Fundação Maitreya
Notícias
  Cometa ilumina o céu em 2013  08 Out 2012

Em fins de setembro de 2013 um novo cometa deverá brilhar no céu mais intensamente que qualquer um desses astros que passaram pelas proximidades do Sol e puderam ser observados da Terra.

O C/2012 S1 (ISON), cometa que neste momento está no interior da constelação zodiacal do Câncer, mas com magnitude 6,5, só é visível mais claramente com telescópios amadores de médio porte. Ele irá atingir sua máxima aproximação do Sol, o periélio, em fins de novembro do próximo ano.

O C/2012 (ISON) foi identificado a partir de fotografias feitas em 21 de setembro passado pelos astrônomos Vitali Nevski, de Vitebsk, na Bielorrússia e Artyom Novichonok, de Kondopoga, na Rússia.

Os caçadores de cometa encontraram esse astro com um telescópio com espelho de 40 cm de diâmetro do International Scientific Optical Network (ISON, na sigla em inglês). Quando foi localizado o C/2012 exibia magnitude 18,8, 100 mil vezes mais fraco que o brilho de uma estrela no limite de visibilidade a olho nu no céu noturno.

O cálculo feito por astrônomos que rastreiam a órbita do cometa aponta que, no periélio, ele deverá aproximar-se a apenas 1,8 milhão de quilômetros do Sol (a Terra está a 150 milhões de quilômetros do Sol) e, em dois meses, ou seja, em janeiro de 2014, atingirá a máxima aproximação da Terra, de 60 milhões de quilômetros.

As estimativas são de que o cometa poderá ser observado por telescópios de pequeno porte, ou mesmo binóculo, em fins do inverno de 2013. E entre fins de outubro e começo de novembro seguintes será visível a olho nu, eventualmente com brilho mais intenso que o da Lua Cheia.

Observadores, no entanto, devem levar em conta que essa comparação é bastante enganosa, já que essa luminosidade leva em conta o corpo inteiro do cometa, o que significa que ele estará longe de ser uma segunda Lua Cheia no céu.

No momento de brilho mais intenso, no periélio, o cometa ficará diluído pela luz do Sol e estará se deslocando para o norte, com uma cauda que deverá surpreender pela extensão. Próximo ao Natal ele será mais bem observado do hemisfério norte e, em 8 de janeiro de 2014, estará a apenas 2º da Estrela Polar, portanto, fora da visão de observadores do hemisfério sul.

Cientif American



http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 15/12/2017 às 18:01

© 2004-2017, Todos os direitos reservados