Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Vários temas
Peregrinações
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Aqui também, a criatividade na Arte do Pensamento presta homenagem ao Ser, e para além de autores já consagrados, damos espaço aos jovens valores que connosco queiram colaborar em vários temas.

pág. 1 de 1
O Velho Varredor

de Ramiro Calle

em 09 Abr 2012

  Era um velho inculto e muito primitivo, mas imensamente motivado em querer dar um sentido aos últimos anos da sua existência e encontrar a verdadeira paz interior. Por isso dirigiu-se a um mosteiro e bateu à porta. Quando os monges o receberam, explicou-lhes que o devorava a ansiedade de progredir espiritualmente e encontrar a incomensurável paz interior, pedindo-lhes que lhe permitissem ficar com eles. Os monges aperceberam-se imediatamente da ignorância e falta de cultura do ancião, mas também de que era um homem de coração e com uma motivação sincera.

Não quiseram, pois, subestimá-lo. Que fazer? Não estava nem sequer preparado para ler as escrituras ou seguir os cerimoniais. Decidiram então permitir-lhe, para que ficasse no mosteiro, que se convertesse no varredor do pátio e encarregaram-no simplesmente de varrer o pátio todos os dias. O ancião aceitou muito agradecido. Os meses passaram. Todos os dias, atenta e primorosamente, o ancião varria o pátio, evitando que ficasse a menor sombra de lixo.

Paulatinamente, os monges começaram a aperceber-se de que se estavam a verificar evidentes mudanças no ancião: ternura contagiante, os olhos irradiavam afecto e todo o seu ser exalava uma paz inefável. A que se devia tudo aquilo? Qual era o seu segredo, interrogaram-se os monges, uma vez que todos eles com os seus ritos e leituras sagradas, não tinham conseguido essa mutação tão desejada, essa energia de afecto e imparcialidade que o ancião inspirava? Por isso decidiram perguntar-lhe abertamente:

_ Qual o teu segredo, ancião? Praticas algum rito especial, segues algumas instruções em concreto?

O ancião, com grande humildade, disse:
_Não fiz nada de especial, respeitáveis monges, creiam-me. Não fiz outra coisa, além de, como todo o amor e sossego, varrer pacientemente o pátio, como se, cada vez que varro o lixo, visualizasse que me libertava do meu lixo interior (o ódio, a raiva, o rancor) e que ia ficando limpo para que surgissem o amor e a compaixão.

Podem executar-se as actividades com atenção esmero e amor, ou de uma maneira imprecisa, feia e trapaceira. A atenção consiste em atender, e ao atender já uma parte de nós entra em contacto com o objecto da atenção mais plenamente e há outra qualidade de consciência e outra atitude. Até uma chávena de chá ou uma salada se podem preparar com afecto e atenção, ou sem nenhum interesse e mecanicamente. Mas se além do mais a atenção for praticada com um sentido karma-yoga, torna-se muito transformadora.

Faz-se o melhor que se pode, sem nos deixarmos encadear pelos resultados, quer dizer, obra por amor à obra e não obcecado com os seus frutos. Faz-se com consciência, superando assim o lado mecânico. A acção mais é mais altruísta, muito mais desinteressada e livre de agitação.

Conto retirado do livro "O Livro do Amor" apresentado na secção Sugestões de Leitura.
   


topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®