Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sagrados
Sugestões de Leitura
Especiais
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Em Especiais encontrarão temas que pela sua profundidade, merecem distinção e como tal são jóias preciosas para se guardar religiosamente no coração.

pág. 1 de 2
Evangelhos - 2005 Comentados

de Firmamento Editora

em 26 Fev 2007

  O Livro EVANGELHOS 2005 COMENTADOS, da Firmamento Editora, publicado em Dezembro de 2004 contém os Evangelhos dominicais do ano de 2005, relidos e comentados por 61 pessoas com experiências de fé e de vida. Cada evangelho é comentado por uma pessoa cuja biografia, experiência interior ou religiosa justifique um encontro entre o texto bíblico e a sua experiência pessoal irrepetível e única. Por amável cedência da Firmamento e a autorização dos respectivos autores, congratulamo-nos por esta possibilidade de editar no Spiritus Site alguns desses comentários, este de Pedro Teixeira da Mota.



EVANGELHO Mt 5, 13-16

«Vós sois a luz do mundo»

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Vós sois o sal da terra.
Mas se ele perder a força, com que há-de salgar-se? Não serve para nada, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens.
Vós sois a luz do mundo.
Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte; nem se acende uma lâmpada para a colocar debaixo do alqueire, mas sobre o candelabro, onde brilha para todos os que estão em casa. Assim deve brilhar a vossa luz diante dos homens, para que, vendo as vossas boas obras, glorifiquem o vosso Pai que está nos Céus».
Mateus 4, 12-23

Vós sois a luz do mundo, Vos estis lux mundi.
Vos estis sal terrae, Vós sois o sal da terra
Apelo, aviso, exortação, afirmação jubilosa, experiência compartilhada, programa diário de vida?
Cada um de nós sentirá e realizará de modo próprio estes poderosos ditos de Jesus que desde há dois mil anos desafiam as consciências semi-adormecidas dos seres humanos.
Se somos a Luz do mundo, se esta é a natureza essencial do nosso ser, do eu profundo, do Espírito, então compreende-se que não podemos esconder esta Luz debaixo do alqueire, e que devemos mesmo proclamá-la e irradiá-la, do cimo do telhado, do cimo da nossa cabeça, como Jesus nos indica em seguida em fecundas analogias.
Mas sabemos que não é fácil sentirmos a nossa realidade luminosa, bem como conseguirmo-la manter no quotidiano. É preciso sobretudo grande e perseverante paciência e aspiração esperançosa para que, em oração e em meditação, consigamos constantemente recuperar e receber a luz do Espírito, graça esta pela qual somos fortalecidos para agir abnegada e harmoniosamente no dia a dia.

Provavelmente é a estas práticas espirituais, é a esta graça, ou estado harmonioso espiritual, que não são só os momentos interiorizados, mas também todos os que preenchem o dia na medida em que são vividos verticalmente, auto-conscientemente, amorosamente e em unidade, que Jesus alude quando nos diz: «Se o teu olho for simples, todo o teu corpo será luminoso», S. Mateus (12,22).
Se a irradiação do teu olhar, do teu ver o mundo for simples, directa, unitiva, então todo o teu ser se revelará luminoso. Se o teu olhar não for detido e turvado por medos e desejos, se o teu olho espiritual estiver limpo e não enredado em pensamentos e emoções díspares, mas sim puro, indiviso e uno com a corrente espiritual do corpo místico Crístico, então a energia luminosa e bem aventurada do Espírito Santo percorrendo-te verás a luz no teu terceiro olho, tomarás consciência do corpo espiritual, teu futuro corpo incorruptível de glória.
“Vós sois a Luz do mundo” implica ainda que não podemos esmorecer, nem desistir, nem soçobrar perante todas as avalanches de dificuldades e negatividades – da inveja ao imperialismo - lançadas sobre nós e sobre o mundo pois somos a Luz matutina dele.

Não deixes apagar a Luz, “não varras o lugar da tocha, não despedaces a coroa, ou não comas o coração”, como dizem os Símbolos Pitagóricos, tão comentados no Renascimento pelos humanistas, são assim preceitos a relembrar e a reconquistar, pois diariamente seremos assaltados por problemas, conflitos, sugestões, slogans, que tentam ensombrar o nosso estado espiritual, a nossa capacidade interior de brilhar, de transfigurar-nos, ou seja, de partilharmos a nossa identidade de filhos de Deus.
Responsabilidade pois grande a dos discípulos: sendo a Luz do mundo, não desanimarem, não perderem a ligação com Xvarnat, a Luz da Glória, do antigo Irão, a Anima Mundi como diziam os herméticos e gnósticos, a Hagia Sophia, a Santa Sabedoria, tão venerada pelos místicos e filósofos da Igreja Ortodoxa, ou ainda a Luz das Luzes, a Luz da Aurora dos iniciados islâmicos e, portanto, lutarem e vencerem as tendências e influências alienantes, consumistas, superficializadoras que constantemente nos manipulam, tentam e assaltam.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®