Fundação Maitreya
 
Trindade Cabalista

de Teosofia

em 26 Jan 2015

  Ain Soph (também grafado "Ein Soph") (do hebraico: Sem Limites) é o Todo Supremo da cabala, aquilo que podemos chamar de "Deus" em seu aspecto mais elevado, não sendo, no sentido estrito da palavra, um "ser", já que, sendo autocontido e autossuficiente, não pode ser limitado pela própria existência, que limita a todos os seres que a possuem. De Ain Soph é que emanam os Sephiroth para formar a árvore da vida, que é uma representação abstrata da natureza divina (Pleroma). Ain Soph é o Não-Ser, um princípio que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana e aos seres que a possuem num contexto puramente filosófico e psicossomático."Os cabalistas mencionam, na Árvore Sefirótica e para além da séfira Kéther, um espaço a que chamaram Aïn Soph Aur: luz sem fim. Esse espaço é impenetrável: é o Absoluto, o Não-manifestado, de que não se tem qualquer noção e do qual Kéther, enquanto Deus manifestado, é uma emanação.


(Informações Teosóficas)

Os aspectos do absoluto


A Divindade, tal como os cabalistas a compreendem, está para além da luz e das trevas, para além dos mundos criados. E, para exprimir ainda melhor este mistério da Divindade, além de Aïn Soph Aur conceberam uma região chamada Aïn Soph (“sem fim”) e, além de Aïn Soph, Aïn (“sem”). Na origem do universo há, pois, uma negação. Mas “sem”, que significa a ausência, a falta, não significa, porém, a não existência. Aïn não é o “não ser” tal como alguns imaginaram o Nirvana dos hindus. De facto, é exactamente o inverso. Aïn Soph Aur, tal como o Nirvana, é uma vida para além da criação, da manifestação, e tão para além que parece ser uma não-existência. Aïn Soph Aur... Aïn Soph… Aïn... foi assim que os cabalistas procuraram explicar realidades que escapam ao nosso entendimento. É impossível falar do Absoluto, mas nós devemos ter uma noção a seu respeito e agradecer a Deus, o nosso Pai Celeste que nos ama, que nos ajuda a crescer e que trabalha no nosso coração, pois, embora insuficientes, as palavras fazem-nos pressentir essa realidade." Omraam

Isis Sem Véu - VOLUME III - TEOLOGIA I
N. Compilador
AIN SOPH - O “Ilimitado” ou Infinito; a divindade que emana e se expande. Parabrahman. Na Cabala, o Ancião dos Anciões; o Eterno; a Causa Primeira. Para os cabalistas caldeus primitivos, Ain Soph era “sem forma ou ser”, sem qualquer semelhança com outra coisa. A Divindade é Não-Coisa, é inanimada e, portando chamada Ain Soph, Ain significa Nada.
Ain Soph Aur - A Luz infinita que se concentra no primeiro e supremo Sephira ou Kether. A coroa.

SEPHIROTH - [Plural de Sephira]. - São as dez emanações da Divindade; a mais elevada é a formada pela concentração do Ain Soph Aur ou Luz infinita e cada Sephira produz, por emanação, outro Sephirah. Os nomes dos dez Sephiroth são: 1º) Kether, a Coroa; 2º) Chokmah, Sabedoria: 3º) Binah, Inteligência; 4º) Chesed, Misericórdia; 5º) Geburrah, Poder; 6º) Tiphereth, Beleza; 7º) Netzach, Vitória; 8º) Hod, Esplendor; 9º) Jesod, Fundamento; 10º) Malkuth, Reino. (G. Teosófico de H. P. B.)

Os “Dez Membros” do “Homem Celeste” são os Dez Sephiroth, mas o primeiro “Homem Celeste” é o Espírito Não Manifesto do Universo, não devendo jamais ser desvirtuado e confundido com o Microposopo ou Microcosmo, a Face ou Aspecto Menor, o protótipo do homem no plano terrestre. O Microcosmo, como dissemos, é o Logos manifesto, e há muitos destes Logos. (A Doutrina Secreta de H.P.B.

Cada Universo del Espacio Infinito posee su propio SOL CENTRAL y la suma de tales Soles Espirituales, constituye el Ain Soph Aur, el Protocosmos, el Absoluto Solar.
El Absoluto Solar está formado por múltiples Soles Espirituales, Trascendentales, Divinales.
La emanación de nuestro "OMNIMISERICORDIOSO Y SAGRADO ABSOLUTO SOLAR" es aquello que Helena P. Blavatsky denomina "El Gran Aliento" para sí mismo profundamente ignoto...
Mucho se ha hablado sobre el Sagrado Sol Absoluto y es obvio que todo Sistema Solar, está gobernado por uno de esos Espirituales Soles. Realmente son Soles Espirituales extraordinarios, centelleantes con infinitos esplendores en el espacio. Radiantes Esferas que jamás podrían percibir los astrónomos a través de su telescopio.
Esto quiere decir, que nuestro juego de mundos posee su Sagrado Sol Absoluto propio, al igual que todos los otros Sistemas Solares del inalterable Infinito.
El PROTOCOSMOS o Primer Cosmos, es infinitamente Divinal, inefable, no existe en él ningún principio mecánico, está gobernado por la Única Ley.
Si reflexionáis vosotros profundamente sobre el Absoluto Solar, veréis que más allá existe la más plena Libertad, la más absoluta felicidad porque todo está gobernado por la Única Ley.
Incuestionablemente en el Sagrado Absoluto Solar, en el Sol Central Espiritual de este Sistema en el cual vivimos, nos movemos y tenemos nuestro Ser, no existe mecanicidad de ninguna especie y por lo tanto, es obvio, que allí reine la más plena Bienaventuranza.
Es indubitable que en el Sol Central Espiritual, gobernado por la Única Ley, existe la felicidad inalterable del Eterno Dios Viviente; desafortunadamente, conforme nosotros nos alejamos más y más del Sagrado Sol Absoluto, penetramos en mundos cada vez más y más complicados, donde se introduce el automatismo, la mecanicidad y el dolor.
Tarot y Cábala. Samael Aun Weor

***
Significado esotérico das Colunas do templo de Salomão
Tal como acontece com a maioria dos símbolos ocultos, as colunas maçónicas ocultam vários significados, alguns destinados ao leigo e outros relacionados com os mais altos graus da Maçonaria.
No entanto, é geralmente sabido que Jaquim e Boaz representam o equilíbrio entre duas forças opostas.
“Estes são os nomes [Jaquim e Boaz] dos dois pilares na varanda do templo construído pelo rei Salomão. Eram dezoito côvados de altura e foram lindamente decorados com guirlandas, romãs e várias texturas. No topo de cada coluna havia grandes bacias – hoje erroneamente chamados de bolas ou balões – um dos copos continha o fogo e outro de água. O globo celeste (originalmente a tigela do fogo), encimando a coluna da direita (Jaquim), é o símbolo do divino, enquanto o globo terrestre (a bacia de água), dominando a coluna da esquerda (Boaz), significa que o homem terrestre. Estes dois pilares, respectivamente conotam também os activos e passivos expressões da energia divina, o sol e a lua, enxofre e sal, o bem e o mal, a luz e as trevas. Entre eles, a porta que dava para a casa de Deus, a sua presença nos portões do santuário é um lembrete do fato de que o Senhor é andrógino e não uma divindade antropomórfica.
A união dos dois pilares geram um terceiro pilar, o do meio, que é o homem esotericamente perfeito. “Quando as duas colunas estão em equilíbrio significa que você tenha atingido a união da Kundalini e Sushumna. Esse casamento vai criar o chamado fogo sagrado da Kundalini que vai irradiar por todo o corpo humano, enchendo-o com a luz divina. É então que a humanidade vai se tornar a terceira coluna do Templo de Sabedoria. Ele / Ela será uma coluna formada pelas forças combinadas da Força (Jaquim) e Beleza (Boaz). Este ato constitui a “Palavra Perdida” no sistema de vibração do corpo físico e da alma.

A combinação de forças opostas dos dois pilares produz a coluna do meio: o homem perfeito.

Significado cabalístico

Em ensinamentos cabalísticos Jaquim e Boaz são as duas colunas da Sephiroth, a árvore da vida.
“Na estrutura de árvore cabalística misteriosa da vida, estes dois pilares simbolizam Misericórdia e Justiça. Quando interpretado cabalisticamente, os nomes dos dois pilares significam “Na força será a estabilidade da minha casa.” “No esplendor da iluminação mental e espiritual, o sumo-sacerdote, está em pé entre as colunas como uma testemunha muda para a virtude do perfeito equilíbrio – um ponto hipotético equidistante de todos os extremos. Assim, ele personificava a natureza divina do homem entre os opostos de que é composta da natureza humana – a misteriosa Mónada pitagórica, na presença da díade. De um lado estava a coluna estupenda do intelecto, por outro lado, o pilar de bronze da carne. A meio caminho entre os dois é o homem sábio glorificado, que antes de chegar a este estado de êxtase que ele tinha que sentir o sofrimento criado pelo cruzamento das duas colunas. Os judeus, no início, representam os dois pilares, Jaquim e Boaz, como as pernas de Jeová. O significado disso é que a Sabedoria e o Amor, em seu sentido mais elevado, apoiam toda a ordem da criação.

A coluna da direita, que é chamada Jaquim, tem o seu fundamento em Chokmah, o derramamento da sabedoria de Deus, os três globos suspensos são poderes do sexo masculino. A coluna da esquerda é chamada Boaz. Os três globos sobre ele são poderes femininos e recetivos, porque se fundam na compreensão, é um poder recetivo e maternal. A Sabedoria é considerada radiante ou efusiva, enquanto a compreensão, repcetiva, ou pelo menos como algo que é preenchido pelo fluindo da Sabedoria. Os três pilares são finalmente unidos em Malkuth, onde todos os poderes dos mundos superiores se manifestam.

“Depois levantou as colunas no pórtico do templo; e levantando a coluna direita,
pôs-lhe o nome de Jaquim; e levantando a coluna esquerda, pôs-lhe o nome de Boaz.”
I Reis 7:21

Os dois pilares agiam como um “portal para os Mistérios” erguido sobre os dois lados da entrada de um lugar sagrado. Era uma passagem para a iluminação.
   


® http://www.fundacaomaitreya.com

Impresso em 23/6/2021 às 4:27

© 2004-2021, Todos os direitos reservados