Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Vários temas
Peregrinações
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
As viagens, quando empreendidas com o sentido de peregrinação contribuem para a elevação de Consciência, e o seu efeito espiritual começa, a partir dos primeiros passos, até ao local, ao objectivo.

pág. 1 de 2
As divinas águas sagradas

de Bill Aitken

em 05 Ago 2014

  Rios indianos não são apenas parte de textos religiosos épicos e mitos são também guardiães da sua riqueza natural. Do início da história registada, a Índia tem honrado seus rios, pela sua beleza e suas bênçãos. Sete desses rios foram apontados para reconhecimento como deuses, não por seus perfis hidrológicos, mas pelas associações culturais e sagradas em seus arredores.
Ganga: Símbolo de pureza. Em primeiro lugar na lista está a deusa Ganga (o rio Ganges). Sua nascente na caverna de gelo de Gaumuckh (boca de vaca) em Uttarakhand, Himalaias deve ser o mais inspirador no nosso planeta por pura estética de grandiosidade. Nem mesmo a mitologia cercando o rio pode igualar o sublime impacto do seu nascimento físico. Iniciando o percurso do local de peregrinação de Gangotri, ele flui como rio Bhagirathi. É apenas no seu encontro com o rio Alakananda em Devprayag que o nome Ganga é dado. Em seguida, rio abaixo em Haridwar, o Ganga emerge nas planícies onde o seu curso até ao mar é marcado pela confluência em Prayag Allahabad em Uttar Pradesh.


Aqui, o Ganga encontra o Yamuna e simbolicamente pelo terceiro deus, Saraswati. Varanasi é igualmente agraciado pelas águas de Ganga Maharani. Dos fluxos limitados que compreende o rio delta, o Hooghly passa por Calcutá no Oeste de Bengala, tendo o privilégio de hospedar o lugar final da peregrinação na pequena ilha de Ganga Sagar onde a deusa, após 2.525 km, conflui com a Baía de Bengala.

Yamuna: Beleza beneficente

A nascente da segunda deusa Yamuna, a irmã mais nova de Ganga é marcada por águas quentes em Yamnotri. Ela nasce a partir das neves do maciço Bander Poonch perto da borda de Uttarakhand com o estado de Himachal Pradsh. Ao passar perto de Mussoorie em Uttarakhand, o curso sinuoso do rio tem um édito Ashokan nas suas margens exaltando as virtudes da não-violência. A deusa existe nos Himalaias em Paonta Sahib, uma peregrinação Sikh santificada pela residência do Sikh Guru Gobind Singh. Sua água ajuda no fornecimento ao estado de Haryana na Índia, seu nome significa vegetação deslumbrante. Uma vez que se aproxima de Nova Delhi, a capital da Índia, a deusa é confrontada por desafios humanos. Rio abaixo da capital, o rio flui após os Ghats em Mathura em Uttar Pradesh onde os devotos de Radha e Krishna se encontram. Ele circula em torno do perfil sonhador do Taj Mahal em Agra em Uttar Pradesh e em seguida serpenteia seu caminho pelo terreno erodido onde se junta o Chambal. Finalmente, antes do encontro auspicioso dos rios em Prayag, a 1.370 km da sua nascente, a Yamuna está refrescada pelas águas azuis de Betwa.

Godavari: Promessa de prosperidade

A Promessa de prosperidade Gadavari, irmã mais velha de ganga é um rio não himalaico. O fluxo é sazonal. Ela drena os intervalos menores de Deccan Plateau que recebe pouca precipitação no exterior da monção. Sua nascente está no topo das formações de Black Mesa no intervalo de Sahyadri do norte. No sopé dessas montanhas está o sagrado templo de Trimbakeshwar perto da cidade de Nasik no estado de Maharashtra. O rio flui por 1.465 km quase por toda a largura da península de Nasik no Ghats Ocidental para cortar através de Ghats Oriental até Yanam que foi anteriormente um posto avançado colonial de Puducherry em Andhra Pradesh. A pequena cidade de Paithan em Maharashtra está numa antiga rota (§) comercial e é famosa pelos sáris de seda pesados. Shirdi é uma outra pequena cidade perto de Godavari que tem-se tornado um lugar de peregrinação. Rio abaixo está o bem conservado Gurudwara em Nander onde Sikh Guru Govind Singh expirou. O fluxo do sudeste do rio após deixar Maharashtra para o estado de Andhra Pradesh é completado pelo rio Manjra a partir do sul e Pranhita e Indrawati a partir dos distritos tribais que jazem no norte.
A deusa faz uma acentuada volta no templo Bhadrachalam em Andhra Pradesh antes de abrir caminho para uma passagem através da Ghats Oriental. Ela então desce para um amplo fluxo na cidade agrícola de Rajahmundry no estado de Andhra Pradesh que marca a entrada para o fértil delta. Aqui, o Templo de Draksharam comandando o Gautam Godavari entrega bênçãos finais antes da deusa fluir através do Yanam para a Baía de Bengala.

Narmada: Beleza auspiciosa

Narmada, filha de Senhor Shiva é para muitos, a mais bela. Sua nascente está em Amarkantak entre as colinas frondosas de Maikala de Madhya Pradesh Oriental. Ela então passa pelo espesso território tribal com bambu e abundante minério de ferro. Na fortaleza medieval de Mandla em Madhya Pradesh o rio se alarga. A outrora dinastia governante da área demonstra ser a última a ficar de pé contra os avanços de Mughal. Perto de Jabalpur em Madhya Pradesh estão as cachoeiras de Dhundar no lendário desfiladeiro de mármore. Os muitos matizes de mármore são ditos auspiciosos por esculpir imagens do templo. Grandes e suaves lingas basálticas também são encontradas no leito do rio de Narmanda.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®