Fundação Maitreya
 
Uma personalidade fascinante

de Balmiki Prasad Singh

em 22 Set 2012

  Maulana Azad foi um homem cuja vida e obra têm uma relevância permanente para o nosso país. Grandes homens e mulheres possuem mensagens intemporais. Azad era um deles. Popularmente conhecido como Maulana Azad, Maulana Abdul Kalam Muhiyuddin Ahmed nasceu em Meca, em 11 de Novembro de 1888. Adoptou Azad (livre) como seu pseudónimo e o seu dia de nascimento é comemorado como Dia nacional de Educação na Índia. Azad, um homem de muitas facetas – erudito, poeta, jornalista, combatente da liberdade e líder do Congresso Nacional Indiano – era um linguista adepto capaz de comunicar em árabe, inglês, urdu, hindi, persa e bengali.Azad foi preparado para se tornar um clérigo muçulmano. No entanto, ele moldou sua própria vida de uma maneira diferente e floresceu como um valente combatente pela liberdade, um apóstolo da unidade hindu-muçulmana, e um construtor da índia moderna. Surgiu no cenário nacional desde muito cedo.

A Primeira Guerra Mundial levou à ocupação militar de Istambul (então Constantinopla) e abolição do califado, que teve uma importância religiosa para os muçulmanos em todo o mundo. A simpatia dos muçulmanos indianos, principalmente muçulmanos sunitas, com a Turquia e o califado otomano, era sincera, profunda e generalizada. Azad expressou tudo isso numa revista de Urdu, Al-Hilal, criada e editada por ele em 1912.

Um espírito inato da liberdade e indiferença dos governantes britânicos em relação à situação das pessoas comuns da Índia fez dele, um rebelde. Em Mahātma Gandhi, 19 anos mais velho, ele encontrou um amigo.

O facto de Gandhi também apoiar o movimento Khilafat os aproximou. Azad tornou-se um entusiasta de Gandhi e dos seus ideais de não-violência e desobediência civil. Ele também começou os movimentos de não cooperação em vários lugares, como activista do Congresso.
Os ingleses rapidamente o viram como um inimigo de proeza formidável. Depois de Al-Hilal ser proibido em 1914, Azad começou outro, Al-Balagh semanal; esse foi proibido dois anos mais tarde. Foi expulso da sua cidade natal Calcutá e internado em Ranchi, em 1916 – uma proibição que foi levantada apenas após a conclusão da Primeira Guerra Mundial.

Quando Azad tinha apenas 35 anos, seus colegas no Congresso Nacional Indiano escolheram-no para ser presidente numa sessão especial realizada em Delhi, em 1923. Foi eleito presidente do Congresso, numa sessão em Ramgarh em 1940, e continuou a liderar o Congresso Nacional Indiano, até 1946. Esta foi uma extraordinária manifestação de confiança, já que há sempre vários pretendentes a esse alto cargo.

Duas visões contrastantes sobre o futuro da Índia predominaram na luta pela liberdade: uma, defendendo a integridade da Índia com base na unidade hindu-muçulmana, outra, a criação do Paquistão com base na teoria das duas nações. Estes sentimentos encontraram exposição poderosa em direcção ao Congresso presidencial feito pelo Azal e pela Liga Muçulmana presidencial emitida por Muhammad Ali Jinnah, em 1940.
Azad afirmou: “Foi o destino histórico da Índia o facto de que muitas raças e culturas humanas deveriam fluir para ela, encontrar um lar em sua terra hospitaleira, e que uma caravana de muitos iriam encontrar descanso aqui…

Mil e cem anos de história comum (do Islão e do Hinduísmo) enriqueceram a Índia com nossas conquistas comuns. Nossas línguas, nossa poesia, nossa literatura, nossa cultura, nossa arte, nossa festa, e nossos usos e costumes…tudo tem a marca do nosso esforço conjunto…Estes milhares de anos de nossa vida em comum moldaram-nos para uma nacionalidade comum… quer gostemos ou não, já nos tornamos uma nação indiana, unida e indivisível. Nenhuma fantasia ou intriga artificiais para separar e dividir pode quebrar essa unidade”.

A visão de Muhammad Ali Jinnah foi acentuadamente diferente: “É um sonho pensar que os hindus e os muçulmanos possam evoluir numa nacionalidade comum e este equívoco de uma nação indiana tem ido muito além dos limites, e é a causa da maioria de nossos problemas, e irá levar a Índia à destruição, se não formos capazes de rever nossas acções a tempo. Os hindus e muçulmanos pertencem a duas diferentes filosofias religiosas, costumes sociais e literatura. Eles nem casam entre si, se reúnem para refeições, e realmente eles pertencem a duas diferentes civilizações que se baseiam principalmente em ideias e concepções conflituantes. Seus aspectos na e de vida são diferentes”.

Estas duas declarações foram os manifestos do Congresso e da liga muçulmana. O conflito sobre essas visões tornou-se fundamental para o resultado da luta pela liberdade. Em muitos aspectos, ainda estamos lidando com o legado dessas noções.
Em 3 de Junho de 1947, os britânicos anunciaram uma proposta para a partição da Índia e do Paquistão em linhas religiosas, com os estados principescos livres para escolher entre qualquer domínio. Jinnah ganhou o dia, e sua visão tornou-se uma realidade e o resto é história. No entanto, enquanto Jinnah reivindicou sucesso, uma parte considerável da comunidade muçulmana preferiu as ideias de Azad. A partição não foi apenas uma tragédia política, mas também uma falha da civilização. Azad defendeu que a religião não deveria ser usada como um instrumento para a obtenção de poder político, mas para a transformação da alma humana. Ele então declarou: “ Só Deus sabe o que está no ventre do futuro”.

E, no entanto, a história da luta pela liberdade seria incompleta sem a apreciação dos papéis contrastantes de Muhammad Ali Jinnah e Azad. A saga da luta pela liberdade teria sido diferente tanto no carácter e conteúdo sem a presença inspiradora de Azad. Como membro da Assembleia Constituinte redigiu a Constituição da Índia. Azad foi fundamental na consagração dos princípios de secularismo, liberdade religiosa e igualdade para todos os indianos na Constituição.

Ele se tornou o primeiro-ministro da educação da Índia no conselho de ministro liderado pelo primeiro-ministro Jawaharlal Nehru. Ele, juntamente com Nehru, foi um dos fundadores do primeiro Instituto Indiano de Tecnologia (IIT), Kharagpur, em 1951, e da Comissão de Bolsas Universitárias, Nova Delhi, em 1953. Ele previu um grande futuro nos IITs para o progresso da Índia. Como ministro da cultura, ajudou a estabelecer Sangeet Natak Akademy (1953) para a promoção do teatro e música, Sahitya Akademy (1954) para a promoção da literatura indiana, e Lalit Kala Akademy (1954) para a promoção da literatura e escultura e para reforçar a vitalidade e independência dos nossos artistas e estudiosos. Estas instituições foram estabelecidas para dar espaço público para conversas nacionais em seus respectivos campos de actividade.

Nehru e Azad abordaram a política da Índia no campo da cultura com sensibilidade considerável que foi amplamente reflectida na introdução de pompa cultural no desfile do Dia da República e a compra estatal de obras de arte para os museus nacionais e regionais. Em ocasiões semelhantes ao nosso Dia da República, vários países realizaram desfiles militares impressionantes para demonstrar sua força armada para o mundo. Azad e Nehru consideraram que seria apropriado que a Índia mostrasse a sua força cultural, juntamente com seu poderio militar. Isso já foi aprovado por vários outros países.

Em Junho de 1948, Nehru encontrou por acaso um grande número de pinturas da dupla mãe-filha de artistas húngaras, Sass e Elizabeth Brunner em Nainital. Ele comprou algumas pinturas. Quando regressou, escreveu a Azad recomendando oito dos seus quadros a serem adquiridos pelo Governo por Rs 15.000. Quando isso foi comunicado aos peritos, eles acharam que o preço era demasiado elevado.

Uma série de cartas e bilhetes foram trocados, mas os especialistas não cederam ao preço já pedidos. Isto levou Nehru a observar que se o governo não iria pagar pelas pinturas, ele iria pagar ele mesmo. Em um minuto, em 23 de Setembro de 1948, Azad encerrou o assunto dizendo: “O projecto de lei para as pinturas pode ser sancionado e o preço pedido pode ser aceite”. Esse tipo de sensibilidade e alto nível de atenção na compra dessas pinturas, além de respeitar as opiniões de funcionários e peritos, pavimentou o caminho para a constituição da Comissão de Compra de Arte para os museus do estado sob a presidência do vice-presidente da Índia.
Fiel ao seu nome, Maulana Azad, que literalmente significa mestre do diálogo, era um orador talentoso. A primeira-ministra Indira Gandhi, lembraria que sempre que Azad ficava com Ananda Bhavan, a mesa do café da manhã ficava cheia, muitos comeriam em pé para ouvi-lo. Azad tinha uma capacidade maravilhosa de reduzir narrações longas de forma sucinta em uma frase ou duas, que tinham grande impacto.

Azad serviu admiravelmente a Índia e combinou em si as qualidades de um lutador pela liberdade, um pensador de extraordinária habilidade e de um construtor da nação. Nehru apropriadamente se referiu a ele como “Mir-i-Karawan (o líder da caravana), um homem muito corajoso e galante, um produto acabado da cultura que, nestes dias, pertence a poucos”.
Em 15 de Agosto de 1947, os cinco líderes principais da Índia eram: Mahatma Gandhi, Jawaharlal Nehru, Sardar Vallabhbhai Patel, Maulana Azad e Rajendra Prasad. Gandhi foi assassinado em 30 de Janeiro de 1948. O indomável Sardar Patel, que desempenhou um papel genuíno na integração e estabilidade do estado-nação da Índia faleceu em 15 de Dezembro de 1950. Isso deixou o triunvirato de Nehru, Azad e Prasad para dar direcção e orientação para o país. Juntos, eles trabalharam para manter a Índia unida.

Esses líderes estavam profundamente conscientes de que a Índia poderia permanecer apenas como um estado secular. Nehru, em particular, passou a enfatizar estes valores seculares frequentemente e vários dos principais ministros o seguiram. Anos após a morte desses baluartes, o legado da manutenção da paz e da harmonia entre hindus e muçulmanos permaneceu como a principal, dos magistrados distritais e os superintendentes de polícia em seus respectivos distritos. Como um magistrado distrital em início de 1970, lembro-me como agimos prontamente para combater o vírus comum sempre que este tentou levantar a sua horrível feição. Em retrospectiva, eu sinto que nós não permaneceríamos sendo uma democracia liberal ou uma nação unida e forte se o secularismo não fosse enfatizado da forma como foi feito nos primeiros anos do novo estado-nação indiano.

Azad, o estudioso estadista do nosso tempo era uma pessoa, “Para quem a Índia era a unidade e seu povo indiano qualquer que seja a adversidade que possa existir entre eles…”?
A vida, crença e atitudes de Azad são um lembrete permanente de como um indivíduo pode elevar-se acima dos interesses paroquiais e dos laços da comunidade para a cidadania esclarecida. Azad simboliza como os instintos mais elevados do nacionalismo, podem superar os apegos frequentemente insalubres e exclusivos, que temos por nossas localidades e nossos preconceitos herdados. A Índia poderá cumprir a sua grandeza por meio do seu poder económico, sua estabilidade política e suas conquistas sociais. No entanto, a Índia só vai realizar a plenitude de seu destino quando os indianos aprenderem a olhar para além do sectarismo e ver a sua comunidade e o progresso comum ligados à totalidade que a frase Índia Mãe implica.

Essa visão integrada foi o que Azad percebeu nas ideias e ideais de Mahātma Gandhi e do Movimento de Libertação – ideias e ideais que serviram bem este país por décadas. A melhor homenagem que podemos prestar a esse homem de ideias e acções é pensar em maneiras que irão expandir sua abordagem e fortalecer a Índia. Porque ideias e ideais também têm de ser actualizados e reintegrados ao longo do tempo.

-Versão resumida da Palestra Memorial de Maulana Azad proferida pelo Governador do Sikkim, distinto pensador.
Cortesia da Revista India Perspevctives
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 23/6/2021 às 3:51

© 2004-2021, Todos os direitos reservados