Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sagrados
Sugestões de Leitura
Especiais
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
pág. 5 de 5
Como reconhecer os que servem à Hierarquia

de Torkom Saraydarian

em 02 Jan 2018

  (...anterior) As faculdades que possui são sagradas, e só as emprega em benefício dos demais, caso o karma o permita.
No caso de empregar os seus poderes, em momentos muito especiais, fá-lo para glorificar a Fonte de todos os poderes. A sua existência entre as pessoas é uma bênção. A sua aura, o seu olhar e o seu contacto curam as pessoas, iluminam-nas e fortalecem-nas. É sabido que a presença de um trabalhador da Hierarquia pode prevenir terremotos e catástrofes naturais. Os trabalhadores da Hierarquia são enviados frequentemente a certos locais para que protejam as pessoas de fenómenos naturais mediante a sua simples presença. São enviados para restaurar a paz e a compreensão, para levar saúde e prosperidade, mas permanecem incógnitos até que as pessoas desenvolvam olhos para ver a sua influência.

11º - O trabalhador da Hierarquia é parcimonioso e contido. Nunca desbarata ou desperdiça energia, dinheiro, tempo etc., muito menos os pertencentes aos outros, porque sabe que o desperdício constrói karma e cria apego. Quando desperdiçamos dinheiro, energia, tempo e matéria, isso significa que ainda não aprendemos o valor do que temos. E se não sabemos o valor do que temos, é natural que o desperdicemos. Em ambos os casos, trabalhamos contra a lei. A Lei de Economia significa empregar adequadamente tudo o que existe com a perfeição como fim.
O desperdício é um tributo imposto à natureza e, neste caso, ela impõe um preço a quem dela abusa. Quando desperdiçamos qualquer coisa, estamos a submeter a natureza ao abuso e à exploração. Quando a exploramos com desperdício, ela responderá com densas névoas, venenos e fenómenos extremos. A economia é o equilíbrio entre a natureza e as necessidades humanas.

12º - Um trabalhador da Hierarquia nunca se associa com médiuns nem com canais psíquicos. Sabe que a fonte das suas inspirações raramente provém das esferas superiores e sim de duvidosas entidades e forças astrais. Sabe que um contacto com elas pode ser fatal, porque frequentemente criam uma linha permanente através da qual mantém a pessoa cativa das exigências das forças destrutivas.

13º -O trabalhador da Hierarquia jamais se dedica à necromancia. Deixa livres os mortos para que prossigam o seu caminho para os Mundos Superiores. Ao invés de lhes solicitar ajuda e orientação, tenta conduzi-los para a luz através dos pensamentos elevados que projecta. Um trabalhador da Luz sabe como contactar com eles mentalmente e como ajudar a sua evolução. Inclusive poderá estar com eles depois que abandone o seu corpo durante o sono. Mas nunca tentará trazê-los para a Terra, fazendo inverter sua direcção.

As pessoas talvez perguntem: se os trabalhadores da Hierarquia são assim tão belos, por que não vemos mais mudanças na vida em geral? A resposta é fácil. Em primeiro lugar, é verdade que há muitas mudanças que estão a acontecer na direcção da unidade, da beleza, da síntese e da paz. Em segundo lugar, devido a que existem cada vez mais trabalhadores da Hierarquia, afloram mais conflitos na superfície da Terra. A boa vontade faz com que as pessoas vejam melhor a má vontade existente. A liberdade faz com que as pessoas vejam onde ela é violada. A unicidade revela as brechas e o separatismo existente.

Por isso o mundo está a penetrar na "hora da meia-noite". Só nessa hora começará o amanhecer, e esta será a vitória de todas as Forças da Luz e de todos os que trabalham na luz e em favor da luz.
Todo discípulo é um heraldo da luz, uma luz que brilha na escuridão, apenas através da sua abnegação, do seu coração cálido, da penetrante luz da sua consciência, da força e a beleza da sua Alma. A sua missão é fazer brilhar a luz. A sua chama estará firme e será forte, mesmo que o vento, a chuva e a neve bramem ao seu redor durante noites escuras e dias tormentosos. Durante esses dias, ele comprovará a força da sua fusão com a Chama Divina que continuamente lhe proporcionará energia para persistir contra os caóticos elementos da natureza.
Apenas aqueles que mantêm acesa as suas chamas durante os dias de tormenta serão capazes de construir o mecanismo através do qual lhes será possível avançar e penetrar nos Mundos Superiores. Um discípulo é uma luz que avança na escuridão da noite e na escuridão do dia.

Texto extraído e adaptado da obra El discípulo: su desafío esencial, de Torkom Saraydarian,,
Cortesia de Manuel Cavaco Nunes
   
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2018, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®