Fundação Maitreya
 
Conversa com Maria - 2ª Parte

de Maria de Fátima Ribeiro

em 17 Mai 2011

  A resposta tem de vir de dentro e perceber que determinados sentimentos negativos têm que ser retirados, e se houver resistência, não há mudança. Tem que se alimentar a Alma por algo que liga ao Divino, no fundo é isso. Se existe essa transformação agora, neste ano ou noutros não é relevante, o importante é que aconteça, e principalmente, que toque aqueles que estão mais agarrados a emoções exageradas ou sentimentos de posse e poder. A descida de uma energia espiritual, que abrace toda a humanidade e a ajude a despertar, poderá ser o Graal planetário da transformação espiritual.

Entrevista cedida gentilmente à “agenda alternativa do porto”.

Agenda Alternativa: podemos falar um pouco do seu caminho espiritual?
Maria: O Caminho espiritual consta essencialmente de desapego. Eu fiz esse desapego ao mundo ao longo dessa caminhada, contudo tive de permanecer no mundo, digamos lidando com as coisas materiais, quando eu preferia estar recolhida, por ex., num mosteiro. (Note-se que o desapego processa-se gradualmente).
Mesmo em relação a publicar livros, pelos quais tinha de me expor e exteriorizar aconteceram, não por uma vontade consciente, mas porque ia compilando textos soltos e guardando na gaveta e, de repente, percebia que sem qualquer esforço tinha matéria para fazer um livro. Desta forma, foram escritos textos que deram à estampa como “As Iniciações”, As Iniciações e a Expansão Portuguesa, ou o Silêncio e a Eterna Sabedoria. Quanto ao Yoga Sutras de Patanjali foi matéria que decidi estudar e comentar também sem qualquer intenção de acabar como livro. Já o Avatara foi diferente, era um diário que eu sabia de antemão ser para publicar um dia. As obras mencionadas foram publicadas com edição de autora.

Quando dei por concluído “O Avatara” também ele ficou na gaveta algum tempo, pois a minha situação financeira não era a mesma, pelo que me senti condicionada na sua publicação. Esta situação obrigou-me a usar os meus recursos e um deles para além da pintura, foram os cursos de meditação no CCB. Então, sim, fui obrigada a ir ao mundo dar aquilo que tinha realizado no meu caminho espiritual de ligação ao Divino, principalmente através da Meditação. Vi-me na obrigação de ganhar algum dinheiro para a minha própria subsistência, mas tendo, obviamente um motivo superior. De facto, eu não gostava de ganhar dinheiro através de práticas espirituais, mas se não fosse assim, não teria dado o testemunho do minha realização espiritual ajudando os outros também a fazê-lo. Entretanto nesses cursos de Meditação apareceu a nossa querida Elisa Flora que se prontificou a financiar a publicação do Avatara, livro que foi um marco na minha vida, sendo aquele que mais tocou as pessoas.

A.Alt.: Que achas que vai acontecer em 2012?
Maria: Algumas coisas vão acontecer e outras vão acontecendo… A partir de 2004, 2006, 2007, até agora tantas coisas já aconteceram, catástrofes que até mudaram o eixo da Terra, que se tornaram tão evidentes, com mudanças tão drásticas que acarretaram já e acarretarão futuramente sérias dificuldades para a humanidade, portanto, só não vê, quem não quer. Não precisamos especialmente de 2012, as mudanças, sempre aconteceram ao longo dos tempos, apenas hoje em dia a comunicação é mais fácil, levando rapidamente ao conhecimento de todo o planeta.
Eu reconheço que há naturalmente mudanças ao nível geográfico num contexto planetário, onde por exemplo, o aquecimento global é uma realidade e que estamos a sofrer as consequências. Mas que 2012 seja um ano que vai acontecer algo visível ao nível planetário para transformar a atitude das pessoas, obviamente é ilusório, porém, entendo que ao nível espiritual possam ser dispensadas energias regeneradoras que contribuam para uma nova etapa para a humanidade. Não obstante todos podemos confirmar, por experiência própria, que as coisas estão a acontecer todos os dias, a todos os níveis.

A.Alt: Estamos em mudança ao nível de consciência?
Maria: Sim. Mas mesmo que seja uma viragem aos níveis espirituais, não será em 2012, que todas as pessoas vão ficar diferentes: isso eu não acredito. O problema é que a humanidade já está nessa viragem, mas as pessoas não são conscientes disso, nem tão pouco estão preparadas para fazer essa mudança interna ao nível consciente. Os mais avançados espiritualmente, provavelmente são capazes de abarcar melhor essa viragem.

A.Alt: E as pessoas que não aceitam esta consciência? 2012 é um limite?
Maria: A pessoa desperta no momento que tem de despertar (desperta, no sentido espiritual). Pode, de facto, haver uma descida de energia mais forte que possa “tocar”, sensibilizar as pessoas, e em determinada altura terem uma maior abertura de consciência. Contudo, a evolução mental e espiritual para uma maior expansão de Consciência vai acontecendo gradualmente a todos os níveis, e em todos os seres. Estamos sempre em mudança, porém imperceptível, que a maioria das pessoas nem sabe como e porquê. Porém, se vier uma energia especial que ajude a esse trabalho mais interno e consciente nas pessoas, será óptimo, mas de facto, não sabemos se é isso que vai acontecer, ou mesmo se a meta é 2012.

Tantas coisas estão a acontecer, aqui e agora para que a humanidade possa fazer essa mudança de consciência, que se vier mais alguma para ajudar à mudança de atitude, será bem-vinda. Não acredito que aconteça algo para mudar as pessoas de repente, porque isso é pessoal, tem que ser pessoal, senão, não havia a responsabilidade do karma, ou aquilo que possibilita a transformação consciente ao longo das vidas sucessivas, onde cada um desperta no seu momento e de acordo com o seu nível de consciência.

Uma pessoa pode mudar de atitude, quando num momento de maior percepção de si própria dá conta, por exemplo, de que tem raiva dentro de si e que percebe que essa raiva é desconfortável e não deve permanecer. Se a pessoa não tiver essa consciência dos seus bloqueios internos, como é pode evoluir no caminho espiritual? A resposta tem de vir de dentro e perceber que determinados sentimentos negativos têm que ser retirados, e se houver resistência, não há mudança. Tem que se alimentar a Alma por algo que liga ao Divino, no fundo é isso. Se existe essa transformação agora, neste ano ou noutros não é relevante, o importante é que aconteça, e principalmente, que toque aqueles que estão mais agarrados a emoções exageradas ou sentimentos de posse e poder. A descida de uma energia espiritual, que abrace toda a humanidade e a ajude a despertar, poderá ser o Graal planetário da transformação espiritual.

A. Alt: Como fazer essa mudança pessoal?
Maria: Cada um tem o seu próprio processo, eu posso dizer ou fazer algo que a ajude a compreender o que pode mudar, mas é na descoberta pessoal e na prática do auto-conhecimento que de forma atenta e consciente se faz a diferença da mudança.
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 22/6/2021 às 9:30

© 2004-2021, Todos os direitos reservados