitamina C do que as demais, e a glicose inibe directamente essa utilização (por ser muito parecida com a vitamina C, “engana” as células;
b) Causa lesões em múltiplos órgãos ao longo do tempo - glóbulos vermelhos, rins, coração, vasos sanguíneos, nervos, fígado, olhos, cérebro, etc, e está envolvido na causa de doenças como diabetes, hipertensão, doença cardíaca, cegueira, obesidade, demência, insuficiência renal, etc;)
c) Aumenta drasticamente a velocidade do envelhecimento;

NOTA: há poucas coisas em que tantas centenas de estudos estão de acordo como no caso de que os produtos de origem animal, os processados e os açúcares (estes se forem em excessivas quantidades) aumentam o risco e a gravidade de quase todas as doenças;

5. Aumentar a ingestão de vitaminas, minerais, enzimas, antioxidantes e fibra - o que o nosso corpo físico precisa para funcionar normalmente e defender-se de ameaças externas;
Mudar a principal fonte de energia do nosso corpo de hidratos de carbono simples (açúcares) para fibra vegetal (hidratos de carbono insolúveis) e ácidos gordos (gorduras) saturados “bons” e mono/poliinsaturados – estas são as fontes de energia que os nossos antepassados utilizavam principalmente (não havia hidratos de carbono rápidos disponíveis como há hoje) pelo que são aquelas com as quais o nosso corpo está habituado a funcionar melhor;

6. Optimizar a microbiota intestinal - os 2 kg (>10e14) de bactérias que temos nos intestinos, que têm funções fundamentais para a vida e para a saúde;

7. Optimizar os nossos ritmos biológicos naturais, o que passa por respeitar determinados horários e quantidades de alimentos, ter exposição solar, contacto com a natureza e com a terra com a pele nua, assim como deitar-se e levantar-se nos horários apropriados;

8. Optimizar os níveis de vitamina D3 – estima-se que mais de 70% da população mundial tenha défice desta vitamina fundamental para o funcionamento de todos os nossos tecidos;

9. Eliminar as fontes ambientais de químicos e tóxicos. Ler os rótulos de todos os produtos de higiene, limpeza e outros químicos que utilizamos no e para o nosso corpo! (muitos têm substâncias consideradas cancerígenas, disruptoras hormonais e das funções celulares, e portanto causadoras de doença.)

Recomendações específicas

A) Consciência – Atenção, auto-conhecimento e auto-desenvolvimento! e Auto-regulação emocional (consulte um especialista)

✔ Tudo o que alguma vez te disseram na vida, incluindo o que aqui está escrito, é apenas teoria até tu próprio o teres experienciado. Não duvides de que estares permanentemente atento ao teu organismo e à tua experiência diária te vai ensinar naturalmente tudo aquilo que precisas de saber, não só para ser saudável fisicamente, mas também mental e emocionalmente, e principalmente para ser feliz;
✔ Como vimos, o sistema emocional controla todo o organismo. A ansiedade e outras emoções pesadas e negativas provocam um estado de tensão constante no sistema nervoso e hormonal (aquilo que em medicina chamamos resposta de fuga ou luta, o resquício evolutivo do instinto de sobrevivência) que a curto prazo deprime o nosso sistema imunitário – abrindo a porta a gripes, constipações, alergias – e a longo prazo provoca hipertensão, problemas de coração, doenças auto-imunes, doenças oncológicas, e aumenta a velocidade de envelhecimento;
✔ Técnicas como a auto-regulação emocional/ psíquica (ver Ecopsicologia, do autor Dr. Vladimir Antonov), métodos meditativos com vipassana, meditação transcendental ou outros devem ser instituídos como um hábito diário para maiores e mais rápidos resultados;
✔ A meditação tem brilhantes efeitos mentais e emocionais comprovados, incluindo a redução da ansiedade, o aumento da velocidade e criatividade de raciocínio, a equanimidade emocional, o aumento da sensação subtil de felicidade, desenvolvimento da auto-estima, melhoria da qualidade de vida, elevação da capacidade de adaptação às circunstâncias da vida, etc;

B) Vida ética (sensata) e ordenada

✔ Sempre que fazemos algo neste mundo, seja um pensamento, uma acção ou uma emoção, estamos a produzir um acontecimento, uma energia, uma força. O próprio conhecimento sobre a física demonstra que não há acção sem reacção correspondente. E, quanto mais acções positivas, mais energia positiva acumulamos, literalmente (e vice-versa) – melhor funcionamento fisiológico, melhor humor, melhores relações connosco próprios e com os outros, mais felicidade, e por ai em diante;

✔ Estudos realizados, entre outros, pelo CCARE em Stanford e o Instituto Heartmath demonstraram que a nossa fisiologia funciona no seu melhor apenas quando estamos a cultivar sensações positivas, no espectro do amor e compaixão;

C) Optimizar todas as funções do organismo que utilizamos diariamente, constantemente, e que nos passam tão despercebidas, o que com o passar do tempo pode ter consequências graves:

✔ Respirar sempre pelo nariz, profundamente, e expirar mais longamente do que inspiramos – protege-nos de respirar microorganismos nocivos e toxinas, providencia cerca de 90% do ar condicionado dos pulmões, permite aumentar a quantidade de oxigénio extraída do ar e aumentar a quantidade de dióxido de carbono exalada na expiração, diminui a tensão arterial, aproveita cerca de 30% do calor e humidade desperdiçados na expiração, melhora a capacidade pulmonar e melhora as funções cognitivas, entre outras formidáveis funções que ficam sem efeito se respirarmos pela boca;
Nota: estudos no campo da neurociência demonstraram que a passagem do ar pelas narinas estimula a actividade cerebral do hemisfério contra-lateral.

✔ Mastigar bem os alimentos, literalmente até uma papa – permite iniciar logo na boca os mecanismos que produzem saciedade (e portanto diminuem o apetite excessivo), facilita imenso a digestão prevenindo muitos problemas gastrointestinais como o refluxo e a obstipação e aumenta a biodisponibilidade de nutrientes;

✔ Ter atenção às posições e movimentos do corpo – não só permitirá descobrir e tornar automáticas posições benéficas que nos protejam de futuras doenças de coluna e outras osteoarticulares, como pode levar a tornar cada movimento do dia-a-dia num autêntico exercício físico contínuo e fluído;

D) Alimentação

✔ Eliminar:
✗ o consumo de produtos de origem animal – não só são muito pobres em antioxidantes e ricos em oxidantes e outras moléculas que comprovadamente são nocivas e causadoras de doença (como o ácido úrico, que hoje já se sabe ser dos principais responsáveis pelas doenças cardiovasculares), como hoje em dia são criados com doses massivas de hormonas e outras substâncias que acabam por ir parar ao nosso organismo. Acima de tudo, acreditamos que a abstenção de comer animais é uma questão ética (sensata) – quantos de nós seriam capazes de continuar a consumir produtos derivados de animais se fosse necessário que nós próprios os criassem e matassem, apenas em prol de um desejo egoísta que produz uma satisfação de apenas segundos, que literalmente só é satisfeito através da morte de outro ser emocional, que sente dor, medo e sofrimento tal como nós sentimos?), e não haja dúvidas de que as nossas escolhas no domínio da ética determinam o nosso futuro e a nossa saúde.
Para vermos melhor uma clara expressão material do incumprimento desta harmonia ética, tenhamos como exemplo o seguinte: sempre que um ser tem emoções negativas, estas produzem a libertação de determinados substâncias bioquímicas no organismo que são literalmente veneno para este (é por isto que “o stress mata”). Ora, os animais que são criados e mortos para consumo estão constantemente sujeitos a stress e emoções negativas, o que faz com que quando alguém consuma uma parte desse ser esteja a consumir todos esses bioquímicos nefastos que ele produziu toda a sua vida.

NOTA: há poucas coisas em que tantos estudos científicos estão de acordo como no caso de que os produtos de origem animal aumentam o risco e a gravidade de quase todas as doenças e aceleram o envelhecimento;

✔ Diminuir drasticamente:

1) os açúcares refinados – açúcar, bolos, doces, sumos, refrigerantes, cereais processados, etc. Ler os rótulos!!!

2) as gorduras trans e saturadas “más” – fritos, folhados, óleo de girassol, manteigas animais processadas, margarinas, azeite cozinhado. Ler os rótulos!!!

3) a comida processada – quase tudo o que vem pré-embalado, pré-cozinhado ou com aditivos é muito pobre em nutrientes e muito rico em açúcar, gordura saturada e químicos (os E´s);

4) o consumo de cereais processados – são pobres em nutrientes, ricos em anti-nutrientes, têm muito glúten (pode lesar a parede intestinal) e hoje em dia muito processados e com açúcares adicionados. Devem ser consumidos apenas os integrais e preferencialmente os ancestrais;

✔ Comer apenas duas ou três vezes por dia, preferencialmente separadas entre 4 a 5 horas e com um período de jejum de pelo menos 12/14 horas (contando com as horas de sono), e comer a principal refeição pela hora de almoço, devendo as demais ser mais ligeiras – evolutivamente, é assim que o nosso organismo foi feito para funcionar melhor, incluindo a nossa capacidade cerebral (raciocínio, memória, adaptação) e emocional (humor, presença, equanimidade). Isto permite ao corpo regenerar-se e eliminar com sucesso os excessos e as toxinas, que assim não se acumulam no corpo podendo vir a causar progressivamente mais dano. O apetite é determinado pelos nossos hábitos, e são necessários poucos dias de uma alimentação correcta para que o nosso organismo deixe de sentir necessidade de comer tão frequentemente como o fazemos.

✔ Basear a alimentação em:

1) Comida orgânica e biológica ou sem químicos (não têm as substâncias que lesam o nosso organismo e têm muito maior concentração das substâncias que nos fazem bem, que as plantas produzem para se defender durante a sua vida), da época e da região (poupa imensos recursos, enriquece a região correspondente, e os alimentos de cada época do ano são apropriados para as nossas necessidades fisiológicas durante essa época);
2) Vegetais – agrião, espinafres, couves, repolho, grelos, brócolos, couves-de-bruxelas, abóbora, espargos, cenouras, pimentos, aipo, pepino, beterraba, nabo, rabanetes, beringela, ervilhas, feijão-verde, cenouras, etc. Tudo o que vem da terra e é colorido é riquíssimo em vitaminas, minerais e antioxidantes que nos protegem e curam até das doenças mais graves. Ricos em polifenóis e em água estruturada/ de alta energia! Todas as folhas verdes (acompanhar com uma gordura vegetal para aumentar a absorção) têm clorofila que entra na circulação sanguínea e, se em quantidades suficientes, se nos expusermos ao sol esta clorofila transporta energia para as células sem necessidade de glicose/ açúcar!
3) Algas – ricas em vitaminas, minerais e polifenóis;
4) Legumes, cereais e grãos – millet, quinoa, amaranto, trigo-sarraceno (estes são considerados superalimentos), bulgur, espelta (evitar os últimos dois se intolerante ao glúten), arroz, feijões, grão-de-bico, batata-doce, batata. Devem ser integrais! Atenção que o consumo exagerado de leguminosas produz muitos gases intestinais, pelo que deve ser moderado;
1) Farinhas – millet, quinoa, amaranto, trigo sarraceno (estes são considerados superalimentos), bulgur, espelta (evitar os últimos dois se intolerante ao glúten), arroz, alfarroba;
5) Cebolas e alho – são ricos em compostos de enxofre (que estimulam a hidratação das células, a circulação sanguínea e são componentes essenciais dos nossos antioxidantes celulares), aminoácidos essenciais e em substâncias antimicrobianas. Ricos em polifenóis! Atenção que são alimentos estimulantes, pelo que devem ser consumidos com parcimónia ou apenas como terapia em determinadas situações;
6) Cogumelos – reishi, cordyceps, portobello, oyster, etc. São superalimentos, com inúmeras propriedades medicinais e ricos em proteína. Ricos em polifenóis!
7) Frutas – abacate, anona, physalis, uvas tintas, castanhas, laranja, kiwi, limão, lima, maça, manga, banana, pêra, melão, abacaxi, etc – ricos em vitaminas, minerais e antioxidantes. Ricos em polifenóis e água estruturada/ de alta energia!
8) Frutos secos - preferencialmente pinhões, nozes, castanhas-do-brasil, nozes-pecâns e de macadâmia. Ricos em gorduras boas, ómegas-3 e 6 (preferir aqueles com maior rácio ómega-3/6. O nosso corpo deve ter um rácio ómega-3/6 igual ou superior a 1/5 para manter um estado anti-inflamatório geral);
9) Bagas – amoras, groselhas, mirtilos vermelhos e azuis, framboesas, cerejas, etc. São todas superalimentos, ricos em antioxidantes e vitaminas. Ricas em polifenóis!
10) Sementes – linhaça, chia, cânhamo – estas devem ser demolhadas e trituradas antes de ser consumidas; sésamo, girassol, abóbora – estas podem ser consumidas tostadas e inteiras. São superalimentos. Ricos em vitaminas, sais minerais, antioxidantes, proteínas e ácidos gordos (ómegas). O processamento referido de cada tipo de semente facilita a digestão e melhora a biodisponibilidade de nutrientes;
11) Rebentos - brócolos, trigo, couve-de-bruxelas, lentilhas, girassol, etc. Riquíssimos em polifenóis!
12) Ovos, ricos em proteína completa e em muitas vitaminas;
13) Probióticos frequentemente! (estimulam as bactérias do intestino) – kefir, chucrute, vegetais fermentados, misoh, tempeh, soja fermentada, chutneys. Uma das recomendações mais importantes nos dias de hoje: temos cerca de 2 kg de bactérias nos intestinos que são necessárias para a manutenção da saúde e luta contra a doença, e a germofobia actual, acompanhada da utilização de antibióticos e os químicos da comida e ambiente, matam essas bactérias com consequências graves a curto e longo prazo;
14) Ervas aromáticas -- curcuma/açafrão-das-índias, coentros, salsa, tomilho, cravinho, cebolinho, alecrim, alfazema, cardamomo, cominhos, noz-moscada, hortelã, canela, pimenta-caiena, pimenta preta. Usar à vontade, têm inúmeras e potentes propriedades medicinais, para além de serem riquíssimas em nutrientes. Ricas em polifenóis!
15) Ervas e plantas comestíveis – ricas em vitaminas, minerais, riquíssimas em polifenóis!

16) Água – deves beber de acordo com a sede e as necessidades. Tudo no nosso corpo precisa de água para funcionar, e ela totaliza nada mais nada menos que 70% do nosso corpo em termos de volume, e 99% em termos de número de moléculas! O mais importante é a qualidade, que hoje é difícil de encontrar. Deve ter um pH alcalino e ser filtrada. Procura saber o que são a água alcalina e água estruturada;

A alimentação deve ser inteligente, por isso deve ser baseada nos factos conhecidos e não deve tornar-se uma obsessão. Dentro dos alimentos supracitados devemos e podemos consumir aquilo que a experiência nos diz que é melhor para nós, e que estiver disponível sem pensar demasiado sobre isso, a não ser em casos especificados pelo médico. Mudar dos nossos hábitos condicionados pelo vício pode ser difícil a princípio, mas uma vez que a nossa casa esteja dotada dos ingredientes supracitados e que já tenhamos alguma prática, torna-se extraordinariamente simples comer bem.

A lista que se segue foi elaborada pelo Dr. Sebi, um bioquímico genial que ajudou a curar inúmeros casos de doenças que a medicina convencional considera incuráveis, e contém os alimentos mais seguros e medicinais do mundo ocidental neste momento, aquilo a que se chama alimentos de elevada frequência energética (mantêm a sua pureza e integridade originais, nunca foram hibridizados ou modificados):

✔ Grãos alcalinos: amaranto, kamut, quinoa, espelta, centeio;
✔ Vegetais: pimentos, abacate, verdes do amaranto, verdes do dente-de-leão, grão-de-bico, pepino, couve, alface (excepto iceberg), cogumelos (excepto shitake), azeitonas, cebolas, alhos, beldroegas, algas, abóbora, tomate (chucha e cherry), nabos, courgete, agrião, aloe vera, okra;
✔ Fruta: maçãs, bananas, bagas (excepto mirtilo vermelho), meloa, cerejas, groselha, tâmaras, figos, uvas, limas, manga, melão, laranja, papaia, pêssego, pêra, ameixa, ameixa seca, passas, tamarindo;
✔ Frutos secos e sementes: cânhamo, castanhas-do-brasil, pinhões, sésamo, nozes, linhaça;
✔ Óleos (sempre crus!): Azeite, coco, semente de uva, sésamo, linhaça, cânhamo, abacate;
✔ Especiarias: colorau, manjericão, louro, coentros, pimenta cayenne, endro, salvia, oregãos, salsa, algas em pó, satureja, alho em pó, sal marinho, tomilho, estragão, cravinho;
✔ Açucares: agave 100%, mel biológico não refinado;
✔ Infusões: estrela-de-anis, camomila, gengibre, cravinho, erva-príncipe, funcho, raiz-de-bardana (Burdock root), bodelha (Fucus vesiculosos), dente-de-leão, elderberry (Sambucus nigra), salsaparrilha (Smillax ornata), chaparral (Larrea tridentata), salvia, urtiga (Urtica dioica), trevo vermelho (Trifolium pratense)

Há centenas de estudos científicos que demonstram inequivocamente que uma alimentação baseada nos produtos de origem vegetal é não só a melhor e mais infalível estratégia de prevenção da doenças mais prevalentes nos dias de hoje, como trata a hipertensão, as placas ateroscleróticas (placas que se formam nas artérias e que são as principais responsáveis por enfartes e AVC´s) a diabetes, o colesterol alto e outros problemas, por vezes até em dias ou semanas!
Da mesma forma, há centenas de estudos científicos a demonstrar inequivocamente uma associação íntima entre os produtos de origem animal, a comida processada e os açúcares adicionados e quase todas as doenças que assolam a população nos dias de hoje!

Refeições:

✗ A nossa digestão funciona no seu melhor por volta do meio dia, pelo que ao pequeno almoço e ao jantar as refeições devem ser mais leves, e a principal refeição e mais rica em proteína deve ser consumida à hora de almoço;

✗ Alimentação variada, e não se deve juntar muita gordura e proteína na mesma refeição!!!

✗ Pelo menos 1/3 da comida diária deve ser crua, mas quanto mais melhor (cozinhar destrói os nutrientes e enzimas). Ao contrário da crença popular, muitos dos alimentos vegetais são melhor digeridos crus, porque no estômago as enzimas das plantas libertam-se das suas células e ajudam na digestão por um processo denominado auto-lise. As leguminosas, grãos, sementes, os frutos secos são excepções, e devem ser processados antes – os primeiros demolhados e cozinhados, as sementes e os frutos secos demolhados;

✗ Pelo menos meio prato, em TODAS as refeições, deve ser preenchido com vegetais folhosos ou carnudos – prato colorido!

✗ Para hidratos de carbono preferir trigo-sarraceno, lentilhas, arroz integral batata-doce, millet, quinoa, amaranto;

✗ Para fonte de proteína preferir sementes, ovos, algas, cogumelos e leguminosas;

✗ Para cozinhar – óleo de coco, é menos alterado com o calor e é rico em gorduras boas!

✗ Sal – preferir sal marinho (tem dezenas de minerais diferentes) – não parecem contribuir para o aumento da tensão arterial;

E) Exercício e coluna vertebral

✔ Benéfico para o corpo e cérebro! O mais importante é estar em movimento o mais possível durante o dia! 2/ 3 sessões de exercício de intensidade elevada por semana – está provado que tem mais benefícios e menos riscos do que exercício prolongado a intensidades moderadas (ao contrário do que se acreditava no passado). O suor é uma das melhores maneiras do nosso corpo de libertar toxinas;
✔ A coluna vertebral protege a passagem de nervos que vão para todo o corpo, e controlam todos os órgãos do organismo. É da mais alta importância fazer diariamente pequenos exercícios de movimentação e alongamento da coluna em todas as direcções;

G) Ambiente

✔ Está provado que estar 2 horas ou mais por semana embrenhado na natureza, sem grandes sinais de civilização, relaxa o corpo e a mente, induzindo a libertação de hormonas do prazer e da felicidade (endorfinas), o que melhora o equilíbrio e funcionamento do organismo;
✔ Ter a pele em contacto directo com a terra ou areia da praia permite-nos literalmente receber energia do planeta (electrões e fotões infravermelhos), o que tem potencial para tratar doenças ósseas e articulares, para nos livrar da ansiedade e estruturar a água do nosso corpo em H3O2, o que melhora a hidratação e oxigenação dos tecidos e células. O poder terapêutico do contacto com a terra (“earthing” ou “grounding-2 em inglês) está comprovado por dezenas de estudos científicos. Quanto mais tempo melhor, mas pelo menos 1 hora diária está recomendado;
✔ Todos os nossos produtos de higiene e limpeza do lar têm inúmeros químicos comprovadamente nocivos para a saúde. Alguns estudos mostram que uma pessoa normal tem em média mais de 1500 químicos a circular no corpo. Muitos destes químicos, que inacreditavelmente são legais e amplamente distribuídos, estão classificados como disruptores neuroendócrinos, porque interferem directamente com o normal funcionamento dos nossos sistemas nervoso e hormonal;
✔ É fácil produzir em casa substitutos 100% naturais e tão ou mais eficazes do que os químicos!

H) Sono

✔ É durante o sono que se dá a integração de toda a experiência do dia e grande parte da regeneração do organismo – fixação de memória, reciclagem de células, recuperação dos sistemas, etc;
✔ As horas de sono devem ser adaptadas às circunstâncias de cada pessoa, mas de forma geral devem contar-se entre 6 e 8;
✔ Os ritmos de todo o nosso organismo, regulados por uma série de hormonas, estão feitos para que estejamos a dormir antes das 22h e nos levantemos com o nascer do sol ou antes. Deitar-se mais tarde ou acordar muito depois do nascer do dia interfere gravemente com o normal funcionamento daquelas hormonas e portanto de todos os órgãos e sistemas que delas dependem, impedindo a normal regeneração e funcionamento do nosso organismo, e podendo causar ansiedade, depressão, dores de cabeça, cansaço, etc;
✔ Não devemos deitar-nos menos de 3 horas depois de uma refeição – isto interfere gravemente tanto com a digestão como com os processos bioquímicos e hormonais do sono;
✔ Não devemos estar na presença de ecrãs digitais ou luzes brancas pelo menos 1 hora antes de dormir – tal interrompe gravemente os ciclos hormonais normais do sono;
Idealmente, o sono deve ser precedido de uma actividade relaxante, tal como a leitura de um livro não muito estimulante, exercícios de relaxamento ou meditação;

Usa a cabeça e o coração!!!

O que se disse:

✔ O nosso organismo está naturalmente dotado de mecanismos para se equilibrar com ele próprio e com o ambiente;

✔ Um estado de completa saúde passa pelo bem-estar físico, mental e emocional através da sensatez que o proporciona, o que só pode ser alcançado através do auto-conhecimento, do respeitar os ritmos biológicos, de uma alimentação correcta baseada em produtos naturais, do exercício físico, exposição ao sol, evicção de tóxicos ambientais e de um bom funcionamento dos mecanismos de eliminação do organismo – ou seja, do respeitar a harmonia para a qual o nosso organismo foi criado;

✔ A vida ética – a ética não tem nada a ver com moralismos, mas sim com fazer aquilo que é sensato em vez daquilo que é tolo -- e a a auto-regulação emocional – que elimina sustentavelmente os estados de consciência negativos, como a ansiedade, o medo, a raiva, a tristeza, etc – são os factores mais fundamentais para uma vida saudável, feliz e em constante crescimento pessoal;

✔ Não podemos esperar ser saudáveis, de forma alguma, se o nosso estilo de vida não o é;

✔ Os vegetais, cogumelos, ovos, fruta, ervas aromáticas e especiarias, sementes, frutos secos e probióticos são o centro de uma alimentação completamente saudável e uma das melhores estratégias de prevenção de algumas das doenças mais prevalentes nos dias de hoje, enquanto que os produtos de origem animal, os processados e produtos com açúcares adicionados estão associados a doença e diminuição da esperança média de vida (factos médicos mais comprovados por estudos científicos até à data);

✔ A higiene do sono é fundamental, o que implica respeitar os ritmos do nosso corpo, sobretudo numa época de tanta e tão rápida actividade diária;

✔ A exposição solar é fundamental para a produção de Vitamina D3, entre outras substâncias vitais para o normal funcionamento de todos os tecidos do organismo e portanto para a manutenção da saúde e prevenção de doença;

✔ A eliminação dos químicos e tóxicos tão vulgares nos nossos hábitos hoje em dia é muito importante para um estado de completa saúde e prevenção de doenças.

Miguel Ledro Henriques
Médico - Mestrado em Medicina |NOVA Medical School
Auto-regulação emocional, meditação, raja yoga - Swami Center
Especialista em desenvolvimento transpessoal - Escola Transpessoal
Instrutor de coerência cardíaca - Heartmath Institute
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 22/11/2019 às 2:54

© 2004-2019, Todos os direitos reservados