Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Arte
Biografias
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
A criatividade representa a face nobre do homem, quer seja de uma forma concreta, material, quer subjectiva, subtil através do seu Pensamento. Qualquer forma criativa é arte, e arte é religar a ponte entre a matéria e o Espírito, entre o homem e Deus, podendo a inspiração levar a horizontes cada vez mais alargados, tocando o Infinito…

pág. 1 de 2
A Evolução de Pinturas Miniaturas na Índia

de Harinder Sekhon

em 14 Mai 2007

  Os indianos sabiam a arte de pintar desde tempos antigos e esta arte prevaleceu praticamente em todo o país. Encontraram-se os exemplos da época mais inicial em grutas primitivas e abrigos de rocha ao redor de Mirzapur e Banda em Uttar Pradesh, o monte Mahadev da cadeia Vindhya em Bundelkhand, o monte Kaimur na área de Bagelkhand, Singapur no distrito de Raigarh da Índia Central e em Ballary no Sul da Índia. Estas pinturas consistem principalmente em cenas de caça e representam homem em encontro com animais selvagens.


Embora a técnica de realização seja rude, as representações são vividas. Pigmento vermelho foi usado livremente. Todas estas pinturas mostram uma afinidade notável com as pinturas bem conhecidas encontradas em abrigos de rocha na Espanha que são atribuídas ao homem neolítico. Escavações em Mohenjodaro, Harappā (§) e noutros sítios, onde se encontram os restos da civilização do Vale do Indo, mostram que estes povos também adquiriram grandes habilidades em pintura. Os seus objectos de olaria foram pintados lindamente com motivos geométricos e florais.
A arte de pintura na Índia antiga alcançou o seu cume durante o reino da dinastia imperial dos Guptas. O período chama-se justamente a Idade de Ouro da Índia antiga. Encontram-se os exemplos mais ilustrativos das pinturas Gupta nas pinturas a fresco nas paredes das Grutas de Ajanta, nas Grutas de Templo de Bagh em Gwalior e no Templo de Sittannavasal em Puddukkottai.

Sob o impacto de Islão, pintores indianos começaram a prestar atenção a pinturas miniaturas e ilustrações de livros. Embora evidência literária mostre que a arte de pintura miniatura prevaleceu na Índia muito antes do advento dos muçulmanos, faltara-lhe profundeza e delicadeza. As miniaturas indianas mais antigas a sobreviver foram pintadas sobre folha de palma e foram encontradas no Leste da Índia. Estas pertencem ao período entre 770 e 1126 d.C. quando as regiões correspondentes às províncias modernas de Bihar e Bengala foram reinadas pela dinastia de Palas. Os Palas foram budistas e o seu reino testemunhou o florescimento final do budismo e a arte budista na Índia. Os grandes monastérios de Nalanda, Odantapuri, Vikramsila e Somarupa tornaram-se em centros bem conhecidos de ensino e cultura em todo o mundo budista. Durante o reino de reis Dharmapala (770-815 d.C.) e Devapala (815-854 d.C.) Dhiman, artista dotado proveniente de Varendra (Bengala Ocidental), e o seu filho Bitpalo produziram muitas pinturas notáveis.

O tema das miniaturas Pala são as divindades do Budismo Mahāyāna representadas numa dimensão pequena nos manuscritos de palma. Pode-se ver um exemplo magnificente do manuscrito tipicamente budista de palma ilustrado no estilo Pala na Biblioteca Bodleian em Oxónia. É um manuscrito de Astasahasrika Prajnaparamita (Perfeição de Sabedoria), o texto fundamental em que a filosofia budista de «vácuo» é baseada. Foi escrito em oito mil versos e foi pintado no mosteiro de Nalanda no décimo quinto ano do reino do rei Rampala da dinastia Pala no último quarto do século onze. O manuscrito tem seis páginas de ilustrações além do interior da capa de frente bem como de trás que são de madeira. A ilustração sobre a capa do livro representa a própria Prajnaparamita, o Bodhisattva (o Buddha (§) numa das suas vidas anteriores) com quatro braços. Duas mãos estão fazendo gestos de ensinar, as outras duas estão segurando um rosário e um livro de palma. A composição é simples com linhas sinuosas e tons atenuados dominados por um sentimento de devoção que se desenvolveu nas fases tardias do Budismo Mahāyāna. O seu estilo naturalista parece-se com as formas ideais de esculturais contemporâneas de bronze e pedra.
A arte Pala encontrou um declínio súbito depois da destruição dos mosteiros budistas na mão de invasores muçulmanos nos primeiros meados do século XIII. Alguns dos monges e artistas fugiram para Nepal, o facto que apoiou a reforçar as tradições prevalentes de arte ali.

Entre os séculos XI e XVI, a arte de pintura miniatura também floresceu em Gujarat e nos territórios adjacentes de Malwa e Rajastão na Índia ocidental. Aqui esta tinha duas fases distintas de desenvolvimento. Os manuscritos datados do período inicial foram realizados em folhas de palma e mais tarde sobre papel até o século XVI. A substituição da folha de palma, que era inconvenientemente estrita e frágil, por papel feito à mão alterou radicalmente a arte de pintura miniatura na Índia.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®