Fundação Maitreya
 
Subir cada montanha

de Kanchi Kohli

em 15 Mar 2010

  Quando o Verão chega, as montanhas animam-se com as pessoas que querem escapar ao calor abrasador das planícies e encontrar um canto tranquilo – muitas vezes um sítio histórico - longe das multidões. As montanhas inspiram uma espécie de música, um tipo de êxtase. Independentemente se é para curtas pausas, para acalmar os nervos ou longas viagens à procura da nossa própria alma, visitar as montanhas é uma experiência inesquecível.

Dalhousie em Himachal PradeshE a Índia oferece uma miríade de experiências, com as suas diversas culturas e o seu vasto território, desde as colinas verdejantes dos Gates ocidentais no sul, às colinas Aravalli a oeste, e à sempre popular cordilheira dos Himālayas no norte e no noroeste da Índia.

Há muitos séculos, as famílias reais e os colonos britânicos “criaram” muitos sítios para se retirarem, que hoje em dia são vilas populares que atraem muitos turistas das diferentes partes da Índia e até do mundo. Todavia, a coisa mais interessante é que esses sítios têm diversas comunidades indígenas, com diversas culturas reflectidas na sua gastronomia, vestuário, artesanato, língua, e até na maneira como constroem as casas. Tudo isto é ligado intrinsecamente ao seu ambiente e continua imutável até aos nossos dias.

Em termos históricos, o ecossistema dos Himālayas Ocidentais é, e continua a ser, extremamente popular. A imagem das antigas igrejas, as avenidas principais, os teatros e os trilhos pelas florestas de pinheiros em Shimla, é tão encantadora hoje, como no passado. As novas construções já engoliram as florestas ao redor e isso abalou o ecossistema local, mas a popularidade de Shimla não diminuiu. Hoje, atrai turistas tanto no Verão como no Inverno. Quando caem as primeiras neves, aparece logo uma multidão de turistas para ver o manto branco que cobre toda a paisagem. Essa parte das montanhas no estado indiano de Himachal Pradesh, contém locais como o vale de Kullu, Manali, Dalhousie, Dharamsala e (McLeodganj).

Todavia, as montanhas de Himachal Pradesh também oferecem áreas menos conhecidas e mais calmas. São zonas ecologicamente frágeis, e são frequentadas por pessoas felizes por estarem longe das comodidades urbanas. As experiências variam desde passeios pelas nuvens e pelo nevoeiro nos vales de Solang ou Tirthan, até passeios intensos nas florestas alpinas do Parque Nacional dos Grandes Himālayas (GHNP). Se gostar de regiões serranas mais selvagens, então é obrigatório uma visita ao GHNP. Pode-se chegar ao parque desde os sítios mais populares como Kullu. Se quiser escapar ao meio urbano, então faça uma visita à vila multicultural de McLeodganj, onde se pode passear nas nuvens de Triund.

Indo ao leste, chegamos ao estado indiano de Uttarahand, onde a região de Garhwal tem vilas serranas muito populares como Mussourie, conhecida como a “Rainha das Montanhas”. Também há muitos sítios à beira de lagos, como Nainital (tal quer dizer “lago”). Bhimtal ou Naukuchiyatal que, ao longo dos anos ficaram populares graças a pessoas de Deli e de outros grande centros urbanos que alí estabeleceram as suas segundas casas. A língua e a cultura de Garhwal, são muito diferentes das de Himachal Pradesh, e a gastronomia também é diferente. Historicamente, Garhwal é famoso por ter mais de 200 variedades de rajma (feijão vermelho), algumas das quais só se podem comer nas casas da população local. No entanto, se gosta da natureza, perto de Almora é possível visitar Binsar. O circuito de Corbet-Binsar-Nainital é extremamente rico em fauna e flora (é possível ver tigres) e Binsar é conhecida por ser a antiga capital de verão dos reis dessa região.r />
Uttarakhand também tem uma outra região distinta: Kumaon. Aí as principais localidades são Pithoragarh e Munsiari, embora essas áreas serranas não tenham boas ligações de transportes públicos. Munsiari oferece panoramas espectaculares dos picos de Panchachuli e é a entrada para o glaciar de Milam.
Embora os Himālayas ocidentais atraiam mais turistas, são os Himālayas orientais no nordeste da Índia que oferecem alguns sítios espectaculares e singulares. O estado do Sikkim é famoso, e a sua capital, Gangtok, atrai muitos turistas, sendo uma base para visitar mosteiros budistas, desfiladeiros e lagos. Mas antes de lá chegar, as zonas serranas do estado de Bengala também merecem uma visita. Apesar de Darjeeling e Kalimpong serem muito populosas, oferecem ainda percursos encantadores através das suas fazendas de chá, conhecido em todo o mundo.

Um lugar inesquecível em Sikkim é Yusam, situado no extremo ocidente desse estado. É um importante acampamento para os alpinistas que escalam o pico da Montanha Kanchengjunga. Yuksam foi a primeira capital de Sikkim e é o sítio onde, segundo os anais históricos, o primeiro chogyal, ou rei do reino de Sikkim, foi coroado em 1641 por três sábios monges.
Em anos recentes, as áreas de Ladakh atraíram muitos turistas. Aqui, as montanhas são severas (agrestes), sem árvores porque é esse o habitat local. Como resultado, os lagos místicos de Pangong So ou Tso Moriri são rodeados por montanhas de diversos tons de castanho, azul ou roxo. Leh, a vila que serve de base na zona, tem muito para oferecer, dando-nos um vislumbre da cultura local com as maravilhas arquitectónicas como os mosteiros de Alchi. Essa vila ainda retém o seu encanto e não foi transformada num grande centro urbano. As pequenas pensões e a possibilidade de morar nas pequenas casas locais, são opções populares e há passeios organizados que exploram zonas como Nubra, Zanskar, Hemis, entre outras.

Mas as montanhas da Índia, não se limitam aos Himālayas. As florestas e os prados dos Gates Ocidentais constituem uma zona de biodiversidade conhecida em todo o mundo e oferecem muitos sítios bonitos. As “Montanhas Azuis” dos Nilgiris (Tamil Nadu), famosas pelas suas fazendas de chá no sul da Índia, são uma dessas regiões. Tem altas colinas, enormes cataratas e deslumbrantes paisagens por entre as fazendas de chá. E se gosta de café, então é obrigatório visitar Madikeri na região de Coorg, estado de Karnataka que é a terra da comunidade kodava .Os trilhos das montanahs são diferentes nessa zona, e a língua, os trajes e a cultura locais são muito interessantes. As jóias da comunidade kodava também são únicas e chamam muita gente.

No estado de Maharashtra, sítios como Mahabaleshwar -Panchgani atraem muita gente nos fins-de-semana e são famosos pelos seus morangos. Mahabaleshwar é a vila mais alta dos Gates Ocidentais. Conhecida pelas suas florestas verdejantes, era a antiga capital de Verão da província de Bombaim durante a administração britânica. Escondido no distrito de Satara, apenas a 19 quilómetros a leste de Mahabeleshwar, encontra-se Panchgani, que é também uma localidade muito conhecida.

É impossível descrever todos os sítios serranos da Índia num curto artigo, mas as montanhas estão lá, pacientemente, à nossa espera. Desde as zonas sublimes de Caxemira, até às estradas sinuosas de Kodaikanal, elas dominam a paisagem com a sua beleza, e exigem o nosso respeito. Temos de entender que é essencial salvar essas fascinantes zonas sociais, ambientais e culturais – para salvar o nosso próprio futuro.

Cortesia da Revista Índia Perspectivas
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 22/6/2021 às 9:20

© 2004-2021, Todos os direitos reservados