Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Introdução
Vários temas
Peregrinações
Agenda
Notícias
Loja
Directório
Pesquisa
Marco Histórico §
Guia de Sânscrito
NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Aqui também, a criatividade na Arte do Pensamento presta homenagem ao Ser, e para além de autores já consagrados, damos espaço aos jovens valores que connosco queiram colaborar em vários temas.

pág. 1 de 2
Rio do Amor

de Maneesha Dube

em 22 Jul 2012

  Por milhares de anos, os indianos celebravam o amor em toda a sua diversidade e exuberância. Foi gravado em pedra, consagrado em textos, pintado em cores sensuais e dramatizado nas artes cénicas. Dos nove rasas ou emoções que definem as artes – shringara (amor), hāsya (risos), raudra (fúria), karuna (compaixão), bibhatsa (nojo), bhayānaka (horror), virar (heróico), adhbhuta (maravilha) e shanta (paz) – é shringara que é considerado o rei. Os dois aspectos de shringara são sambhog (união) e viyog (separação). Na verdade, algumas das descrições mais sugestivas da dor e da tristeza de estar separado de entes queridos podem ser encontradas na literatura indiana. Os muitos humores do amor – paixão e romance, fervor e ternura, devoção e arrebatamento – são interpretados continuamente nos contos que povoam os épicos antigos, o Rāmāyana e o Mahābhārata. Segundo a mitologia indiana, os primeiros amantes do mundo foram Shiva (o destruidor na Trindade Hindu) e Satī. Com a morte de Satī, enlouquecido de dor, Shiva vagueia pelo mundo. Os deuses têm de acalmá-lo ou a sua tristeza vai destruir o universo. Satī é reencarnada como Pārvatī. Mais uma vez Shiva é o seu consorte. Em um nível filosófico, Shiva e Pārvatī representam o equilíbrio dos dois ideais intrínsecos ao hinduísmo – o chefe de família e o asceta.

O amor, romance e erotismo entre Shiva e Parvati é contado em Kumarasambhavam, um poema do maior e mais antigo poeta em sânscrito da Índia, Kālidāsa (§). Diz a lenda que para quebrar a meditação de Shiva os deuses procuraram a ajuda de Kamdev, o deus do amor no panteão hindu, que como seu homólogo na mitologia romana, o Cupido é retratado como uma figura masculina alada e armada com um arco e flecha. Na iconografia, Kamdev é mostrado como montando um papagaio e segurando um arco feito de cana, que tem cordas de abelhas e cujos arcos são cobertos com cinco tipos de flores perfumadas. Como Cupido e o Eros grego, seus dardos inspiram amor em vítimas inocentes. Kālidāsa não pára na narrativa da história de Shiva e Pārvatī, em Rtusamhara, ele narra as experiências de amantes em cada uma das seis temporadas – vsant (Primavera), grishm (Verão), varsha (monção), sharad (Outono), shishir (Inverno) e hemant (início da Primavera) e em Meghaduta ele narra as tentativas de um amante para enviar uma mensagem para sua amada com a ajuda de uma nuvem.

Outra jóia literária em sânscrito é Jayadeva de Geet Govinda, uma celebração lírica do amor entre Krishna e Rādhā. O romance entre Rādhā, uma gopī ou pastora e Krishna, um deus – um avatar de Vishnu – encontrou seu caminho para o folclore, música, dança, pintura e escultura em toda a Índia.

Diz-se que duas das danças clássicas do país – Kathak e Manipuri – evoluíram a partir da dança a dois do amor divino ou raslila. Num plano mais elevado, o Gītā Govinda é interpretado como sendo sobre o anseio da alma (Rādhā) por Deus (Krishna).

Ao longo dos séculos é o amor romântico de Rādhā e Krishna que tem captado a imaginação popular. Uma lenda conta que Rādhā e Krishna foram os primeiros a brincar Holi, o festival das cores. Um dia, o jovem Krishna perguntou a Yashoda, sua mãe (§) adoptiva, porque é que ele era escuro, enquanto Rādhā era clara. Ela, brincando, sugeriu que ele manchasse o rosto de Rādhā com qualquer cor que gostasse. Krishna não perdeu tempo em o fazer. Rādhā alegremente retribuiu. Desde este dia os jovens casais em toda a Índia, com muita alegria esfregam-se uns aos outros com pó colorido no dia Holi. O tema Rādhā-Krishna é usado no cinema indiano contemporâneo, muitas vezes como um dispositivo para ressaltar a pureza do herói e do amor da heroína.

Tal como o Mahābhārata, o Rāmāyana também usa a sua estrutura de conto dentro do conto para narrar muitas histórias de amor. Mas a epopeia é principalmente sobre Rāma e Sitā. Estes amantes divinos – avatares de Vishnu e Lakshmi – são modelos de um casamento hindu ideal. O amor deles é baseado em devoção, fidelidade e, é claro, amor e carinho. Mas é para o Mahābhārata que se olha quando se procura contos de romance fora do casamento. Entre os amantes que emergem deste épico estão Nal e Damayanti, Śakuntalā e Duśyanta, e Shantanu e Satyavati.
Um tema universal em contos românticos envolve um casal de jovens incapazes de obter a sanção da sociedade. Este é o motivo condutor da literatura qissa de Punjāb. Os amantes desventurados Heer e Ranjha, e Dohni e Mahiwal deste género têm uma forte semelhança com Romeu e Julieta e Hero e Leandro da literatura inglesa. Um longo poema punjabi, Heer, escrito por Waris ali Ahah, em 1766, imortalizou o amor de Heer e Ranjha e o poeta punjabi Fazal Shah (§) Sayyad popularizou a história de Sohni e Mahiwal – numa obra do mesmo nome.

O símbolo de amor eterno, que é reconhecido em todo o mundo, é o Tāj Mahāl. Ele não é somente uma Meca para os amantes, é uma inspiração para poetas, dramaturgos, cineastas e artistas. O mausoléu de mármore, situado em Agra, no norte da Índia, foi construído no século 17 por Shah Jahan, o quinto imperador mongol como um memorial a sua amada esposa, Mumtāj Mahāl.
  (... continua) 
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®