Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Bem-vindo
   Missão
   Agenda
   Notícias
   Loja
   Directório
   Pesquisa
   Marco Histórico §
   Guia de Sânscrito
   NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Dificuldades na leitura? Experimente a versão não acentuada.
pág. 1 de 2
O sono e os alimentos

de Maria

em 16 Set 2013

   Dormir bem é o “sonho” de toda a gente. Todos sabem que algumas horas ininterruptas de sono durante a noite são o caminho certo para o equilíbrio e o bem-estar geral. Contudo, nem todos conseguem manter um horário normal de sono, obedecendo ao ciclo diário, aquele que nos indica a hora de deitar e de levantar acompanhando o nascer e o pôr-do-sol: o dia e a noite, a luz e a escuridão. E, se por um lado, nem sempre o sono chega na hora mais conveniente - aquela a que desejaríamos dormir - por outro, até podemos já estarmos cheios de sono, mas o cérebro mesmo assim não se “desliga” para nos dar o necessário repouso da mente. Isto tem relação com as emoções e problemas vividos durante o dia, mas muitas vezes também com os alimentos que ingerimos, que acabam por criar inquietação da mente e do corpo e impedir o tão desejado descanso por um sono reparador.

Somos regulados não só por um relógio interno - horas de comer e de dormir - mas também pelo relógio cósmico – noite e dia – e nem sempre é possível conciliar a actividade do corpo físico com as “ordens” emitidas ora pela escuridão, ora pela luz solar.

A melatonina que começa a produzir-se no cérebro pelo fim do dia ou começo da noite é o grande regulador do nosso organismo, mas nem sempre e nem todos obedecem ao relógio cósmico que acciona o nosso relógio biológico, que é deitar para dormir nas horas certas, período em que o cérebro tem a maior oportunidade de produzir o triptofano (melatonina) necessário. Este requisito do sono, produção de melatonina, destina-se não só a regenerar o organismo enquanto se dorme, como a ser armazenada para a consumirmos no dia seguinte.

É nesta falta de compromisso com o Cosmos e nós, que se desencadeiam desequilíbrios hormonais, cerebrais e emocionais que vão prejudicar a vivência diária pela insatisfação que a falta de sono provoca. Este vazio pode apelar mais ao consumo de alimentos, especialmente doces para compensar os açúcares naturais que não foram produzidos durante a noite, sendo neste processo que se adquire peso excessivo e as consequências inevitáveis do desequilíbrio na saúde.

É justamente nas horas de sono, corpo imóvel e mente em repouso, que o cérebro produz químicos que permitem a obtenção de energia para redimensionar o organismo. Quanto mais profundo for o sono, maior capacidade e quantidade de energia colocada à disposição do cérebro para regenerar-se. Entre os processos internos neuronais importantes temos a consolidação da memória – as lembranças que são mais úteis e que resultaram do que aprendemos durante o dia, e as que serão guardadas no subconsciente. No fundo, o nosso próprio cérebro tem um sistema de ordem e de disciplina natural, que se o seguíssemos conservaríamos mais tempo o equilíbrio na saúde física e mental. Todavia, a maior parte das pessoas é avessa à disciplina tanto mental quanto física, desvalorizando também a alimentação útil e necessária, aquela que passa por uma boa escolha alimentar e na hora certa, pois tal como o dormir, requer um horário que regule e acompanhe o nosso sistema biológico em geral.

Disciplina mental e física e contenção alimentar, que implica qualidade e quantidade de nutrientes, podem contribuir para um sono regenerador e que nos leve a outras paragens…De facto, o sono também pode levar-nos a outras dimensões de consciência as quais podem ter um sentido espiritual e didáctico contribuindo para profundas compreensões e novas atitudes a ter no dia-a-dia. Serão melhor aproveitadas quando ao acordar trazemos essa recordação da aprendizagem nocturna; serve como um guia para a vivência em vigília.

Naturalmente que este tipo de reciclagem no sono, parece um sonho e é assim que o designamos com receio de confundirmos com imaginação, mas de facto, nem tudo é sonho, mas um alerta na consciência transmitido noutros planos de existência. Quem o reconheça pode aproveitar melhor as horas de sono e de vigília, já que tem consciência daquilo que aprendeu para a sua necessária evolução humana e espiritual.

Tanto o saber alimentar-se quanto saber nutrir-se espiritualmente, passa por uma pesquisa pessoal para obter o conhecimento de como estabilizar a saúde quanto física quanto mental, e contribuir conscientemente, para um sono tranquilo, reparador e criativo.

Alimentos que favorecem o sono:
Alface - possui uma substância chamada lactucina, com efeitos calmantes, favorecendo o sono. Você pode preparar um suco com a hortaliça.
Chá de Camomila - relaxa, diminui a agitação e assim induz o sono. Uma xícara pouco antes de dormir é uma boa sugestão.

Maracujá - o maracujá possui propriedades que funcionam como calmante. Por isso acalmam e ajudam a dormir. Um copo de suco no jantar é excelente.
Semente de Abóbora, gergelim - auxiliam na formação da melatonina, hormônio que também estimula o sono.
   (... continua)  
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®