Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Arte
Biografias
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
A criatividade representa a face nobre do homem, quer seja de uma forma concreta, material, quer subjectiva, subtil através do seu Pensamento. Qualquer forma criativa é arte, e arte é religar a ponte entre a matéria e o Espírito, entre o homem e Deus, podendo a inspiração levar a horizontes cada vez mais alargados, tocando o Infinito…

pág. 1 de 2
Ajanta

de Brinda Gill

em 06 Dez 2007

  «Por essa causa, a adoração e o louvor (oferecido a Ele) têm sempre uma recompensa, e produzem uma grande e abundante vantagem; e naquele momento se até uma flor for oferecida, ela torna-se motivo de recompensa, chamada céu e libertação final».

Um exemplo perfeito de Arte Budista

Esta é a inscrição na Gruta 26, em Ajanta no Estado de Maharashtra, e segundo informação histórica, um o monge (Budabadra) tinha ordenado e providenciado a escavação da gruta no final do século V. Havia um mercador, Budabadra, que tinha renunciado ao mundo e tinha-se retirado em Ajanta, provavelmente com muita da sua riqueza.
E a inscrição indica subtilmente o seu objectivo: se uma flor for oferecida por um devoto ele será premiado, depois uma sala de oração maravilhosa, enfeitada com pinturas e esculturas apresenta cenas da vida do Buddha (§), que irão definitivamente garantir muito mérito ao seu doador.
Reflectindo a filosofia Budista, eles subscreviam para os monarcas e os comerciantes patrocinavam as escavações de santuários cortados na rocha. Dessa forma, uma fila elaborada de grutas budistas decoradas foram cortadas nas montanhas isoladas voltadas para o pedaço do Rio Waghora em Ajanta, Maharashtra, oferecendo um dos capítulos mais interessantes da história de arte antiga.

Com o decorrer dos séculos, depois da morte do Buddha por volta de 486 a.C., foram constituídos comités para discutir interpolações diferentes da sua mensagem e filosofia original. As diferenças de interpretação conduziram inevitavelmente ao aparecimento de diferentes grupos, e no início do século da Era Cristã, o Budismo Mahāyāna surgiu com uma filosofia diferente dos Hīnayānas, os discípulos mais próximos dos ensinamentos do Buddha. Em Bit, os Hīnayānas ortodoxos não apresentavam o Buddha nas imagens, mas sugeriam sua presença em símbolos tais como o cavalo (significando sua renúncia), a árvore Bodhi (sua iluminação), a Roda (seu primeiro sermão no Deer Park em Sarnath) e a stupa (seu local de descanso final). Por outro lado, os Mahayanistas acharam aceitável a escultura e a pintura da imagem do Buddha, abrindo um capítulo glorioso na arte indiana.

Um conceito importante enfatizado pelo Mahāyāna é a crença no Bodhisattva, um ser espiritual que defere sua própria Iluminação, de maneira que ele pode ajudar a humanidade na sua busca pela auto-realização. Acreditam que o Buddha antes de nascer como Siddhārta Gautama, tinha passado por vidas inumeráveis, na forma animal e humana. O Mahāyāna enfatizava o papel de Buddha como um Bodhisattva, durante o qual ele assumiu os sofrimentos dos outros oferecendo-lhes uma orientação e compaixão. Assim, a crença Mahāyāna centraliza-se na organização monástica que conduziu para a transição de retiros em pequenas celas cortadas na rocha, para enormes salas de oração e mosteiros cortados na rocha.

Mais adiante, a crença Mahāyāna de que o mérito poderia ser transferido de uma pessoa para a outra por meio de um acto devoto, conduziu os comerciantes ricos a dar oferendas generosas ao Sangha Budista, um acto que também os ajudou a adquirir mérito. As doações também adquiriram a forma de escavações de chaityas ou salas de oração viharas ou mosteiros. Como os Mahayanistas acreditavam que os Bodhisattvas e o Buddha poderiam ser representados por imagens, esses santuários foram agraciados com pinturas e esculturas. E, dessa forma, surgiram as lindas chaityas e viharas em Ajanta, agora um local do Património Mundial na lista da UNESCO.
Das 1.100 grutas cortadas na rocha nas regiões de Orissa, Bihar, Gujarat, Karnataka, Andhra Pradesh e Maharashtra cerca de 900 estão localizadas no Decano no qual a maioria é budista, e entre elas Ajanta é uma expressão artística singular.
A Gruta número 10, a mais antiga chaitya é possivelmente a escavação mais antiga de Ajanta, tem pinturas com data de meados do século II a.C., e incorpora símbolos do Buddha tais como a Árvore de Bodhi e a Stupa. Mas as pinturas posteriores (com data de cerca do século V e VI) e a escultura na Gruta 10, bem como nas outras grutas de Ajanta, apresentam o Bodhisattava e os eventos da vida do Buddha.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®