Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Sagrados
Sugestões de Leitura
Especiais
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
  Ordenar por:  
Artigos 1 - 5 de 35
  [1]  2  3  4  5  6  7  [Seguinte]
Festival de Wesak de Teosofia
Aproxima-se a data 04 de Maio de 2015, a celebração do Festival de Wesak. Wesak em sânscrito significa mês de Maio - momento propício para uma preparação adequada, purificando o nosso subconsciente, que tem uma ligação lunar, e de nos sintonizarmos com o nosso Cristo Interno, o Eu Superior, onde as energias Solares podem ser encontradas. A Lua pertence ao nosso passado, agora o nosso Lar é a Terra, mas o nosso devir está no Sol, o corpo físico do nosso Pai Celestial. Este sagrado momento favorece a avaliação das nossas imperfeições, mergulhando nos registos do subconsciente para descobrir e transmutar, padrões rígidos e escravizantes que ainda possuímos, em Liberdade, Felicidade e Iluminação.
Data: 03 Mai 2015
Ler  Ler
A Última Ceia de Filipe Araújo
Leonardo da Vinci começou a trabalhar a pintura “A Última Ceia” no ano de 1495. Esta obra é considerada sua pintura mais ambiciosa e é tão famosa quanto o retrato da Mona Lisa, a mais notável e conhecida obra de Da Vinci. O trabalho pode ser visitado no Convento Santa Maria Delle Grazie, Milão, onde foi concebida em uma parede do refeitório dos monges. Porém, a pintura não pode ser apreciada em sua totalidade. Isso se deve a um equívoco cometido por Leonardo da Vinci na época. Da Vinci, que passou mais de dois anos trabalhando em “A Última Ceia”, decidiu aplicar a técnica da têmpera, que consistia em misturar pigmentos coloridos com gema de ovo. A pintura foi feita em gesso seco e, para a infelicidade dos apreciadores da obra do artista, entrou em estado de deterioração em 20 anos, sendo que no ano de 1560 já estava arruinada.
Data: 19 Mar 2015
Ler  Ler
Descobrir a Paz de Kalyani Prasher
Ladaque, Jammu e Caxemira Há algo sobre um mosteiro que exala tranquilidade. Para quem deseja visitar mosteiros, não há melhor cenário que Leh. Paisagens deslumbrantes nos cercam à medida que nos aproximamos do destino, tornando-se inesquecíveis. Para onde quer que se olhe, lá está uma oportunidade para uma foto, quer seja de rochas ou de lagos cintilantes. Pode-se fazer a escolha entre os mosteiros perto de Leh como Lamayuru, Phyang, Chemrey, Shey e Spituk, mas com um pouco mais de tempo pode-se visitar Alchi e Hemis.O mosteiro Alchi, a 70 Km de Leh, situa-se nas margens do rio Indus. Quando se parte de Leh, é recebido pela agradável surpresa de paisagens verdes. A mudança de deserto para vegetação deve-se às férteis planícies de irrigação que fazem um contraste surpreendente. Alchi Gompa é um dos mais importantes centros budistas no mundo. A cerca de 45 km de Leh fica o Mosteiro Hemis, local onde acontece o Festival anual Hemis.
Data: 24 Ago 2014
Ler  Ler
Um Yoga de Luz de Geoffrey Hodson
O UNO está no coração do Cosmos. Este UNO tem o Seu santuário e altar no coração de cada ser humano. Em consciência, a primeira grande descoberta do homem é a desta Divina Presença dentro de si, a “do Imortal Governante Interno, localizado nos corações de todos os seres", (Bhagavad Gitā). É baseado nisto que o homem consegue a identidade com o Único, a completa absorção consciente – “tal como água na água, espaço no espaço, luz na luz” (Ātma-Bodha, Shankarachārya ) – sempre no eterno e incriado Todo. Esta é a última meta do homem. A meditação metódica e sabiamente dirigida pode acelerar sua consecução. O primeiro objetivo na meditação e descobrir a nossa própria Seidade Espiritual, diferençada dos veículos pessoais (físico, emocional e mental) e a consciência que atua dentro deles.
Data: 08 Dez 2013
Ler  Ler
O Yoga Vāsiṣṭha - 9 Palestra de Alejandro Corniero
O Yoga Vāsiṣṭha conhecido também como Mahārāmāyaṇa (O Grande Rāmāyaṇa) constitui um apêndice do Rāmāyaṇa, o grande poema épico hindu, atribuído ao sábio Vālmīki, e é composto por 32.000 versos (ślokas). Utilizando a forma de um diálogo entre Rāma e o Ṛṣi Vasiṣṭha, o livro expõe a doutrina do Advaita Vedānta em toda a sua pureza, e os seus ensinamentos contêm o que de mais profundo existe na sabedoria hindu. O Yoga Vasiṣṭha era o livro preferido dos yogīs e ermitãos que viviam retirados no Himālaya, mas também era uma obra considerada fundamental para os reis e homens de estado da Índia.
Data: 24 Fev 2013
Ler  Ler
registos por página
  [1]  2  3  4  5  6  7  [Seguinte]
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®