Homepage
Spiritus Site
Início A Fundação Contactos Mapa do Site
Bem-vindo
   Missão
   Agenda
   Notícias
   Loja
   Directório
   Pesquisa
   Marco Histórico §
   Guia de Sânscrito
   NEW: English Texts
Religião e Filosofia
Saúde
Literatura Espiritual
Meditação
Arte
Vários temas
Mosteiro Budista
Marco Histórico - Seres
Para saber o significado da palavra desejada, clique sobre a primeira letra.
A
B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
A
  • Aśoka - Viveu entre 273 –232 a.C. Foi o grande rei da dinastia dos Mauryas. Filho de Bindusara, neto de Candragupta, convertido ao Budismo esforçou-se por difundi-lo dentro e fora da Índia mediante mensageiros. Espalhadas por todo o seu vasto império, subsistem os famosos pilares de Aśoka, com registo do seu código ético. Também mandou construir muitos stūpas.



  • Abhinavagupta - Viveu entre os séculos X/XI e teve a sua formação dentro de escolas distintas como o Shivaísmo, o Budismo e o Jainismo. Ordenou e interpretou as principais doutrinas do Yoga shivaita. De grande actividade literária deixou uma vasta obra abarcando filosofia, poesia, metafísica e mística, sendo Paramārthasāra(3) o tratado mais conhecido. Seus textos sintetizam o complexo panorama do Shivaísmo de Kāṣmir de certo carácter monista, ao mesmo tempo que fundamenta intelectualmente, ensinamentos práticos contidos em textos tântricos antigos. Kāṣmir, entre os séculos VIII e XI converteu-se num foco de grande renovação filosófica e mística cabendo o impulso à corrente shivaita, fonte de grande impacto religioso. Abhinavagupta destaca-se como um dos mais proeminentes filósofos de uma parte desse período - para além dos comentários ao Paramārthasāra (herdado de outro iminente filósofo e gramático, o sábio Patañjali, mais conhecido pelo seu trabalho dos Yoga Sūtras) - comentou e compilou inúmeros trabalhos de diversas índoles, desde místicas, metafísicas, não-dualistas (advaita) (dualista-devocional) (dvaita), bem como um tratado de grande influência académica, o Tantrāloka.

    O Shivaísmo de Kāṣmir nasce de tradições milenares, como os Vedas e alguns dos seus princípios como teoria baseiam-se na doutrina Sāmkhya, um dos mais antigos sistemas filosóficos/religiosos da Índia, que nos fala de Puruṣa e Prakṛtī, respectivamente, o Espírito e a matéria. Segundo esta teoria, do qual o Vedānta, outro dos sistemas da Índia também partilha, o Puruṣa, o Espírito do homem quando toma um corpo físico fica sob a influência da matéria e assim se desenvolve um processo fenoménico que limita os poderes do Espírito e cria a ilusão, a māyā; este poder ilusório que se manifesta enquanto energia é chamada de Śaktī que contrabalança com o poder de Śiva. Este é um dos fundamentos.

    No Shivaísmo o mundo não é real é apenas uma representação. No Vedānta a ilusão do eu individual cria uma falsa realidade pela ignorância, pois só o Espírito o Ātman Espirito é real.


  • Mumtaz e Shah Jahan Arjumand - Arjumand Banu Begam nasce em 1593. Receberá o nome de Mumtāj (a eleita) Mahal (do palácio), ao ser a preferida das três mulheres do imperador Mogol Shāh Jahan e de quem terá 14 filhos. Do amor entre os dois nascerá o talvez mais famoso e perfeito monumento da Índia, o Tāj Mahal, onde os corpos de ambos se encontram depositados por entre versículos do Corão em requintadas caligrafias e mosaicos coloridos de pedras raras.

    “livro dos Descobrimentos do Oriente e do Ocidente”
    de Pedro Teixeira da Mota


  • Atisha - Atisha nasceu no ano 982 na Índia oriental. Pertencia à casta kṣatriya (reis e guerreiros). Aos oito anos teve uma visão de uma divindade feminina, a Tara, que lhe deu conselhos sobre a superficialidade da vida mundana e o inspirou para que abandonasse a sua casa em busca de um mestre. Um dia o jovem Atisha vestiu-se de mendicante abandonou a família e perseguiu o seu caminho espiritual.
    Depois de tantos mestres que encontrou, escolheu ficar com o Guru Selingpa durante doze anos, o qual profetizou que Atisha viajaria “à terra das neves” para ensinar o Dharma. E, de facto, um dia fez-se ao caminho percorrendo longos desfiladeiros em altas montanhas, para levar a sabedoria do Buddha ao Tibete e aí passou dezassete anos a ensinar a doutrina Budista.
    Atisha voltou à Índia do norte com a idade de quarenta e cinco anos, e tornou-se um dos mestres espirituais mais venerados do seu tempo. Faleceu com a idade de setenta e dois anos. O seu livro mais famoso é: “Uma Luz no Caminho”.


  • Aurobindo - Viveu entre 1872 – 1950. Em seu tratado de “Vida Divina” realizou uma síntese de teorias filosóficas da Índia, combinadas com ideias ocidentais, que assenta na evolução do aperfeiçoamento espiritual, mediante um novo “Yoga Integral”, projectado para o futuro, com um Estado que abranja todo o mundo.

  • Averróis - Averróis (Ibn Rushd) nasceu em Córdova em 1126. Foi um dos mais famosos eruditos do seu tempo e tal Maimónides ou Avicena, seus conhecimentos abrangiam, medicina, direito, filosofia, astronomia e teologia. Membro de uma importante família de Córdova, neto do grande imã da Grande Mesquita de Granada dividia o seu tempo entre Sevilha, Córdova e Marraquexe.
    Influenciado pelas ideias de Aristóteles, promovia uma interpretação mais racionalista sobre o Corão, que lhe valeu a condenação em Córdova. Rapidamente foi reabilitado com ajuda de tantos amigos de que se soube rodear e teve asilo em Marraquexe, ao abrigo do governante almóada Yacoub el-Mansour até à sua morte em 1198.


Flor de Lótus
Copyright © 2004-2017, Fundação Maitreya ® Todos os direitos reservados.
Consulte os Termos de Utilização do Spiritus Site ®