Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Bem-vindo
   Missão
   Agenda
   Notícias
   Loja
   Directório
   Pesquisa
   Marco Histórico §
   Guia de Sânscrito
   NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Dificuldades na leitura? Experimente a versão não acentuada.
pág. 1 de 4
Vesak

de Bhikkhu Dhammiko

em 20 Mai 2013

   Entre as diversas Comunidades Budistas, principalmente a Linha Theravada existente em diversos Países como a Tailândia e o Sri Lanka, partilha-se e mantêm-se a Tradição unânime de comemorar a data que representa três acontecimentos fulcrais na Vida de Siddhārtha Gautama, o Buddha: o momento da Concepção em que o Seu Ser se ligou ao útero de Sua Mãe; o momento em que Ele alcançou a Iluminação sob a Árvore Bodhi aos 35 anos; e o momento da sua morte física com passagem para Parinibbānna aos 80 anos.

Muita controvérsia e incerteza existem ainda em torno da data de nascimento de Gautama Buddha. A Lenda inicial que deu origem à identificação dos três eventos, Concepção, Iluminação e Morte do Buddha reunidos numa mesma data, surgiu no Sri Lanka, algum tempo depois do Budismo se ter estabelecido como Religião no País, no entanto não existe nenhuma referência no Cânone Budista que suporte esta tripla conjunção, tendo sido a celebração desta data conjunta posteriormente propagada para outros países, principalmente para o Sudeste Asiático, aonde a Tradição se manteve até aos dias de hoje.

Mais uniforme e estendendo-se à quase maioria de todas as Linhas Budistas no Mundo, é, em relação ao Seu Nascimento, a Crença e a Tradição de que Buddha Gautama nasceu quando a Lua Cheia se encontrava em Vaiśākha (palavra sânscrita).
Vesaka ou Vesak, são hoje em dia nomes correntes utilizados para identificar esta Cerimónia Sagrada, a mais importante do ano no mundo Budista.
Vesaka ou Vesak derivam precisamente da palava sânscrita Vaiśākha, que na realidade remonta aos antiquíssimos anais do original Calendário Lunar Védico, que deu origem ao antigo Calendário Hindu com as diferentes adaptações subsequentes e regionalizações que vieram a resultar nos diversos Calendários Regionais Indianos da nossa actualidade.
Originalmente Vaiśākha é o nome Sânscrito Védico de uma determinada Estrela ou Constelação, hoje identificada como Alpha Libra (Al genubi) ZubenelGenubi Libra-3a segundo R.H.Allen e S. Balakrishna, usado para representar uma específica Mansão Lunar (Nakshatra em Sânscrito) ou signo.

No antigo Calendário Védico a Nakshatra Vaiśākha é uma das 27 Mansões Zodiacais de 13.3 graus sensivelmente, Mansões estas que na sua totalidade perfazem os 360 graus da eclíptica zodiacal, ou seja, este sistema é idêntico ao nosso Calendário Solar, só que em vez de 12 signos de 30 graus, é composto por 27 signos de 13.3 graus.
Hoje, esta Mansão Vaiśākha, considera-se estar situada entre o 13º (223) e 26º (236) graus do Signo de Escorpião, não da Constelação de Escorpião, respectivamente, uma vez que actualmente as Constelações e os Signos com o mesmo nome já não estão alinhados, devido à precessão dos Equinócios que os recua 0.36 graus por ano, significando isto que as Estações do Ano vão recuando 0.36 graus anualmente em relação à esfera Celeste e suas Estrelas (Constelações), representadas pelos Signos na banda do planisfério Eclíptico.
Assim segundo reza a História o Buddha Gautama, nasceu no momento em que a Lua Cheia se encontrava na Mansão de Vaiśākha. Isto significa que estando o disco Lunar cheio de Luz em círculo perfeito, o Sol está em oposição a 180 graus à Lua, com a Terra alinhada entre a oposição Sol-Lua. O que quer dizer que ocorrendo a Lua Cheia no Signo de Escorpião, o Sol estará em oposição perfeita no Signo oposto, Touro.

Com o passar dos séculos e milénios, o Calendário Védico Hindu sofreu aferições e reformas, sendo hoje o Calendário Indiano resultado proveniente das mudanças operadas em marcos cruciais da sua reforma como o “Jyotish Vedānga” (um dos seis adjuntos dos Vedas, séculos XII-XIV a.C.) e padronizado no ‘Surya Siddhanta” por volta do século III a.C. Nestas reformas, sucedeu a determinada altura a mudança do Sistema Lunar de 27 Nakshatras para a adopção do Calendário Solar de 12 meses/Signos de 30/31 dias/graus, utilizando o nome da Nakshatra oposta onde ocorre Lua Cheia, para designar determinado mês Solar.
Sendo o primeiro mês designado por Chaitra (correspondente ao Signo de Carneiro), Vaiśākha designa hoje no Calendário Nacional Indiano, o segundo mês Solar do Ano, indo de 21 de Abril a 22 de Maio, correspondendo assim ao Signo do Touro no Calendário Ocidental.
   (... continua)  
topo
questões ao autor sugerir imprimir pesquisa
 
 
Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®