Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Arte
Biografias
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
As personagens mais marcantes da história da humanidade reconhecem-se, pela sua criatividade interior, que impressiona e serve como farol aos que neles encontram o ideal espiritual.

pág. 1 de 3
Uma personalidade fascinante

de Balmiki Prasad Singh

em 22 Set 2012

  Maulana Azad foi um homem cuja vida e obra têm uma relevância permanente para o nosso país. Grandes homens e mulheres possuem mensagens intemporais. Azad era um deles. Popularmente conhecido como Maulana Azad, Maulana Abdul Kalam Muhiyuddin Ahmed nasceu em Meca, em 11 de Novembro de 1888. Adoptou Azad (livre) como seu pseudónimo e o seu dia de nascimento é comemorado como Dia nacional de Educação na Índia. Azad, um homem de muitas facetas – erudito, poeta, jornalista, combatente da liberdade e líder do Congresso Nacional Indiano – era um linguista adepto capaz de comunicar em árabe, inglês, urdu, hindi, persa e bengali.Azad foi preparado para se tornar um clérigo muçulmano. No entanto, ele moldou sua própria vida de uma maneira diferente e floresceu como um valente combatente pela liberdade, um apóstolo da unidade hindu-muçulmana, e um construtor da índia moderna. Surgiu no cenário nacional desde muito cedo.

A Primeira Guerra Mundial levou à ocupação militar de Istambul (então Constantinopla) e abolição do califado, que teve uma importância religiosa para os muçulmanos em todo o mundo. A simpatia dos muçulmanos indianos, principalmente muçulmanos sunitas, com a Turquia e o califado otomano, era sincera, profunda e generalizada. Azad expressou tudo isso numa revista de Urdu, Al-Hilal, criada e editada por ele em 1912.

Um espírito inato da liberdade e indiferença dos governantes britânicos em relação à situação das pessoas comuns da Índia fez dele, um rebelde. Em Mahātma Gandhi (§), 19 anos mais velho, ele encontrou um amigo.

O facto de Gandhi também apoiar o movimento Khilafat os aproximou. Azad tornou-se um entusiasta de Gandhi e dos seus ideais de não-violência e desobediência civil. Ele também começou os movimentos de não cooperação em vários lugares, como activista do Congresso.
Os ingleses rapidamente o viram como um inimigo de proeza formidável. Depois de Al-Hilal ser proibido em 1914, Azad começou outro, Al-Balagh semanal; esse foi proibido dois anos mais tarde. Foi expulso da sua cidade natal Calcutá e internado em Ranchi, em 1916 – uma proibição que foi levantada apenas após a conclusão da Primeira Guerra Mundial.

Quando Azad tinha apenas 35 anos, seus colegas no Congresso Nacional Indiano escolheram-no para ser presidente numa sessão especial realizada em Delhi, em 1923. Foi eleito presidente do Congresso, numa sessão em Ramgarh em 1940, e continuou a liderar o Congresso Nacional Indiano, até 1946. Esta foi uma extraordinária manifestação de confiança, já que há sempre vários pretendentes a esse alto cargo.

Duas visões contrastantes sobre o futuro da Índia predominaram na luta pela liberdade: uma, defendendo a integridade da Índia com base na unidade hindu-muçulmana, outra, a criação do Paquistão com base na teoria das duas nações. Estes sentimentos encontraram exposição poderosa em direcção ao Congresso presidencial feito pelo Azal e pela Liga Muçulmana presidencial emitida por Muhammad Ali Jinnah, em 1940.
Azad afirmou: “Foi o destino histórico da Índia o facto de que muitas raças e culturas humanas deveriam fluir para ela, encontrar um lar em sua terra hospitaleira, e que uma caravana de muitos iriam encontrar descanso aqui…

Mil e cem anos de história comum (do Islão e do Hinduísmo) enriqueceram a Índia com nossas conquistas comuns. Nossas línguas, nossa poesia, nossa literatura, nossa cultura, nossa arte, nossa festa, e nossos usos e costumes…tudo tem a marca do nosso esforço conjunto…Estes milhares de anos de nossa vida em comum moldaram-nos para uma nacionalidade comum… quer gostemos ou não, já nos tornamos uma nação indiana, unida e indivisível. Nenhuma fantasia ou intriga artificiais para separar e dividir pode quebrar essa unidade”.

A visão de Muhammad Ali Jinnah foi acentuadamente diferente: “É um sonho pensar que os hindus e os muçulmanos possam evoluir numa nacionalidade comum e este equívoco de uma nação indiana tem ido muito além dos limites, e é a causa da maioria de nossos problemas, e irá levar a Índia à destruição, se não formos capazes de rever nossas acções a tempo. Os hindus e muçulmanos pertencem a duas diferentes filosofias religiosas, costumes sociais e literatura. Eles nem casam entre si, se reúnem para refeições, e realmente eles pertencem a duas diferentes civilizações que se baseiam principalmente em ideias e concepções conflituantes. Seus aspectos na e de vida são diferentes”.

Estas duas declarações foram os manifestos do Congresso e da liga muçulmana. O conflito sobre essas visões tornou-se fundamental para o resultado da luta pela liberdade. Em muitos aspectos, ainda estamos lidando com o legado dessas noções.
Em 3 de Junho de 1947, os britânicos anunciaram uma proposta para a partição da Índia e do Paquistão em linhas religiosas, com os estados principescos livres para escolher entre qualquer domínio.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®