Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sagrados
Sugestões de Leitura
Especiais
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Em Especiais encontrarão temas que pela sua profundidade, merecem distinção e como tal são jóias preciosas para se guardar religiosamente no coração.

pág. 1 de 2
Onde está a seriedade?

de Diogo Castelão Sousa

em 20 Set 2021

  Assumir com firmeza um caminho próprio, seu, é essencial para o ser humano. Como seres individualizados, a busca ou demanda de um sentido para a vida constitui um traço incontornável e definidor da nossa espécie. A altura em que o assumimos deve ser já antecedida por uma prévia investigação das diferentes possibilidades (correntes filosóficas e religiosas) disponíveis em nosso redor. A altura da decisão, i.e., da tomada de posse de uma atitude, deve ser acompanhada por uma maturidade já devidamente consumada, estabelecendo assim um elo entre a vontade e consciência do ser, i.e., por uma base sólida e fortificada. Nos dias de hoje poucas são as referências no que concerne a este tipo de atitude, de alguém que persevera constantemente na sua demanda, não se desviando, mesmo após já ter ultrapassado certos conceitos e expectativas iniciais, mais primários, que consigo carregava no começo da sua busca. Chamar-lhe-emos mestre, ou iniciado, esse que perseverou e se adiantou naquilo que lhe cabia fazer, cumprindo-se a si mesmo, sendo fiel aos seus ideais durante toda uma vida, tal uma árvore cujas raízes a impedem de ser levada pelo vento ou destruída por uma tempestade. De facto, quem assim se assinala consta apenas entre um pequeno punhado de gente, cujo mérito e exemplo constituem uma verdadeira inspiração para aqueles que desejam conhecer e se iniciar na ‘questão’ da seriedade, do que realmente significa ‘ser sério na vida’.

A História é particularmente reveladora no que toca a esta matéria. Foram seres de alta determinação, vontade e liberdade de espírito que marcaram e revolucionaram as fronteiras do pensamento comum da Humanidade. Isto através de uma atitude ‘fora de série’, estranha para o comum das pessoas, em que se acomete o ser a um ideal para toda a sua vida e realiza seus feitos a partir dessa visão unificadora, que carrega dentro de si.

Evidentemente, maior parte dos indivíduos deixa-se subjugar pela cultura e valores da sua época, sem a devida reflexão, começando já pelo seio da família onde nasce, deixando-se possuir, parcial ou inteiramente, por modos de vida alheios que, muitas das vezes, não são os melhores ou mais benéficos para a sua aprendizagem espiritual e evolutiva.

Acontece que uma grande percentagem faz dos bens materiais o ‘lema’ da sua vida, não precisando claramente o quão instável e incerta a existência terrena é. Outros, ponderando na aquisição de certas metas temporais, fabricam mais quimeras, na tentativa de colmatar ou inclusive ‘substituir’ o ‘vazio’ da sua existência, da falta de um sentido absoluto, total, unificador, pela limitadora e desgovernada busca da ‘felicidade mundana’, sempre fragmentada e ilusória na sua natureza.

Com efeito, uma tal filosofia ou ‘razão de ser’, que fundamentasse todas as nossa escolhas, ideias ou formas de vida, reformulando-as na sua íntegra, teria que ver forçosamente com uma seriedade não relativa a ‘esta ou aquela situação’ mas sim condizente com a própria Vida, no seu todo. Por tal, sentir que existe ou não um Deus, que a Vida é casual e gratuita e não fundamentada ou prenhe de sentido, condiciona todas as demais respostas que oferecemos, por sua vez, à Vida.

Deste modo, investir numa atitude, exige forçosamente uma tomada de consciência, implica um momento de cisão, de quebra, face aos condicionamentos externos, alheios, próprios da época e sistema em que o ser vive, onde este se vê compelido a eleger para si mesmo um caminho particular, individual, fruto da sua vontade e liberdade de espírito.
Porém, ao contrário do que se possa julgar, tal compromisso não é realizado de uma só vez, ou seja, efetuado num só instante, mas sim determinado ao longo de várias etapas da nossa jornada. De facto, a decisão, para ser ‘séria’, tem que ser contínua, trabalhada, refinada e renovada uma vez mais, em prol da sua validez e autoridade.

Assim, quando nos deparamos com um ser que já trabalhou devidamente, ao longo de vários anos, a sua própria evolução e carrega dentro de si essa chama que ‘tudo arde à sua volta’, dá-se pela primeira vez uma espécie de ‘transmissão’, de um ‘acordar’ para a Vida, em que a letargia e desalento que constituíam a normose de um adormecimento coletivo, dão lugar a um despertar maior para as questões essenciais da própria Vida, do Ser e da Existência; no fundo, de uma filosofia mais prática ou realizada, momento que, por si só, é capaz de despoletar uma verdadeira revolução nos corações de quem se encontre mais receptivo ou aberto a tal silencioso ensinamento… Não significa de modo algum a transferência de conhecimentos mas sim o testemunho e exemplo vibrantes de quem transporta dentro de si o dom de fazer os outros ‘abrir os olhos para a Vida’…

De qualquer modo, seja através de exemplos, inspirações, seja pelo estudo pessoal, a diligência ou seriedade com que impregnamos o nosso trabalho encontra-se apenas em nós e não alhures. Por tal, desenvolver uma atitude ou visão de vida significa afirmá-la cada vez mais a cada passo da nossa jornada. Isto, ao contrário do que muito acontece hoje em dia, ao serem procuradas e desenvolvidas certas filosofias emergentes ou mais antigas, mas sem a devida profundidade ou acometimento, apenas superfluamente, por curtos períodos de tempo, para logo serem esquecidas ou abandonadas em favor de outras modalidades ou práticas em voga.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2021, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®