Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sistemas Religiosos e Filosóficos
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Sistemas, tem a finalidade de contribuir para a divulgação das linhas de pensamento dentro das várias Religiões e Filosofias de todo o mundo, na compreensão de que todas partilham afinal uma linguagem comum.

pág. 1 de 1
Uma Epifania em Mármore

de Don Alney

em 13 Fev 2014

  Abrigado nas montanhas Aravalli, no Rajastão, e situado às margens do rio Maghai fica o sonho de mármore do século XV de Ranakpur, um dos cinco lugares mais sagrados de peregrinação e adoração Jaina. Ao contrário de outros lugares religiosos, o complexo de quatro templos não tem bazares congestionados e agitação da multidão, mas um carácter distinto de paz de oração, a serenidade gratificante da alma e uma arquitectura maravilhosa. A sensação de isolamento e o ambiente pacífico do lugar estão em tranquila harmonia com a ideologia ascética do jainismo. Uma inscrição discreta numa parede do templo principal diz-nos que Dharmaka, um comerciante jaina rico e de renome, o construiu.

Uma Epifania em Mármore

Todos os anos, milhares de devotos visitam Ranakput, o centro de culto da adoração jaina no Rajastão.

Diz a lenda que ele se inspirou num sonho com um veículo celestial mencionado nas escrituras jainas. Profundamente comovido por esta visão, Dharmaka decidiu construir uma estrutura semelhante, na forma de um templo. Ele pediu a terra de Rana Kumbha, o governante de Mewar, na qual converteu seu sonho num templo de beleza incomparável. Em 1394, Rana Kumbha doou uma grande área no sopé da cordilheira Aravalli para o templo proposto. A criação da maravilha de mármore de Dharmaka levou ao todo 50 anos. Em conclusão, foi dedicado ao Senhor profundamente venerado Adinath, o primeiro dos 24 Tirthankaras jainas, ou sábios iluminados.

A magnitude conceitual e graça estética do templo Adinath o transformaram numa epifania em mármore. Consagrado no santuário dos santuários está o Chaumukha, ou imagem de quatro faces do primeiro Tirthankara. O templo estende-se por mais de 48.000 metros quadrados, com suas vinte e nove salas, oitenta e seis capelas, cinco torres e vinte cúpulas. Acredita-se que elas estão apoiadas em 1444 magníficos pilares, cada um esculpido distintamente diferente do outro. Acredita-se também que há nove arrecadações sob o templo principal para o armazenamento seguro das imagens sagradas do templo, em caso de qualquer emergência. A ingenuidade do projecto do arquitecto é evidente a partir do posicionamento desses pilares de 40 metros de altura, a partir de qualquer de um dos quatro cantos do templo, à vista do visitante central, de quatro faces do Senhor Adinath, permanece desobstruída.

Curiosamente, um desses pilares tem uma inscrição relatando como um monge jaina convenceu o imperador mogol Akbar a proibir a caça, venda e consumo de carne em dias de significado religiosos para os jainas.

Imagens dos 24 Tirthankaras estão esculpidas nos pórticos ao redor do santuário, com cada mandap (estrutura coberta com pilares) possuindo uma torre adornada com pequenos sinos em cima. A cada rajada de vento, os corredores do templo ecoam o tilintar dos sinos, criando uma ilusão de música etérea. As esculturas do templo do Senhor Adinath dão a impressão de um efeito de renda com arabescos florais, deusas dançantes e cenas das escrituras.
Há três templos menores, dois deles são dedicados aos santos jainas, Parsvanath e Neminath. Ambos estão voltados para o templo principal. O quarto, Surya Mandir, é dedicado ao Deus Sol. Suas paredes poligonais são embelezadas com entalhes opulentos de guerreiros montados em cavalos e divindades solares montando vigas esplendorosas.

Uma vista de tirar o fôlego, o templo é uma obra-prima de motivos esculpidos intrincadamente. A coisa mais notável do complexo é o maravilhoso jogo de luz e sombra nos seus pilares primorosamente cortados. Acredita-se que cada um dos pilares muda de cor de ouro para azul pálido após cada hora durante o dia.

Com os templos recuperando a glória nas últimas três décadas, os devotos, e turistas continuam a brotar vindos de lugares distantes. Alguns visitam para expressar gratidão, alguns em busca de consolo e esperança para o amanhã, e muitos atraídos pela arquitectura.

Cortesia da revista India Perspectives
   


topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®