Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sistemas Religiosos e Filosóficos
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
pág. 7 de 11
Por fora e por dentro

de Ajahn Jayasaro

em 14 Mar 2019

  (...anterior) As últimas incluem, por exemplo, as secções de etiqueta monástica, cerimónias e a relação correcta a ter com os ‘ quatro bens essenciais’: a indumentária, a comida da mendicância , o local de residência e os remédios, bem como os procedimentos para a ordenação de novos membros, e a resolução de disputas.

O Sutta Pițaka
A colecção de suttas, ou discursos. Inclui todos os ensinamentos registados que o Buda ensinou de Dhamma, juntamente com um pequeno número de discursos dados pelos seus discípulos. O Sutta Pițaka está dividido em cinco Nikāyas, ou colecções: Digha Nikāya – a ‘colecção dos discursos longos’
Majjhima Nikāya – a ‘colecção dos discursos de duração média’
Saṃyutta Nikāya – a ‘colecção temática’
Aṇguttara Nikāya – a ‘colecção numerada’
Khuddaka Nikāya – a ‘miscelânea’

O Abhidhamma Pițaka
Uma revisão e sistematização dos princípios axiais apresentados no Sutta Pițaka.
Qual é a essência do Budismo? (28)
O Buda respondeu a esta pergunta com uma poderosa analogia. Disse que fosse qual fosse o mar, o oceano, de onde se tirasse uma amostra de água, ela teria sempre o mesmo sabor salgado; assim, qualquer que seja o ensinamento de Buda, ele revela o sabor único da libertação. A libertação, ver-se livre de dukkha e de suas causas, esta é a essência do Budismo.

Qual é o objectivo final da prática do Dhamma? (29)
Os resultados da prática do Dhamma podem ser expressos, tanto pela negativa, como pela positiva. Num sentido negativo, o resultado é a libertação de todo o sofrimento e de todas as causas do sofrimento, nomeadamente dos estados mentais tóxicos enraizados na cobiça, no ódio e na ilusão. Num sentido positivo, é a perfeição da sabedoria, da compaixão e da liberdade interior.

Os budistas acreditam em Deus? (30)
Como a definição de Deus varia ao longo das diversas tradições religiosas, não existe uma resposta imediata para esta pergunta. Embora a noção de uma personificação de um deus criador seja claramente incompatível com os ensinamentos budistas, alguns dos conceitos mais abstractos de ‘Deus’ podem-se reconciliar com eles de alguma maneira.

Qual a credibilidade da autenticidade dos textos budistas, dado terem sido transmitidos oralmente
durante os primeiros séculos após a morte de Buda? (31)
A transmissão oral dos textos budistas pode ter resultado mais numa força, do que numa fraqueza. Quando os textos são preservados por grupos monásticos, cantando-os em conjunto a intervalos regulares, a probabilidade de erros de omissão ou de emendas deliberadas é minimizada. Embora haja que reconhecer que não existem evidências inabaláveis para a autenticidade dos textos antigos, também há, todavia, um número de boas razões para neles confiar.
Em primeiro lugar, como foi explicado antes, existe uma coerência interna e uma ausência de contradição nos discursos de Buda, que são notáveis tendo em conta o imenso material, centenas de vezes superior, por exemplo, ao Novo Testamento Cristão. As mesmas colecções de ensinamentos preservadas por diversas escolas budistas, em diferentes línguas, demonstram um elevado grau de correspondência.
Os ensinamentos de Buda não se destacam, nem entram em decadência, por causa de acontecimentos históricos particulares. Descrevem um sistema educativo para o corpo, a fala e a mente, conducente ao despertar. Ao longo dos últimos séculos muitos homens e mulheres, monásticos e leigos, puseram estes textos em prática, e provaram a si próprios a sua verdade e eficácia. Em último lugar, é por esta razão que os budistas confiam na autenticidade dos ensinamentos de Buda, que têm vindo a ser transmitidos até aos dias de hoje.

O Budismo foca-se demasiado no indivíduo, e falha na dimensão social? (32)
O termo “Budismo” é de uso recente. O próprio Buda referia-se aos seus ensinamentos como Dhamma-Vinaya, usando “Vinaya” para se referir aos meios pelos quais o ambiente externo pode ser ordenado de forma a criar óptimas condições para o estudo, a prática e a realização do Dhamma. O Vinaya atinge o seu apogeu nas regras e regulamentos que governam a vida dos monásticos budistas, mas também se aplica à sociedade em geral.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2019, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®