Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Bem-vindo
   Missão
   Agenda
   Notícias
   Loja
   Directório
   Pesquisa
   Marco Histórico §
   Guia de Sânscrito
   NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Dificuldades na leitura? Experimente a versão não acentuada.
pág. 1 de 1
A cultura do medo

de Maria João Firme

em 28 Set 2014

   Diariamente, e sem quase nos apercebermos, vivemos numa sociedade que fomenta o medo. Temos medo de ser despedidos; temos medo de passar uma auto-estrada sem portagem e ser multados selvaticamente; temos medo que voltem a aumentar os impostos pois não os podemos pagar; temos medo que nos considerem ignorantes e incompetentes à mínima falha; temos medo de não ser tão bons como o vizinho do lado ou o colega de trabalho; temos medo de não administrar bem condomínio, de não preencher correctamente formulários na internet, de não ser capazes, temos medo...temos medo, temos medo... mas, mascaramos essa vergonha até não darmos por ela.


Vemo-nos obrigados a tomar comprimidos para dormir, ansiolíticos, anti-depressivos, “Diga-sim” e outros que tais, para dizer não ao mau-estar generalizado, às enxaquecas, à ansiedade, à falta de ar, às fobias, à falta de interesse, ao desânimo e à falta de energia para a vida. Segundo estatísticas recentes, a depressão em Portugal aumentou muito. O que as estatísticas não dizem é que, na mesma proporção, aumentou o medo.

Sob certo ponto de vista filosófico, podemos considerar que viemos a esta vida com um missão primordial – vencer o medo da morte. Começámos a sentir medo desde que nos pensámos como gente, sentindo que estavámos errados ou éramos inadequados, informação que nos chegou através da família, escola ou de outros círculos sociais. Este medo, gerado nas convenções, pode ser tão feroz como o medo que temos da morte. Mas o medo da morte, sendo visceral e inevitável é um medo “limpo” pois, uma vez que nascemos, todos temos a certeza de que vamos morrer um dia. Ora, não sabendo como se passam as coisas “do lado de lá”, ou se é que “se passam”, a morte será uma situação que todos teremos que enfrentar, uma outra face da vida.

Mas uma coisa é essa etapa final, da responsabilidade da Natureza, do Absoluto ou de Deus (como lhe queiramos chamar), para a qual nos preparámos melhor ou pior em vida, e outra coisa são os medos criados pelo homem, como forma de aumentar o controle sobre o seu semelhante. Este já é um medo fomentado para criar dependências, numa dança que se inicia com um baixar de cabeça, de seguida o tronco, depois joelhos e costas, à medida que nos curvamos numa generosa vénia de servilismo crescente, esvaziando-nos do nosso próprio ser. Ao abdicarmos da nossa dignidade, a sede dos que nos controlam aumenta. A sua compulsividade por dinheiro e poder cresce, na mesma proporção em que é sugada a nossa energia criativa e damos sombra a personagens de uma empoeirada corte oitocentista, perdida em maneirismos repetitivos e vénias exacerbadas.

Nesta poderosa encenação, tornámo-nos reféns na primeira cena, dependentes e incapazes de tomar nas mãos o desfecho da nossa obra artística. É urgente que consciencializemos o tempo e espaço desta ação, o palco em que a representamos, e o momento em que nos prepararmos para passar ao segundo ato. Na verdade, todos os caminhos vão dar ao Amor. A caminhada é justamente... vencer os medos!
     


topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®