Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sagrados
Sugestões de Leitura
Especiais
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Textos Sagrados são os registos que evocam o divino. Neste espaço eles irão testemunhar a reverência espiritual da humanidade, porque asseguraram e continuarão a assegurar, a herança que dirige o rumo da contínua evolução dos seres. A Sabedoria perene e a força espiritual irradiam através dos tempos, sob a égide de Escrituras Sagradas.


pág. 1 de 4
O Símbolo da Sabedoria

de Maria

em 11 Mai 2010

  A representação de imagens de Tīrthankaras*, os sábios Jainas, com a serpente* (nāga) por detrás da cabeça, significa simbolicamente “o Desperto”. A posição de cabeça erguida da serpente, elevando o olhar acima do resto do corpo, olhando e observando tudo em redor, encontra-se por analogia com o homem quando iluminado: o absolutamente desperto, inteligente, de mente lúcida. Assim, o homem da sua posição superior (atitude) pode ver e apreender tudo.

Nem uma sombra de um pensamento negativo assola aquele que se iluminou pela inteligência na Unidade, sempre “vendo”.

Associada à serpente erguida está a energia da kuṇḍalinī no ser humano, que jaz enrolada na base da coluna e quando ela “desperta” (energia etérica) é quando o Ser se ergue da vulgaridade do viver pelo despertar das suas próprias forças espirituais, fazendo-a ascender pela coluna vertebral até se alojar no cérebro-mente*. Quando verdadeiramente essa força desperta impulsiona a inteligência, onde a lucidez mental pré-figura o estado de mente iluminada. Iluminada, quer dizer, inteligente, desperta, lúcida, sinal de integração na Inteligência Cósmica o Absoluto. No Jainismo, a iluminação do Tīrthankara é o estado de kaivalya*, o de absoluto desapego terreno, que significa também a realização do Nirvāṇa*. O místico e filósofo jaina Kundakunda (século II) define o Nirvāṇa, como o estado de felicidade transcendente, conhecimento puro e percepção infinita.

No Budismo, o Nirvāṇa é a extinção da Consciência terrena. No Hinduísmo representa a identificação ou união com Brahman; Nirvāṇa é a libertação mukti, a emancipação, mokṣa e o isolamento, kaivalya ou a Mónada na sua pureza inata. Representa a perfeição, a santidade onde se dissolvem todos os karmas e dharmas.

O Nirvāṇa significa o “acabar”, a “extinção” dos desejos ou obstáculos terrenos pela aquisição da sabedoria e inteligência, que engloba tudo aquilo que se conquista pelo caminho ascético da renúncia, como amor, vontade, compaixão, ou seja, todas as virtudes que completam a perfeição humana: a inteligente sublimação…

Esta profundidade espiritual, contudo, não se obtém de forma mental, mas pelo trabalho interior na via da renúncia a si mesmo e às ambições materiais, pela vontade e aspiração na conquista do Amor Incondicional, no qual o Ser se imbui gradualmente; onde e donde vai recebendo conforme progride, a resposta “directa”, ou o “acolher” da Mente Divina. Ao ser integrado, “acolhido” nela, na Absoluta Inteligência vai ficando cada vez mais inteligente e imbuído dessa inteligência maior que é Deus ou o Absoluto – sendo isto, o que faz a iluminação! A integração na Unidade ou Deus! Não há iluminação sem Deus, ou outro nome que lhe queiram chamar. Na realidade podem-lhe dar muitos nomes ou significados para fugir aos conceitos de Deus, hoje tão desacreditados, mas não há outra realização espiritual fora disto. No Jainismo, por exemplo, é chamado de Unidade Cósmica. Quando o iluminado atinge o Nirvāṇa ou o Paranirvāṇa, após a morte é nesta Unidade que se integra.

A serpente, como símbolo de sabedoria passa pela posição erguida da cabeça; é quando ela está “desperta”, pois as demais posições são o dormir e o rastejar… Assim, o homem quando ainda não despertou espiritualmente, não só dorme como “rasteja”: arrasta-se na vida sem um objectivo elevado para viver. Quando começa o despertar é porque recebe um impulso das suas próprias forças espirituais por algum esforço de vontade ou aspiração devocional, que dispara a energia da base da coluna em direcção ao cérebro. Possibilita desobstruir então, gradualmente, os nós mentais que se formaram devido ao embotamento sensual, causa de muita densidade, onde a maior parte dos seres se mantêm num status inferior ou medíocre da vivência humana. O despertar ou a iluminação acaba por ser uma exaltação espiritual que deixa a mente translúcida, viva, atenta e irradiante.

A irradiação é o efeito externo produzido pelo fogo (agni) interno quando a realização espiritual alcança tal grau de actividade vibratória, que os muros que confinam a forma, corpo físico, já não constituem uma prisão, mas permite a evasão da essência subjectiva (subtil) ou energia etérica, que se projecta exteriormente, criando um efeito magnético ao redor do corpo.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2014, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®