Fundação Maitreya
 
As divinas águas sagradas

de Bill Aitken

em 05 Ago 2014

  Rios indianos não são apenas parte de textos religiosos épicos e mitos são também guardiães da sua riqueza natural. Do início da história registada, a Índia tem honrado seus rios, pela sua beleza e suas bênçãos. Sete desses rios foram apontados para reconhecimento como deuses, não por seus perfis hidrológicos, mas pelas associações culturais e sagradas em seus arredores.
Ganga: Símbolo de pureza. Em primeiro lugar na lista está a deusa Ganga (o rio Ganges). Sua nascente na caverna de gelo de Gaumuckh (boca de vaca) em Uttarakhand, Himalaias deve ser o mais inspirador no nosso planeta por pura estética de grandiosidade. Nem mesmo a mitologia cercando o rio pode igualar o sublime impacto do seu nascimento físico. Iniciando o percurso do local de peregrinação de Gangotri, ele flui como rio Bhagirathi. É apenas no seu encontro com o rio Alakananda em Devprayag que o nome Ganga é dado. Em seguida, rio abaixo em Haridwar, o Ganga emerge nas planícies onde o seu curso até ao mar é marcado pela confluência em Prayag Allahabad em Uttar Pradesh.


Aqui, o Ganga encontra o Yamuna e simbolicamente pelo terceiro deus, Saraswati. Varanasi é igualmente agraciado pelas águas de Ganga Maharani. Dos fluxos limitados que compreende o rio delta, o Hooghly passa por Calcutá no Oeste de Bengala, tendo o privilégio de hospedar o lugar final da peregrinação na pequena ilha de Ganga Sagar onde a deusa, após 2.525 km, conflui com a Baía de Bengala.

Yamuna: Beleza beneficente

A nascente da segunda deusa Yamuna, a irmã mais nova de Ganga é marcada por águas quentes em Yamnotri. Ela nasce a partir das neves do maciço Bander Poonch perto da borda de Uttarakhand com o estado de Himachal Pradsh. Ao passar perto de Mussoorie em Uttarakhand, o curso sinuoso do rio tem um édito Ashokan nas suas margens exaltando as virtudes da não-violência. A deusa existe nos Himalaias em Paonta Sahib, uma peregrinação Sikh santificada pela residência do Sikh Guru Gobind Singh. Sua água ajuda no fornecimento ao estado de Haryana na Índia, seu nome significa vegetação deslumbrante. Uma vez que se aproxima de Nova Delhi, a capital da Índia, a deusa é confrontada por desafios humanos. Rio abaixo da capital, o rio flui após os Ghats em Mathura em Uttar Pradesh onde os devotos de Radha e Krishna se encontram. Ele circula em torno do perfil sonhador do Taj Mahal em Agra em Uttar Pradesh e em seguida serpenteia seu caminho pelo terreno erodido onde se junta o Chambal. Finalmente, antes do encontro auspicioso dos rios em Prayag, a 1.370 km da sua nascente, a Yamuna está refrescada pelas águas azuis de Betwa.

Godavari: Promessa de prosperidade

A Promessa de prosperidade Gadavari, irmã mais velha de ganga é um rio não himalaico. O fluxo é sazonal. Ela drena os intervalos menores de Deccan Plateau que recebe pouca precipitação no exterior da monção. Sua nascente está no topo das formações de Black Mesa no intervalo de Sahyadri do norte. No sopé dessas montanhas está o sagrado templo de Trimbakeshwar perto da cidade de Nasik no estado de Maharashtra. O rio flui por 1.465 km quase por toda a largura da península de Nasik no Ghats Ocidental para cortar através de Ghats Oriental até Yanam que foi anteriormente um posto avançado colonial de Puducherry em Andhra Pradesh. A pequena cidade de Paithan em Maharashtra está numa antiga rota comercial e é famosa pelos sáris de seda pesados. Shirdi é uma outra pequena cidade perto de Godavari que tem-se tornado um lugar de peregrinação. Rio abaixo está o bem conservado Gurudwara em Nander onde Sikh Guru Govind Singh expirou. O fluxo do sudeste do rio após deixar Maharashtra para o estado de Andhra Pradesh é completado pelo rio Manjra a partir do sul e Pranhita e Indrawati a partir dos distritos tribais que jazem no norte.
A deusa faz uma acentuada volta no templo Bhadrachalam em Andhra Pradesh antes de abrir caminho para uma passagem através da Ghats Oriental. Ela então desce para um amplo fluxo na cidade agrícola de Rajahmundry no estado de Andhra Pradesh que marca a entrada para o fértil delta. Aqui, o Templo de Draksharam comandando o Gautam Godavari entrega bênçãos finais antes da deusa fluir através do Yanam para a Baía de Bengala.

Narmada: Beleza auspiciosa

Narmada, filha de Senhor Shiva é para muitos, a mais bela. Sua nascente está em Amarkantak entre as colinas frondosas de Maikala de Madhya Pradesh Oriental. Ela então passa pelo espesso território tribal com bambu e abundante minério de ferro. Na fortaleza medieval de Mandla em Madhya Pradesh o rio se alarga. A outrora dinastia governante da área demonstra ser a última a ficar de pé contra os avanços de Mughal. Perto de Jabalpur em Madhya Pradesh estão as cachoeiras de Dhundar no lendário desfiladeiro de mármore. Os muitos matizes de mármore são ditos auspiciosos por esculpir imagens do templo. Grandes e suaves lingas basálticas também são encontradas no leito do rio de Narmanda.
Jabalpur reivindica ser o inventor da sinuca; é dita por ser primeiramente jogada aqui, em tempos coloniais. Omkareshare é uma ilha cénica com um antigo templo de Jyotirlinga e em contraste, este local de peregrinação é seguido rio abaixo pelos principescos banhos de Ghats em Maheshwar. Esses foram construídos pela rainha viúva Holkar Ahalya Bai do reinado Malwa regido por Maratha que bravamente se levantou em defesa da fé de sua família em face do fanatismo. Mais abaixo em seu curso, o rio é represado para formar o Sardar Sarovar, uma barragem de gravidade perto de Navagam em Gujarat. Finalmente, na cidade estuário de Bharuch em Gujarat, ele flui no mar arábico.

Saraswati: Vivo no folclore

O rio sagrado Saraswati é o deus Hindu do aprendizado. Belo de se olhar, o Saraswati suporta as antigas cordas de vina e está localizado num cisne. Nas antigas escrituras, Saraswati era um amplo rio que costumava banhar o que é agora o deserto do Rajasthan. Foi descoberto sob a areia nos anos 30 a partir dos remanescentes da civilização harappeana. De acordo com as imagens de satélite, o curso do rio seco pode ainda ser discernido e no folclore Hindu, o Saraswati permanece muito vivo. Recentemente, em Ad Badri, nas colinas de Shivalik de Haryana, a fonte dum rio pequeno, conhecida como o Sarsutti, tem sido vista como um centro de peregrinação. Ambos Kurushetra em Haryana e Pushkar no Rajasthan têm lagos associados com este rio sagrado perdido e hospedam enormes encontros de peregrinações em auspiciosos dias de banho. É sabido que o Saraswati fluiu em Rann de Kutch em Gujarat e em seguida até ao mar arábico.

Indus: Alto e poderoso

O Indus deu seu nome para a Índia – estrangeiros referiam-se a ele como a terra que jaz “além dos Indus”. Também conhecido como o rio Leão, os Indus (ou Sindhu) é o maior no subcontinente, fluindo por 3.200 km de nascentes indistintas no Tibete, norte do Monte Kailash. O fluxo do rio é determinado pela estação – diminui no inverno enquanto inunda as suas margens entre Julho e Setembro. Este poderoso rio delimita o extremo do ocidente do grande intervalo Himalaico e a altura elevada do maciço Naga Parbat na acentuada curva do rio para flanquear as montanhas impressionando todos os que as vêem. Da borda do Tibete, flui a nordeste através de Leh após a enorme fortaleza de lama fascinante e enorme. Em Nyemo, o rio Zanskar junta-se ao Indus no que pode ser a confluência mais sublime dos Himalaias. O rio é adorado por pescadores rio abaixo na província do Paquistão de Sind onde os rasos e lentos Indus alcançam o mar arábico.

Kaveri: Guardiã da riqueza cultural

A deusa Kaveri pode ser a mais curta em comprimento (765km), mas é a guardiã da mais cintilante gama da riqueza cultural da Índia. Conhecido como “Ganga do sul”, a deusa é retratada em pé vestindo sári de seda vermelha e segurando um pote de água de cobre do qual ela derrama suas bênçãos. Kaveri (ou Cauvery) nasce nas colinas de Coorg na secção de Karnataka de Ghats Ocidental por cima do templo de Bhagamandalam. A nascente é conhecida como Talakaveri e um pequeno tanque foi construído para receber a enchente da nascente sagrada. Das arborizadas colinas de Coog, o rio flui até aos confins de Mysore, em seguida passando por Srirangapatnam em Karnataka onde o Sultão Tipu teve seu palácio. Nas margens de Kaveri em Talakad perto de Mysore em Karnataka jaz um estranho espectáculos de templos tomados pela areia e vento. A deusa em seu humor real é vista na espectacular cachoeira de Shivanasamundra e então, novamente nas dramáticas cataratas de Hogenakkal perto da borda de Tamil Nadu. Enquanto ela se aproxima da região delta, a deusa desencadeia uma exibição de arte, arquitectura e maravilhas musicais. A fortaleza de Trichy, a prestação devocional das canções de Tyagaraj no distrito de Thiruvaiyaru em Tamil Nadu, o recinto piedoso extenso, as imagens em bronze primorosamente requintadas de figuras de Cholan e os imponentes templos de Thanjavur são alguns dos poucos tesouros vivos da região delta. O canal reconhecido de Kaveri desemboca na Baía de Bengala perto da costa em Poompahar em Tâmil Nadu conhecida por comerciantes romanos como Império Kaveri.

Cortesia da Revista India Perspectives
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 22/6/2021 às 9:34

© 2004-2021, Todos os direitos reservados